Dilson Lages Monteiro Segunda-feira, 29 de maio de 2017
ECLÉTICA - ELMAR CARVALHO
Eclética
Tamanho da letra A +A

O SHOPINNG, OS ÍNDIOS, A MÚSICA E OS LOBOS

Elmar Carvalho

 

Na manhã deste sábado, fui às compras, com minha mulher e minha filha, no centro da cidade. Enquanto a Fátima se desincumbia da demorada tarefa, por sua sugestão, fui com a Elmara conhecer o chamado shopping da cidade, onde foram instalados os camelôs que tomavam as ruas, as praças e as calçadas do centro histórico e comercial de Teresina. Devo admitir que foi um grande feito a atual gestão municipal conseguir a solução desse problema, de forma adequada e confortável para os vendedores ambulantes e para as demais pessoas, pedestres, motoristas e clientes.

 

Minha filha aproveitou o ensejo para tirar fotografias dos pombos que ainda existem na Praça Marechal Deodoro da Fonseca, em suas acrobacias e revoadas. Vendo as aves em suas casinholas, lembrei-me do poeta Raimundo Correia, que também foi juiz de Direito. Num de seus magistrais sonetos, o parnasiano disse que, na juventude, semelhante às pombas que deixam os pombais, as ilusões nos acompanham em revoada. Só que com esta diferença: as pombas retornam ao seu ninho, mas as ilusões, em nossa velhice, não voltam mais. O vate terminou ganhando o incômodo epíteto de poeta das pombas. Evidentemente, ele detestava tal apelido, e não lhe via a menor graça.

 

Na praça, perto da estátua do poeta repentista Domingos Fonseca, no gênero um dos maiores do Brasil, se apresentava o Grupo Purik, composto por índios, que se autodenominam “caminantes de los Andes”. Provavelmente, são descendentes dos Incas, que construíram as notáveis pirâmides andinas e formaram avançada e antiga civilização, tanto na agricultura, que era irrigada, como na domesticação de lhamas, alpacas e porquinhos-da-índia, bem assim na construção de prédios, monumentos, aquedutos e estradas, até a sua destruição pelo contágio de doenças européias e pelas tropas de Francisco Pizarro, que foi o El Matador de lá. Não sei se houve algum H. Dobal andino a vergastar a sanha do conquistador espanhol.

 

O grupo musical era formado por homens e mulheres, que vestiam suas roupas típicas e tocavam instrumentos de sopro e percussão, com o auxílio mecânico de playback. Havia uma bandeja para o recolhimento de contribuição financeira dos ouvintes e eram vendidos cd e dvd. Na capa do dvd que adquiri, estavam estampadas uma matilha de lobos e a imponente cordilheira dos Andes, sobrevoada pelos condores de Castro Alves, justamente considerado o maior poeta condoreiro do Brasil. Ao ouvir a bela e pitoresca música, com o som de diferentes flautas de Pã, pífanos, maracás e tambores, fui tomado por forte emoção, talvez atávica, como se um chamado selvagem e harmonioso me atraísse para as eternas geleiras andinas. Cheguei a sentir um quase calafrio, como se, por entre os sons das flautas e dos tambores, eu ouvisse o uivo enregelante de um lobo a me espreitar na neve. 

 

            *   *   *

 

Estive à noite na cidade de Altos, também conhecida como “capital da manga”, mas não degustei nenhuma dessas suculentas frutas, até porque não está no tempo de sua safra. Fui à festa de aniversário de meu colega e amigo Zé Olindo, que também foi amigo de meu saudoso cunhado Zé Henrique, falecido precocemente, vítima de acidente de motocicleta na saída de Altos para Campo Maior, um quilômetro depois da ferrovia. Foi, como se dizia nos tempos da jovem guarda, uma festa de arromba, com música ao vivo, e farto e variado cardápio de iguarias e bebidas.

 

Entre os artistas, estava presente Édel Reis, o famoso Rei do Brega, de muito talento em seu gênero musical, com suas músicas do tipo “dor de cotovelo”, com letras contundentes, para romântico nenhum botar defeito. Entre outros colegas juízes, estavam presentes Carlos Hamilton, Edson Rogério, Sebastião Firmino, Raimundo José Gomes e Reinaldo Magalhães.

