Dilson Lages Monteiro Segunda-feira, 29 de maio de 2017
JANELA PARA A CRÔNICA - ANTÔNIO F. SOUSA
Antônio Francisco Sousa
Tamanho da letra A +A

A MORTE É SEMPRE UMA VIOLÊNCIA

             Talvez seja já oportuno adiantar: despiciendo nos parece atribuir parâmetros ou gradações à violência cometida por alguém, um grupo ou por um evento natural ou não, no qual não temos poder de interferir, se ela resulta na morte de um ser. Nenhum crime pode ser tomado como mais ou menos violento se seu escopo é o extermínio de uma vida. Matar é e sempre será um ato de extremada e incomensurável violência. Morrer é a pior de suas consequências, a despeito de se saber, e até se aceitar, que há de existir um fim para a vida, como houve o início. Esta deveria ser a lógica: nascer e morrer, naturalmente. O interregno cronológico-existencial entre os dois extremos garantiria a seleção e a perpetuação das espécies.

             Ocorre que não basta à morte ser apenas a previsível materialização de um ato de violência; ela “parece fazer questão” de mostrar-se oportunista, sorrateira, dissimulada; covarde, por vezes; indigitada, sempre. E nem precisaria que assim fosse, haja vista, diante dela, não termos qualquer chance: nenhum ser vivo, humano, animal ou vegetal consegue vencê-la.

            O processo que a morte exercita até o momento em que nos abate não tem mistério; como não sabemos se seremos atendidos, acaso tentemos apelar por um pouco mais de complacência, muita vez fazemos isso, senão como mero desencargo de consciência, a quem não pode ou não nos quer atender. Ela, por vezes, nos consume, no curso ou no interregno de um ciclo em que chegáramos a pensar que havia nos esquecido, temporariamente. Pragmática, vem e nos tolhe, apressadamente ou não, mas sempre como se fôssemos o último a quem precisava levar. Pressa ou necessidade, a propósito, são duas de suas características que jamais conseguiremos discernir. Fato é que, a partir do momento em recebemos a animação corporal, a natureza nos informa qual passa a ser o objetivo, inarredável, inescapável, inexorável de nossa vida: a morte; vivemos cada dia, querendo ou não, como se fosse o último; a vida não nos espera, a morte, sim; nossa existência nem sempre é um processo de preparação para a morte, mas de espera por ela, certamente o é.

            Se há algo que se possa aproveitar da morte é o fato de, mesmo sabendo que ela nos vai desanimar ou desconstruir a qualquer momento, este, ao que tudo indica, nem a própria sabe quando acontecerá. Convém não nos iludirmos com essa falsa beatitude: já que não temos certeza da chegada do instante exato que determinará nosso final, ideal seria – ou não - que estivéssemos o mais pronto possível para nos abandonarmos, com poucas demandas a cumprir, quase sem pendências existenciais. Fato é que, com ou sem missões em andamento, ao nos chamar, tudo ficará para trás.

            É possível que apenas nós, seres racionais, tenhamos preocupação com a chegada de esse momento em que, naturalmente ou não, vamos morrer.  Essa certeza deve nos mover a tentar fazer da morte a mais tardia realidade possível.

            Tanto mais poderia ser dito a respeito da indigitada figura. Parece, contudo, inconcebível pensar de outro modo um ser iluminado, como não se esperaria, racionalmente, de um cético, gnóstico ou agnóstico duvidar de este fato: quem ou o que quer que haja permitido que alguém ou algo tivesse o direito de nascer, esse ente ou conhecimento sobrenatural ou ideológico, certamente, não fez tal concessão por mero diletantismo: ele tinha plano para essa vida e, claro, estabeleceu prazo para cumprimento do mesmo. Por conseguinte, partindo de esse pressuposto e como ninguém sabe qual seu tempo de duração ou vigência, talvez somente a morte natural, que apesar de também ser uma violência, poderia parecer aceitável. 

            Antônio Francisco Sousa – Auditor-Fiscal (afcsousa01@hotmail.com)

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

17.05.2017 - ESTAMOS, OU NÃO, PERDIDOS, SANDOVAL?

03.04.2017 - UM NOVO TRIBUTO

20.03.2017 - A PEDRO COSTA

02.03.2017 - CARTA AOS AGIOTAS E USURÁRIOS DE PLANTÃO

05.02.2017 - O QUE É A MORTE?

04.01.2017 - DOS SINDICATOS, TEMPLOS E PARTIDOS POLÍTICOS

01.12.2016 - A AVÓ

04.11.2016 - A MORTE É SEMPRE UMA VIOLÊNCIA

10.10.2016 - DONOS DA VERDADE

09.09.2016 - PARA ONDE IRÃO OS BURROS?

11.08.2016 - A MEU PAI

01.08.2016 - CONCEPÇÕES SOBRE IMPUNIDADE

04.07.2016 - O IRMÃO DE TODOS

02.06.2016 - O BOM POLÍTICO

04.05.2016 - AMOR NUNCA É DEMAIS

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

28.05.2017 - Incursão à Fazenda Bom Gosto (Século XVIII)

Incursão à Fazenda Bom Gosto (Século XVIII)

28.05.2017 - Versos de Moradora no Harém

Poetisa Amante

28.05.2017 - Palmas para o Tocantins

O autor discorre sobre participação piauiense na Feira Literária Internacional do Tocantins (FLIT), realizada em julho de 2011.

27.05.2017 - A questão da pós-verdade e suas consquências danosas à ética individual e coletiva do mundo globalizado.

O tema escolhido

27.05.2017 - Feitosa, dos Inhamuns

O acadêmico Reginaldo Miranda analisa a obra genealógica do escritor Aécio Feitosa, que escreve sobre a importante família Feitosa, dos Inhamuns.

26.05.2017 - ROGEL SAMUEL: TEORIA DA CRISE

ROGEL SAMUEL: TEORIA DA CRISE

26.05.2017 - POEMA 'ÁGUA FRIA'

poesia

26.05.2017 - O RIO NEGRO

O RIO NEGRO

25.05.2017 - Teresina

O acadêmico Reginaldo Miranda escreve sobre a cidade de Teresina, capital do Piauí, por ocasião da outorga da Comenda Conselheiro Saraiva.

25.05.2017 - A enigmática Etrúria

Desprezada por muitos leitores, a Arqueologia é uma Ciência que vale a pena ser estudada pelos leigos, pois se revela muito interessante.

25.05.2017 - EM BUSCA DA POÉTICA DE J. G. DE ARAÚJO JORGE

EM BUSCA DA POÉTICA DE J. G. DE ARAÚJO JORGE

24.05.2017 - O dia em que saí no Ibrahim Sued

Era a sexta-feira do dia 17 de maio de 1985

23.05.2017 - UM AMIGO DE INFÂNCIA

No dia seguinte ao da mudança para a nossa pequena casa dos Campos, em Parnaíba, em 1896, toda ela cheirando ainda a cal

23.05.2017 - Fraternidade Espiritualista Universalista

Em pleno cerrado de Goiás...

22.05.2017 - Um livro infantil de Irá Rodrigues

A literatura infantil é parte importante de nossa cultura, pois devemos estimular nossas crianças ao saudável hábito da leitura.

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br