Dilson Lages Monteiro Sábado, 29 de abril de 2017
ECLÉTICA - ELMAR CARVALHO
Eclética
Tamanho da letra A +A

HISTÓRIAS DE ÉVORA - Capítulo XXXIV

HISTÓRIAS DE ÉVORA

Este romance será publicado neste sítio internético de forma seriada (semanalmente), à medida que os capítulos forem sendo escritos.

 

Capítulo XXXIV

O segredo de Matilde

Elmar Carvalho 

Desde garoto conhecia de vista a senhora Matilde, filha do rico comerciante e fazendeiro Vespasiano Rocha. Era uma matrona imponente, alva, de cabelos encaracolados, ainda bonita no alvorecer de sua velhice. Tinha certo orgulho do passado de riqueza de seus ancestrais, contudo sabia ser simpática, e cumprimentava as pessoas sem demonstrar empáfia. Fiquei sabendo que fora casada durante apenas três meses. Nunca alguém teria coragem de conversar com ela sobre tão íntimo assunto, mesmo porque ela jamais permitiria esse tipo de intimidade.

Quando resolvi escrever minhas Histórias de Évora, colhi informações com algumas pessoas idosas, sobretudo com meu amigo Francisco Cardoso, que considero o mais importante arquivo vivo de Évora. Nessa altura ele já havia escrito dois livros sobre nossa cidade, mas, por ter sido amigo de Matilde, de seu pai e de dois de seus irmãos, resolveu não escrever sobre o que sabia a respeito de seu marido e de seu casamento, de tão efêmera duração. Juntando o que ele me contou e o que me disseram outras pessoas, passarei a fazer breve relato sobre esse rumoroso episódio, nunca bem esclarecido, sobre o qual pairam dúvidas e especulações fantasiosas, contraditórias e desencontradas.

No começo dos anos sessenta, Renato Portela montou escritório de representação comercial em Évora. Era natural de São Paulo, e conseguiu se tornar representante de várias firmas paulistas. Foi bem sucedido em seu empreendimento. Logo fez amizade com os principais comerciantes eborenses, entre os quais Vespasiano, cuja casa frequentava esporadicamente, quando convidado. Também recebeu convite para integrar o Rotary Clube, passando a ser um de seus mais assíduos frequentadores. Tinha ele em torno de 25 anos. Comentava-se que era sócio de seu pai, próspero empresário na Pauliceia.

Consta que logo nas primeiras visitas que fez à casa de Vespasiano, tomou-se de amores e encantamento por Matilde, que na época tinha 15 anos de idade. Brincava ainda de boneca, às escondidas. Aliás, com os seus olhos castanhos e cabelos louros ondulados, parecia uma boneca a brincar com outras bonecas. Não tardou Renato a confidenciar ao pai que gostaria de se casar com Matilde. Nessa época os casamentos ainda eram influenciados pelos pais. O velho foi franco:

– Olhe, por mim não teria problema. Até teria gosto nesse casamento. Mas olhe que a menina é muito novinha e ainda brinca de boneca, como você já deve ter visto.

– Não tem problema. Sou paciente, e espero o tempo necessário.

Ante essa resposta, Vespasiano disse que levaria o caso a sua mulher, para tentarem obter o assentimento da filha. Dias depois, comunicou a Renato que sua mulher concordara, e que iria envidar esforços para conseguir a concordância da filha, que sequer pensava em namoro, quanto mais em se casar. Seja como for, no ano seguinte, quando a garota completou 16 anos, soube-se que ela, embora com certa relutância, aceitara o namoro, que apenas consistia em o representante visitá-la, sentar-se na cadeira a seu lado, e quanto muito enlaçar suas mãos.

É bem de se ver que isso deveria ser um estorvo para uma adolescente, que às ocultas ainda brincava de boneca e casinha. Quanto a Renato, estava cada dia mais encantado e fremente de paixão. Por isso mesmo, tratou de apressar o casório, que se realizou quatro meses após a jovem completar as 16 primaveras. Foi uma festa estupenda, como tão cedo não se viu outra igual na cidade.

Uma orquestra da capital foi contratada, e executou durante a noite toda as mais belas melodias em voga. As bebidas eram dos mais diversos tipos, muitas importadas. As iguarias foram elogiadas por todos. Fogos de artifício iluminaram e embelezaram a noite eborense. Na cerimônia religiosa, não havia outra comparação, Matilde, em seu lindo vestido branco de noiva, ostentando véu e grinalda, parecia uma boneca. Aliás, o imenso bolo confeitado, em forma de castelo, tinha dois bonecos na ponte levadiça: o noivo e a noiva.     

Por razões desconhecidas, Renato passou a viajar com certa frequência para a capital do estado, e foi a São Paulo em duas ocasiões, no curto intervalo de três meses. Quando retornava trazia umas caixas com as mais lindas bonecas, que dava para Matilde. Não tinha mais a alegria de antes. A moça também já não saía à rua. Portanto, ambos pareciam bem infelizes com o matrimônio. Três meses após a festa nupcial, Renato anunciou que iria a São Paulo, para fazer algumas compras e alguns contatos do interesse de seu escritório de representação. Foi e não mais retornou a Évora.

