Dilson Lages Monteiro Terça-feira, 30 de maio de 2017
ESTUDOS & LITERATURAS - ANTÔNIO CARLOS ROCHA
Antônio Carlos Rocha
Tamanho da letra A +A

Padroeira e Protetoa dos Ciganos.

Macarena

 

 

Janeiro de 2011 eu estava em Sevilha, Espanha, com minha filha e meu genro. Belíssima cidade, povo hospitaleiro. Foi lá que descobri o Bétis, time de futebol verde e branco local, que passei a torcer.

 

Todos os dias, pela manhã, saíamos do hotel e íamos tomar café no bar em frente.  E sempre eu via dois senhores aposentados conversando com um terceiro o balconista que parecia o gerente ou algo assim. Eles falavam o tempo todo em Macarena. Com muita devoção.

 

Lembrei da música, dança, coreografia latinoamericana que até o ex-presidente Clinton ensaiou uns passos. Mas vi que não era isso, eles falavam com muita Fé.

 

Belo dia perguntei no meu portunhol: Macarena é uma santa? E um deles respondeu como se fosse um daqueles enigmáticos mestres Zen: “Macarena é tudo”.

 

Então, passeando pela cidade, encontramos a Basílica de Nossa Senhora La Macarena, então entendi os três devotos no bar matinal.

 

Também conhecida como Basílica de Santa Maria Macarena, um prédio lindo, local idem, vibrações ótimas. No Brasil ela é conhecida como Nossa Senhora da Esperança, é a Protetora/Padroeira dos Ciganos.

 

Dizem que no altar da primeira missa no Brasil, em 1500, uma imagem dela estava no altar. Pedro Álvares Cabral e comitiva reverenciavam a mesma.

 

Observo, de longa data: as Energias que emanam de Nossa Senhora, são muito parecidas com as Energias que o Senhor Buddha emana. Escrevo com todo o respeito aos que discordam. Mas, cada vez mais, identifico similaridades...

 

Falando nisso, já escrevi aqui sobre as minhas origens ciganas, do meu avô paterno, lá em Bezerros, PE.

 

Então lembrei que uma vez no Centro do Rio um grupo de ciganas com suas roupas características estavam na Rua Uruguaiana lendo as mãos e a sorte de alguns transeuntes.

 

Nisso duas vem na minha direção e pedem para ler as minhas mãos. Sorrindo, esclareço:

 

- Com uma condição.

 

- Qual ? -  perguntou a mais desinibida.

 

- Que eu também possa ler as mãos de vocês.

 

- Assim não vale. E você sabe ? Aprendeu aonde ?

 

- Com um monge budista. Às vezes eu acerto, às vezes mais ou menos.

 

- Deixa pra lá ... – e foram saindo.

 

Confesso que eu gostaria muito de ler as mãos das mesmas e descobrir os seus segredos. Por motivos éticos, claro, ficaria só entre eu e a respectiva.

 

É fascinante estudarmos estas “ciências” com o intuito de ajudarmos pessoas. Sem cobrar um tostão, foi essa a condição do monge budista que me ensinou. Se você cobrar vai perder a força, a intuição. Nossa linhagem não cobra nada.

 

É uma caridade, uma orientação, uma dica, um toque de amizade.

 

- Tu sabes ler palma? ! – questionou, certa feita, uma amiga gaúcha. Então tirou xérox das palmas das mãos e enviou pelo correio, no tempo que ainda não tinha e-mail.

 

Com o Budismo Chinês, aprendi mais tarde, que as linhas dos pés também “falam” ... mas este curso ainda fiz.

 

 

 

 

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

28.05.2017 - Versos de Moradora no Harém

23.05.2017 - Fraternidade Espiritualista Universalista

16.05.2017 - Versos Religiosos Madrilenhos

22.04.2017 - Poesia de Hoje

15.04.2017 - Poesia atual

10.12.2016 - A Pança dos Formosos

03.12.2016 - Lendo e Comentando as palavras de Buddha.

28.11.2016 - Comunismo Espiritual Antiquíssimo !

18.11.2016 - Homenagem ao Pavilhão Pátrio

05.11.2016 - Literatura do Grande Veículo

29.10.2016 - O Alimento do Mundo

22.10.2016 - Texto dedicado à Amithaba, o Buda das Águas

16.10.2016 - Bodhisatva Leve e Suave

03.10.2016 - Bodhisatva Receptáculo Digno de Virtudes

26.09.2016 - Os Veneráveis Nomes do Sutra Lótus

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

29.05.2017 - Eleição Direta é Golpe

Para esses oportunistas golpe tem dois pesos e duas medidas

28.05.2017 - Incursão à Fazenda Bom Gosto (Século XVIII)

Incursão à Fazenda Bom Gosto (Século XVIII)

28.05.2017 - Versos de Moradora no Harém

Poetisa Amante

28.05.2017 - Palmas para o Tocantins

O autor discorre sobre participação piauiense na Feira Literária Internacional do Tocantins (FLIT), realizada em julho de 2011.

27.05.2017 - A questão da pós-verdade e suas consquências danosas à ética individual e coletiva do mundo globalizado.

O tema escolhido

27.05.2017 - Feitosa, dos Inhamuns

O acadêmico Reginaldo Miranda analisa a obra genealógica do escritor Aécio Feitosa, que escreve sobre a importante família Feitosa, dos Inhamuns.

26.05.2017 - ROGEL SAMUEL: TEORIA DA CRISE

ROGEL SAMUEL: TEORIA DA CRISE

26.05.2017 - POEMA 'ÁGUA FRIA'

poesia

26.05.2017 - O RIO NEGRO

O RIO NEGRO

25.05.2017 - Teresina

O acadêmico Reginaldo Miranda escreve sobre a cidade de Teresina, capital do Piauí, por ocasião da outorga da Comenda Conselheiro Saraiva.

25.05.2017 - A enigmática Etrúria

Desprezada por muitos leitores, a Arqueologia é uma Ciência que vale a pena ser estudada pelos leigos, pois se revela muito interessante.

25.05.2017 - EM BUSCA DA POÉTICA DE J. G. DE ARAÚJO JORGE

EM BUSCA DA POÉTICA DE J. G. DE ARAÚJO JORGE

24.05.2017 - O dia em que saí no Ibrahim Sued

Era a sexta-feira do dia 17 de maio de 1985

23.05.2017 - UM AMIGO DE INFÂNCIA

No dia seguinte ao da mudança para a nossa pequena casa dos Campos, em Parnaíba, em 1896, toda ela cheirando ainda a cal

23.05.2017 - Fraternidade Espiritualista Universalista

Em pleno cerrado de Goiás...

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br