Dilson Lages Monteiro Segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017
ECLÉTICA - ELMAR CARVALHO
Eclética
Tamanho da letra A +A

Uma fotografia antiga

Elmar Carvalho

Ontem, por simples desfastio do ócio ou simplesmente para driblar o tédio, dando-lhe ainda de quebra um chutão nas canelas, fui folhear o livro Dalí, da autoria de Carolina Brook, recheado de belas fotografias, sobretudo das mais importantes obras do grande pintor surrealista. O livro me fora ofertado pelo italiano Alfredo Fait, já falecido, que se hospedava no mesmo condomínio que eu, em Parnaíba.

Foi uma excelente retribuição aos livros Rosa dos ventos gerais (2ª edição) e Lira dos cinqüentanos, ambos de minha autoria, que lhe autografei, dos quais ele me assegurou, por e-mail, haver gostado. Após lhe haver entregado os livros, ele viajou para Belo Horizonte, onde trabalhara no consulado italiano, e na primeira viagem que fez à sua terra natal adquiriu o álbum das obras de Dalí, para me presentear. Em virtude de só ter conversado com ele em duas ou três ocasiões, já que ambos não residíamos no condomínio (mas ele em BH, e eu em Teresina), não posso dizer que fomos amigos próximos.

Quando ele faleceu, cerca de um ano depois, o senhor Swami me telefonou, seguindo orientação da família de Alfredo Fait, para me perguntar se eu desejava ficar com os livros dele. Respondi-lhe que gostaria de ficar apenas com alguns dos livros de arte, e que sugeria fossem as demais obras doadas à Biblioteca Pública Municipal de Parnaíba.

Autorizado a fazer os contatos necessários, liguei para o secretário de gestão da Prefeitura Municipal, o escritor e poeta Alcenor Candeira Filho, que adotou as providências necessárias para arrecadar os livros, que foram prontamente entregues. Desnecessário dizer, mas direi: por uma culpa que não atribuo a ninguém, terminei não ficando com nenhum livro. Talvez tenha sido melhor assim.

Retomo o fio da meada. Ao atingir a metade das páginas do livro sobre a vida e obra de Dalí, encontrei uma velha fotografia, com certeza tirada em 1976; portanto, já lá se vão mais de 40 anos, quando eu tinha vinte de idade. Esbelto, ostentava uma cabeleira longa e ondulada, como era moda na época. Camisa de malha apertada, um cinto e uma calça quadriculada, boca de sino, compunham minha indumentária.

Estou de pé, segurando uma espécie de diploma, e me dirigia a pequeno auditório, que não se vê na fotografia. A meu lado, sentado numa cadeira colegial, estava o senhor João, dono do curso pré-vestibular, em que eu fazia o terceiro ano do antigo curso Científico. Eu iria presidir uma agremiação estudantil, que estava sendo criada. No ano seguinte, como na música de Martinho da Vila, passei no vestibular, e fui cursar Administração de Empresas em Parnaíba.

Ao me deparar com essa antiga fotografia, que não lembrava estar guardada no álbum que folheava, não posso negar que tive saudade de mim mesmo, do rapaz emotivo que fui, por vezes ingênuo, desprovido, quase sempre, de maldade e de malícia, sabedor de que Deus protege os tolos e os inocentes. Lembrei-me destes meus versos, em que proclamo sentir

A nostalgia do rapaz que fui,

Tão emotivo, tão sentimental (...)

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

13.02.2017 - Paru

09.02.2017 - Morcego

01.02.2017 - HISTÓRIAS DE ÉVORA - Anexo

26.01.2017 - HISTÓRIAS DE ÉVORA - Capítulo XXXVIII

19.01.2017 - HISTÓRIAS DE ÉVORA - Capítulo XXXVII

17.01.2017 - Uma fotografia antiga

12.01.2017 - HISTÓRIAS DE ÉVORA - Capítulo XXXVI

29.12.2016 - HISTÓRIAS DE ÉVORA - Capítulo XXXV

25.12.2016 - Um cinema só pra mim

22.12.2016 - HISTÓRIAS DE ÉVORA - Capítulo XXXIV

15.12.2016 - HISTÓRIAS DE ÉVORA - Capítulo XXXIII

08.12.2016 - HISTÓRIAS DE ÉVORA - Capítulo XXXII

01.12.2016 - HISTÓRIAS DE ÉVORA - Capítulo XXXI

17.11.2016 - HISTÓRIAS DE ÉVORA - Capítulo XXX

10.11.2016 - HISTÓRIAS DE ÉVORA - Capítulo XXIX

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

19.02.2017 - CASA ABANDONADA

CASA ABANDONADA

18.02.2017 - As vozes narrativas

As vozes narrativas

18.02.2017 - As memórias de Cunha e Silva Filho

Um amigo que tem muitas coisas a contar relata fatos de sua vida.

17.02.2017 - O PIANO, A TARDE

Minha tia Maria José

16.02.2017 - A Filha da Floresta, de Thales Andrade

Assim iniciou a literatura infantil brasileira.

15.02.2017 - ENTREVISTA DE R. SAMUEL A LUIZ ALBERTO MACHADO

Não vi a riqueza de Maurice Samuel

15.02.2017 - CONCEIÇÃO

CONCEIÇÃO

14.02.2017 - Solveig von Schoultz, 1907-1996, Finlândia

Demos-lhe sementes; não muitas,

13.02.2017 - Paru

Filho da estrada e do vento, nunca se soube de onde vi/era, nunca se soube para onde foi.

12.02.2017 - NATUREZA MORTA

Oh, está morto, tudo está congeladamente morto.

11.02.2017 - A Coluna Prestes em Aparecida

O autor narra a passagem da Coluna Prestes na vila a'Aparecida, hoje cidade de Bertolínia, sua terra natal.

11.02.2017 - porta calada

porta calada

10.02.2017 - João Crisóstomo da Rocha Cabral

O autor discorre sobre o jurista e poeta João Cabral e sua obra poética Palimpsestos.

09.02.2017 - UNIVERSOS PARALELOS - CRÔNICA ANTIGA

UNIVERSOS PARALELOS - CRÔNICA ANTIGA

09.02.2017 - Literatura é imagem, cena e metáfora

A literatura brasileira não tem uma grande tradição no tratamento de romances — ou prosa de ficção — metafóricos, sobretudo na questão política, optando, quase sempre pelo documento, a sociologia ou a antropologia e o panfleto.

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br