As especulações dos fofoqueiros eram desencontradas e até mesmo cheias de contradições. Uns defendiam a hipótese de que Matilde, ainda ameninada na época e muito apegada às suas bonecas, não aceitava as investidas sexuais do marido. Outros levantavam a tese de que o problema era dele; ao ver a esposa como uma boneca, por causa de sua aparência física e modos, com sua feição de menina, e ainda a brincar com bonecas, passou a achar que seria um verdadeiro sacrilégio desvirginá-la. Entretanto, alguns achavam que eles chegaram a ter conjunção carnal, ainda que insípida ou insatisfatória, mas de que não resultara gravidez.

Houve mesmo quem levantasse a suspeita de que a garota não era mais virgem, e que fora isso que fizera o marido tomar a decisão de ir embora, abandonando a firma, que depois foi vendida por prepostos de seu pai. Surgiu ainda a incrível hipótese de que a jovem tinha o hímen demasiado resistente, impedindo uma satisfatória penetração. E isso provocara o desgosto de Renato, que se sentia frustrado, conquanto um simples bisturi pudesse ter resolvido o problema. O certo é que, o que quer que tenha acontecido, o caso ficou em família e permanece até hoje como um segredo indevassável.

Mesmo quando o casamento foi desfeito, através de divórcio consensual, muitos anos depois, nunca Matilde voltou a namorar, muito menos contrair novas núpcias, embora finos e ricos pretendentes não lhe tenham faltado. Persiste a dúvida sobre a sua virgindade. Esse ponto nunca, jamais, foi esclarecido. Nem será.”       

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

26.04.2017 - A saga da Capelinha de Palha

21.04.2017 - C@ARTA AO POETA CHICO MIGUEL

10.04.2017 - Noturno de Oeiras no hotel do SESC

07.04.2017 - VICENTINHO E O ZICO

23.03.2017 - Antenor Rêgo e seu dicionário de “Piauiês”

16.03.2017 - No Cemitério da Ressurreição

09.03.2017 - Nova expedição à Barra do Longá

04.03.2017 - O SHOPINNG, OS ÍNDIOS, A MÚSICA E OS LOBOS

22.02.2017 - LEÃO ENJAULADO

13.02.2017 - Paru

09.02.2017 - Morcego

01.02.2017 - HISTÓRIAS DE ÉVORA - Anexo

26.01.2017 - HISTÓRIAS DE ÉVORA - Capítulo XXXVIII

19.01.2017 - HISTÓRIAS DE ÉVORA - Capítulo XXXVII

17.01.2017 - Uma fotografia antiga

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

26.04.2017 - Afrânio Nunes

O autor traça o perfil biográfico de um importante político piauiense.

26.04.2017 - O manto de diamantes das estrelas

O manto de diamantes das estrelas

26.04.2017 - A saga da Capelinha de Palha

Seu pai, o senhor Daniel, comovido, ao ver a dedicação e o esforço da esposa em exercitar sua fé e religiosidade em local improvisado e sem conforto, por vezes sujeito a sol ou a chuva, resolveu erguer no local uma pequena capela de taipa.

24.04.2017 - Eliseu de Sousa Martins

O autor traça o perfil biográfico de um importante do político brasileiro, que atuou no tempo do Império.

24.04.2017 - O ódio inventado pelos bonzinhos

Por que o mundo todo pode viver e resolver seus conflitos, e nós não?

24.04.2017 - O fascínio dos nomes

Há uns anos, mandaram um fotógrafo do jornal Público para me fotografar (já nem me recordo bem a que propósito) e, quando lhe perguntei como se chamava, respondeu-me: Miguel Manso.

24.04.2017 - Aspas simples por ironia vale?

--- Tenho notado em vários textos o uso da ' (aspa simples), mesmo fora das

24.04.2017 - Dez verdades inteiras e uma mentira parcial

Está rolando este desafio no Facebook, e resolvi contribuir com os meus episódios.

23.04.2017 - A retrospectiva das horas

Alceu Amoroso Lima escrevia uma linha no fim do dia.

23.04.2017 - O começo do mundo e as sete cidades de pedra

O começo do mundo e as sete cidades de pedra

23.04.2017 - O adeus a Gomes Campos

o autor divulga texto escrito e publicado na imprensa, quando do falecimento do dramaturgo Gomes Campos, um importante intelectual piauiense.

23.04.2017 - Também existe fascismo na esquerda

Quem tem telhado de vidro não joga pedra no do vizinho.

23.04.2017 - A SABEDORIA DO ANDAR

A SABEDORIA DO ANDAR

22.04.2017 - O povoamento do Piauí

O autor faz análise crítica sobre obra historiográfica e sobre a colonização do Piauí

22.04.2017 - Poesia de Hoje

Versos Atuais.

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br