 

Conversei com o advogado Antônio Carlos Costa e Silva sobre coisas de José de Freitas, inclusive do tempo em que ali morei, durante um ano, no meu início de adolescência, quando, com o apoio do padre Deusdete Craveiro de Melo e outros meninos, fundei um time, o Santos, e um campo de futebol, na frente do cemitério velho, mais conhecido pelo povo, talvez com certa dose de ironia, como cemitério dos ricos, em virtude das pessoas que lá estão enterradas e também por causa dos ricos e suntuosos mausoléus.

 

Lembrou o causídico que recebi o título de cidadania daquela bela e bucólica cidade. Disse-lhe que postei na internet um pequeno vídeo sobre essa cidade. Também conversei com o pai do Zé Olindo, o legendário advogado José Gil Barbosa, prefeito de Altos em três mandatos e ex-deputado deputado estadual, em pleno vigor, na juventude de seus noventa e dois anos. Foi uma noite agradabilíssima, pela música, pelas iguarias, pela libação e pela conversa com os colegas, recheada de casos anedóticos e piadas. Vida longa, pois, ao amigo e colega Zé Olindo.

 23 de janeiro de 2010

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

22.05.2017 - HISTÓRIAS DE ÉVORA já nas Livrarias de Teresina

18.05.2017 - Juiz Elmar Carvalho lança “Histórias de Évora” neste sábado (20)

16.05.2017 - DISCURSO DE RECEPÇÃO A QUATRO ACADÊMICOS NA APAL

10.05.2017 - APAL EMPOSSARÁ NOVOS MEMBROS NO PRÓXIMO DIA 12 DE MAIO

26.04.2017 - A saga da Capelinha de Palha

21.04.2017 - C@ARTA AO POETA CHICO MIGUEL

10.04.2017 - Noturno de Oeiras no hotel do SESC

07.04.2017 - VICENTINHO E O ZICO

23.03.2017 - Antenor Rêgo e seu dicionário de “Piauiês”

16.03.2017 - No Cemitério da Ressurreição

09.03.2017 - Nova expedição à Barra do Longá

04.03.2017 - O SHOPINNG, OS ÍNDIOS, A MÚSICA E OS LOBOS

22.02.2017 - LEÃO ENJAULADO

13.02.2017 - Paru

09.02.2017 - Morcego

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

28.05.2017 - Incursão à Fazenda Bom Gosto (Século XVIII)

Incursão à Fazenda Bom Gosto (Século XVIII)

28.05.2017 - Versos de Moradora no Harém

Poetisa Amante

28.05.2017 - Palmas para o Tocantins

O autor discorre sobre participação piauiense na Feira Literária Internacional do Tocantins (FLIT), realizada em julho de 2011.

27.05.2017 - A questão da pós-verdade e suas consquências danosas à ética individual e coletiva do mundo globalizado.

O tema escolhido

27.05.2017 - Feitosa, dos Inhamuns

O acadêmico Reginaldo Miranda analisa a obra genealógica do escritor Aécio Feitosa, que escreve sobre a importante família Feitosa, dos Inhamuns.

26.05.2017 - ROGEL SAMUEL: TEORIA DA CRISE

ROGEL SAMUEL: TEORIA DA CRISE

26.05.2017 - POEMA 'ÁGUA FRIA'

poesia

26.05.2017 - O RIO NEGRO

O RIO NEGRO

25.05.2017 - Teresina

O acadêmico Reginaldo Miranda escreve sobre a cidade de Teresina, capital do Piauí, por ocasião da outorga da Comenda Conselheiro Saraiva.

25.05.2017 - A enigmática Etrúria

Desprezada por muitos leitores, a Arqueologia é uma Ciência que vale a pena ser estudada pelos leigos, pois se revela muito interessante.

25.05.2017 - EM BUSCA DA POÉTICA DE J. G. DE ARAÚJO JORGE

EM BUSCA DA POÉTICA DE J. G. DE ARAÚJO JORGE

24.05.2017 - O dia em que saí no Ibrahim Sued

Era a sexta-feira do dia 17 de maio de 1985

23.05.2017 - UM AMIGO DE INFÂNCIA

No dia seguinte ao da mudança para a nossa pequena casa dos Campos, em Parnaíba, em 1896, toda ela cheirando ainda a cal

23.05.2017 - Fraternidade Espiritualista Universalista

Em pleno cerrado de Goiás...

22.05.2017 - Um livro infantil de Irá Rodrigues

A literatura infantil é parte importante de nossa cultura, pois devemos estimular nossas crianças ao saudável hábito da leitura.

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br