Dilson Lages Monteiro Quarta-feira, 23 de abril de 2014
ENSAIO & CRÍTICA - CARLOS EVANDRO EULÁLIO
Carlos Evandro Martins Eulálio
Tamanho da letra A +A

GLOBALIZAÇÃO: CONSEQÜÊNCIAS HUMANAS E COMUNICACIONAIS

 O dicionário Aurélio define Globalização como um “processo de integração entre as economias e sociedades dos vários países, especialmente no que se refere à produção de mercadorias e serviços aos mercados financeiros e à difusão de informações”.  Nessa definição, termos-chave como processo, integração, produção, mercadorias e informações apontam para uma série de reflexões acerca desse fenômeno que a todos inquieta, tanto em forma de exaltação, quanto  em sinal de protesto ou censura. 
 Apesar de ser uma palavra nova, a idéia de integração que em si carrega é bem mais remota do que se imagina. No nosso continente, por exemplo, fatos como a descoberta da América e a chegada dos portugueses ao Oriente, por via marítima, iniciaram o processo de comercialização de mercadorias e concorreram para unir a Europa e o Oriente às Américas.
No plano econômico, a Globalização caracteriza-se pela aceleração das transações comerciais, envolvendo mercadorias e capitais, em cuja teia de negócios ultrapassam as fronteiras nacionais. Essa ultrapassagem é possível através de fluxos de informações que simultaneamente atingem os mais diferentes pontos do globo, afetando empresas, indivíduos, enfim, a sociedade como um todo. Evidentemente, isso vem acarretando transformações com conseqüências imprevisíveis, de dimensões econômicas e sociais, como o desemprego, a informalidade, o enfraquecimento dos movimentos sindicais e corporativistas e a privatização do Estado, que se torna menor em relação à empresa, e esta, por sua vez, mais poderosa que aquele.
Sem usar essa terminologia, Weber foi o primeiro pensador a falar de Globalização, ao afirmar que a empresa, como tipo de organização prática, é capaz de afetar a soberania do Estado. Nesse cenário, os países globalizados são os mais penalizados por esse e outros impactos negativos. Um exemplo claro é a instalação de empresas multinacionais em seus territórios, com único objetivo de obter altos lucros, explorando a mão-de-obra mais barata, como é o caso da Nike, em Singapura, onde mantém avançada linha de montagem.  Acrescente-se que alguns países pobres, já penalizados com esse tipo de exploração, além de importar mais do que exportam, têm ainda de adquirir no exterior tecnologias mais caras, se é que desejam manter seus produtos no mercado num patamar minimamente competitivo.  Outro fator econômico que vem concorrendo para enfraquecer a economia dos países pobres é a constante ameaça de falência dos seus mercados financeiros, decorrente da especulação perversa contra suas moedas, sempre expostas a quedas bruscas de cotação nas principais Bolsas de valores do mundo capitalista.
 No âmbito das comunicações, a Globalização vem dotando o mundo de uma estrutura tecnológica descentralizada, porém mais interativa, abrindo para o homem novas fronteiras até então intransponíveis. Na condição de desterritorializado, isso lhe tem permitido produzir e distribuir informações a distância e ao alcance de muitos.
 Num contexto de leitura mediado por interfaces conectadas em rede, ele se vê de repente diante de experiências agenciadas pela hibridização de linguagens. Trata-se de um fenômeno intrinsecamente ligado à comunicação que se atualiza em trânsito. Esse nomadismo permite a produção de textos que se lêem nos computadores, enquanto estão em fluxo.
 Fala-se, por outro lado, e com muita insistência, no grande número de excluídos desse novo universo chamado ciberespaço. Pierre Levy rechaça essa crença, afirmando que a questão, ainda que séria, “não deve servir de cobertura para dissimular a amplitude das inevitáveis reviravoltas culturais, econômicas e políticas que nos esperam”. Com a invenção do alfabeto, surgiu o analfabetismo, inexistente nas culturas puramente orais, mas nem por isso, questiona o autor, constituiu razão para insurgência contra o alfabeto ou contra a criação de escolas. Os que temem a exclusão não são os desfavorecidos das nossas sociedades, mas os que se vêem ameaçados de perder uma parcela de poder, no bojo dessas transformações.
 Há, entretanto, um outro viés do problema, levantado pelos que imaginam que as novas tecnologias sirvam mais para isolar do que para agregar comunidades, uma vez que, realizando tarefas a distância, o homem se refugia no virtual e no imaginário. Aqueles que na era moderna têm atitudes mais realistas e criativas certamente continuarão utilizando as velhas e as novas tecnologias de comunicação, contribuindo para que nossa sociedade seja mais informada e menos alienada. 
É ainda equivocado supor que as múltiplas situações, que desfrutam as pessoas na grande rede, possam significar a dilaceração do ser, no plano da individualidade. No íntimo de cada indivíduo sempre permanecerá um ponto fixo, apesar das diversidades e impessoalidades estimuladas pela cibercultura.
O homem, como ser multidimensional por natureza, sempre recusará quaisquer tipos de totalitarismo. Se isso fosse válido como alguns acreditam, todos nós, daqui por diante, seremos robôs. Se nós não nos transformamos ainda em robôs, é sinal de que a multidimensionalidade do homem ainda existe e persistirá para resistir aos impactos das mudanças que se operam vertiginosamente no mundo contemporâneo.    

