Dilson Lages Monteiro Segunda-feira, 29 de maio de 2017
JANELA PARA A CRÔNICA - ANTÔNIO F. SOUSA
Antônio Francisco Sousa
Tamanho da letra A +A

A PEDRO COSTA

             Conheci mestre Pedro Costa – era assim que o chamava – lá por volta de mil, novecentos e oitenta e cinco do século passado. Frequentava eu uma churrascaria na zona leste, - localizada em frente ao que hoje é o DNIT, depois de haver sido NOVATERRA e VEMOSA, revendedoras autorizadas Volkswagen – que, a propósito, servia o melhor “arrumadinho de carne de sol” da cidade, além de “paçoca” e “picanha” nacional excelentes.

                Naquele período, enquanto degustávamos quitutes da casa, não raras vezes, na presença, mais que companhia, do recluso amigo de escola, professor e contista Airton Sampaio, Pedro Costa circulava de mesa em mesa -  dali e de alhures, certamente - cantando seu repente e vendendo cordéis.

                A picanharia mudou de endereço, deixei de frequentá-la no novo e perdi de vista, por um tempo, Pedro Costa, que continuou com seu repente, enquanto assumia outros misteres: ator teatral; na organização de eventos envolvendo a poesia repentista e seus cantadores; enveredou pelo marketing, unindo-se a humoristas que despontavam no cenário artístico da capital, fazendo propagandas e tecendo loas. Até que criou, passou a editar, distribuir e buscar patrocínio para a Revista De Repente; não satisfeito, meteu-se na constituição da Fundação Nordestina do Cordel (FUNCOR). Com esses empreendimentos, ganhou diversos prêmios e comendas Brasil afora, que contribuíram para que se transformassem em importantes monumentos à cultura popular da cidade, do estado e do país. Passou o poeta a ser requisitado para, com seu repente, panfletar, disseminar e tornar públicas diversas ações do poder público, notadamente, nas áreas de educação e saúde.

                Adoeceu, ou melhor, descobriu-se doente, primeiramente, das vias superiores: caro lhe custou, inclusive, financeiramente, um tratamento ocular, ao qual superou com desagradáveis consequências. Turrão, tinha – pelo menos foi isso que percebi em incontáveis conversas que tivemos – verdadeira ojeriza por medicamentos alopáticos: considerava-os veneno e não antídoto para doenças; certamente, somente deles se utilizava porque apesar de teimoso e ranzinza tinha grande amor pela vida que esperava tê-la em tempo bastante para ver concluídos os projetos em que se envolvia.

                Mas eles eram tantos que a natureza – ou o criador que, também, por vezes chegou a ser objeto de particular contestação por parte do poeta – resolveu não esperar e o levou no curso de muitos deles já em fase de execução.

                Dizem que ninguém é insubstituível. Tal premissa terá uma chance de se provar verdadeira, a partir de agora, com a partida prematura e inesperada de Pedro Costa, em relação aos seus empreendimentos, sonhos, anseios e desejos. Vamos poder constatar como – ou se – sobreviverão, sem ele, obras que possuem sua cara, seu modo de ser e de agir, dentre outras: a Revista de Repente, circulando, ininterruptamente, há mais de duas décadas; e a própria Fundação Nordestina do Cordel, ancoradouro e porto seguro de tantos que a ela recorreram. Terão seus “discípulos” ou “seguidores” força e estômago fortes o suficiente para tocarem em frente tais instituições? Levando as mesmas bordoadas ouvindo, tantas vezes, os mesmos “nãos” ou os “sins” dissimulados, já que a pretensão era meramente livrar-se dos pedidos formulados pelo insistente poeta? Não vai ser fácil: esta é certeza; senão, verdade absoluta.

                Outra verdade inquestionável é que a cultura popular do estado do Piauí perdeu um esteio, um baluarte, alguém que dava a cara a tapas e, dificilmente, desistia. Um sujeito batalhador; um guerreiro, nada quixote.

