Dilson Lages Monteiro Domingo, 23 de abril de 2017
ESTUDOS & LITERATURAS - ANTÔNIO CARLOS ROCHA
Antônio Carlos Rocha
Tamanho da letra A +A

Homenagem ao Pavilhão Pátrio

Oi Bandeira Nacional !

 

Antonio Carlos Rocha

 

- Oi amigo, tudo bem?

 

- “Tudo caminhando como Deus quer e consente”, diria um antigo conhecido, já falecido. O Senhor o tenha !

 

- Pois é rapaz, às vezes, a gente pensa que está tudo fora do esquadro, mas na verdade, está tudo encaminhando-se para melhor, ainda que o engarrafamento esteja muito complicado. Mas como foi que você descobriu que eu sou um Ser conversável...

 

- Bandeira Nacional, é o seguinte: nos ensinamentos budistas aprendi que nós podemos conversar com tudo e com todos.

 

- Ainda que digam que eu sou “uma Ser inanimada”.

 

- E se eu te chamar de Pavilhão Nacional, será no masculino: “um Ser inanimado”, ainda que, animadíssimo e animadíssima !

 

- O pessoal ainda não entendeu que eu sou um Ser plural, coletivo, que represento todos os milhões de brasileiros e brasileiras que nasceram aqui ou que moram por aqui de coração, e os demais espalhados pelos mundos...

 

- Isso mesmo, nos mundos presentes, passados e futuros como diz o Buda.

 

- Exatamente, os milhões que já morreram desde 1500, os bilhões de seres sencientes que já viveram bem antes de 1500, desde que o Planeta Terra surgiu, eis eu... abrigando a todos e todas como um grande Pai e uma grande Mãe.

 

- E ainda tem os muitos milhares, bilhares, trilhares que nascerão em futuros inconcebíveis à mente humana.

 

- Mas aí, tendo em vista a Lei da Impermanência eu não sei se, geograficamente, territorialmente, ainda seremos e teremos o mesmo mapa.

- Tem razão Bandeira Nacional, você é sábia.

 

- Também aprendo com vocês, e muito, essa é a beleza da vida, aprendermos sempre !

 

- Lembrei quando eu era criança que, no antigo primário onde eu estudava na Escola Presidente Roosevelt, lá no meu querido Realengo, RJ, matinalmente, cantávamos o Hino Nacional e te hasteávamos, cada dia era um aluno, um dia lá fui eu, todo trêmulo de emoção e timidez, comecei a hastear, mas como não prendi direito o cordão, veio uma professora ou diretora fazer certo. E olha, nós gostávamos daquele momento, tinham os alunos mais velhos, cuja fanfarra, marcava o ritmo e a solenidade diárias.

 

- Nesse tempo, ainda era Distrito Federal, 1959, portanto muitos antes da tal ditadura civil-militar.

 

- É bom você ter falado isso, porque uma vez contei no meu trabalho e disseram, era coisa da ditadura. Não era, o então presidente era o Juscelino Kubistchek, a meu ver, o melhor presidente que já tivemos.

 

- Tem razão, fazer uma cidade como Brasília, em cinco anos, prova que é competente.

 

- É verdade, e note que, naquele tempo, não existia reeleição, aliás, eu sou contra a reeleição. Se a pessoa não deu o seu recado em 4 anos, pode tirar o cavalinho da chuva.

 

- Como o Mandela, na África do Sul, tinha direito à reeleição, mas preferiu ficar só nós quatro anos.

 

- Quem sabe, um dia, o pessoal daqui fica mais humilde, mais brasileiro, mais solidário e promulgam a volta dos 4 ou 5 anos...

 

- Bandeira Nacional foi uma grande satisfação conversar com você, até a próxima Amada !

 

- Até a próxima Amado !

 

 

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

22.04.2017 - Poesia de Hoje

15.04.2017 - Poesia atual

10.12.2016 - A Pança dos Formosos

03.12.2016 - Lendo e Comentando as palavras de Buddha.

28.11.2016 - Comunismo Espiritual Antiquíssimo !

18.11.2016 - Homenagem ao Pavilhão Pátrio

05.11.2016 - Literatura do Grande Veículo

29.10.2016 - O Alimento do Mundo

22.10.2016 - Texto dedicado à Amithaba, o Buda das Águas

16.10.2016 - Bodhisatva Leve e Suave

03.10.2016 - Bodhisatva Receptáculo Digno de Virtudes

26.09.2016 - Os Veneráveis Nomes do Sutra Lótus

17.09.2016 - Discipulogia Dármica

09.09.2016 - Supremo Texto Búdico

20.08.2016 - Padroeira e Protetoa dos Ciganos.

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

22.04.2017 - O povoamento do Piauí

O autor faz análise crítica sobre obra historiográfica e sobre a colonização do Piauí

22.04.2017 - Poesia de Hoje

Versos Atuais.

22.04.2017 - O BRASIL QUE VIRÁ

O BRASIL QUE VIRÁ

21.04.2017 - C@ARTA AO POETA CHICO MIGUEL

Diria que o amigo é um poeta do coração e da razão, no perfeito equilíbrio dessas duas vertentes.

21.04.2017 - SOMOS MEMBROS UNS DOS OUTROS

Isto é citado por Laín Entralgo

20.04.2017 - MEUS MORTOS HÃO DE VIR NO FIM DA TARDE

Só dá para ler este belo texto quem o situa na Manaus da década de 50

20.04.2017 - E O CONGRESSO?

Oh, Amigos, não esqueçamos o futuro Congresso.

19.04.2017 - SER BUDISTA

Quando o queriam reprovar, diziam que ele era budista.

18.04.2017 - POR QUE KAFKA ESCREVIA EM ALEMÃO?

POR QUE KAFKA ESCREVIA EM ALEMÃO?

18.04.2017 - CONFLUÊNCIA

CONFLUÊNCIA

18.04.2017 - Sobre a liberdade

Sobre a liberdade

17.04.2017 - A palavra editor

É uma das palavras mais ambíguas do nosso mercado literário

16.04.2017 - Auto de Natal em Copacabana

Auto de Natal em Copacabana

15.04.2017 - A MÁSCARA DE CRISTO

Impossível saber se era moreno como um palestino

15.04.2017 - Poesia atual

Plataforma Póetica Popular

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br