BIBLIOGRAFIA
AURÉLIO  (mini-dicionário),  São Paulo : Editora Nova Fronteira, 2002, p.348.
NETO, Euclides Guimarães. No mundo estetizado em que vivemos, In Revista  Sagarana, n.º 6, BH, 1999.

LÉVI, Pierre. A revolução contemporânea em matéria de comunicação. IN MARTINS, Francisco Meneses; SILVA, Jeremias Machado (Orgs). Para navegar no século 21 – tecnologias do imaginário e a cibercultura. Porto Alegre: Sulina, 2000.

 

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

14.01.2014 - Lírica e memória em Pedra de Cantaria

06.08.2013 - Retorno ao Rio

09.06.2011 - Maiakovski/Faustino: confronto

13.05.2011 - O mesmo/ a mesma

09.05.2011 - Mal sem reparação

17.04.2011 - O homem e sua hora, de Mário Faustino

19.02.2011 - Pôde ou podre?

10.02.2011 - A hora da "desdobra"

25.06.2010 - PROCURA-SE UM LIVREIRO

21.06.2010 - MEU PRIMEIRO FUSCA

21.06.2010 - PROSA LITERÁRIA DE FONTES IBIAPINA

26.07.2009 - Paráfrase de uma crítica

14.05.2008 - GLOBALIZAÇÃO: CONSEQÜÊNCIAS HUMANAS E COMUNICACIONAIS

12.12.2007 - Show de notícias ou a falência de sentido do telejornalismo?

11.12.2007 - A carnavalização em Quincas Berro D'água

Ver mais
Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Dílson Lages em entrevista para Rosaly Senra


Valdemir Miranda: Enlace de famílias


Listar todos
Livraria online
Últimas matérias

23.04.2014 - Diploma Mérito Cultural Combatentes da Lagoa do Jacaré

Homenageados pela Academia de Letras da Região de sete Cidades (ALRESC)

22.04.2014 - ESSAS MULHERES FORAM MORTAS PELO PRAZER DOUTROS SOLDADOS AMARELOS

Poema depois de ver o filme

22.04.2014 - Show, recente, do conjunto inglês The Shadows, remanescente do final dos anos 50 (1958)

26 minutos de apresentação instrumental, impecável

22.04.2014 - Obituário: aos 66 anos, Luciano do Valle (1947 - 2014)

Resumo biográfico apresentado pela revista Veja

22.04.2014 - AFP - México se despede de Gabriel García Márquez

Adeus, acenam os mexicanos, também, em tristíssima cerimônia

21.04.2014 - Por que há uma tatuagem naquela moça?

Schopenhauer e Pascal identificaram o “eu” como um vazio. Um buraco. Um poço sem fundo

21.04.2014 - A cruz crucial

A palavra crux, em latim, não se referia estritamente à cruz como a visualizamos hoje (dois toros transversais) e que se tornou o símbolo maior do cristianismo.

21.04.2014 - Bilac e o Brasil

O Brasil se vê como uma cultura periférica em relação à Europa e EUA, assim como o Nordeste em relação ao Rio e São Paulo. Existe o fervilhar endêmico de sentimentos nativistas, separatistas, rebeldes, etc.

21.04.2014 - Vírgula e adjuntos no início de frase

Conforme se esclareceu na coluna anterior, é bem possível deixar de separar por vírgula o adjunto adverbial de tempo, lugar e modo

21.04.2014 - Centenário

Tomara que tudo isso sirva para muitos que ainda não a conhecem passem a lê-la com regularidade.

21.04.2014 - Fotógrafo britânico registra ponto exato entre duas placas tectônicas na Islândia

O vão entre a Europa e os Estados Unidos é cada vez maior

21.04.2014 - O IGARAPÉ DO INFERNO, 4

Do fundo do meu coração! Em 1923 apareceu na Amazônia um rapaz.

20.04.2014 - A SELVA

Uma parte da crítica estrangeira enfatiza a grande capacidade da obra de evocar o exotismo da natureza amazônica. Em prefácio escrito em 1932 para a tradução alemã , o tradutor Richard Bermann refere-se à selva como o inferno verde

20.04.2014 - A ESTRADA

Porque uma Estrada não tem começo nem fim?

20.04.2014 - O IGARAPÉ DO INFERNO, 3

Eu passei a vida toda de palavras. Eu passei a vida toda de palavras de nada. É a mesma estória!

LABORATÓRIO DE REDAÇÃO PROF. DÍLSON LAGES
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br