                Pedro Nonato da Costa, imortal das Academias Brasileira e Piauiense do Cordel, da Academia de Letras do Longá, presidente da Fundação Nordestina do Cordel; um dos mais bem-sucedidos criadores, produtores e editores do “cordel” engajado, funcional, porta-voz de ações de estado, no nordeste brasileiro.

 Velho companheiro de bons papos e de discussões saudáveis, alegres e prazerosas, isso lá era hora de partir? Por que a pressa, meu camarada?

Mas se teve que ser assim, só podemos nós, seus amigos que ficaram, esperarmos que sua obra continue viva, forte, vicejante e viçosa: a cultura popular local e regional precisam disso. Sua memória estará com e nelas, mestre. Descanse em paz. Aos que ficam, mãos à obra!

                  Antônio Francisco Sousa – Auditor-Fiscal (afcsousa01@hotmail.com) 

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

17.05.2017 - ESTAMOS, OU NÃO, PERDIDOS, SANDOVAL?

03.04.2017 - UM NOVO TRIBUTO

20.03.2017 - A PEDRO COSTA

02.03.2017 - CARTA AOS AGIOTAS E USURÁRIOS DE PLANTÃO

05.02.2017 - O QUE É A MORTE?

04.01.2017 - DOS SINDICATOS, TEMPLOS E PARTIDOS POLÍTICOS

01.12.2016 - A AVÓ

04.11.2016 - A MORTE É SEMPRE UMA VIOLÊNCIA

10.10.2016 - DONOS DA VERDADE

09.09.2016 - PARA ONDE IRÃO OS BURROS?

11.08.2016 - A MEU PAI

01.08.2016 - CONCEPÇÕES SOBRE IMPUNIDADE

04.07.2016 - O IRMÃO DE TODOS

02.06.2016 - O BOM POLÍTICO

04.05.2016 - AMOR NUNCA É DEMAIS

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

28.05.2017 - Incursão à Fazenda Bom Gosto (Século XVIII)

Incursão à Fazenda Bom Gosto (Século XVIII)

28.05.2017 - Versos de Moradora no Harém

Poetisa Amante

28.05.2017 - Palmas para o Tocantins

O autor discorre sobre participação piauiense na Feira Literária Internacional do Tocantins (FLIT), realizada em julho de 2011.

27.05.2017 - A questão da pós-verdade e suas consquências danosas à ética individual e coletiva do mundo globalizado.

O tema escolhido

27.05.2017 - Feitosa, dos Inhamuns

O acadêmico Reginaldo Miranda analisa a obra genealógica do escritor Aécio Feitosa, que escreve sobre a importante família Feitosa, dos Inhamuns.

26.05.2017 - ROGEL SAMUEL: TEORIA DA CRISE

ROGEL SAMUEL: TEORIA DA CRISE

26.05.2017 - POEMA 'ÁGUA FRIA'

poesia

26.05.2017 - O RIO NEGRO

O RIO NEGRO

25.05.2017 - Teresina

O acadêmico Reginaldo Miranda escreve sobre a cidade de Teresina, capital do Piauí, por ocasião da outorga da Comenda Conselheiro Saraiva.

25.05.2017 - A enigmática Etrúria

Desprezada por muitos leitores, a Arqueologia é uma Ciência que vale a pena ser estudada pelos leigos, pois se revela muito interessante.

25.05.2017 - EM BUSCA DA POÉTICA DE J. G. DE ARAÚJO JORGE

EM BUSCA DA POÉTICA DE J. G. DE ARAÚJO JORGE

24.05.2017 - O dia em que saí no Ibrahim Sued

Era a sexta-feira do dia 17 de maio de 1985

23.05.2017 - UM AMIGO DE INFÂNCIA

No dia seguinte ao da mudança para a nossa pequena casa dos Campos, em Parnaíba, em 1896, toda ela cheirando ainda a cal

23.05.2017 - Fraternidade Espiritualista Universalista

Em pleno cerrado de Goiás...

22.05.2017 - Um livro infantil de Irá Rodrigues

A literatura infantil é parte importante de nossa cultura, pois devemos estimular nossas crianças ao saudável hábito da leitura.

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br