Dilson Lages Monteiro Terça-feira, 27 de junho de 2017
ECLÉTICA - ELMAR CARVALHO
Eclética
Tamanho da letra A +A

HISTÓRIAS DE ÉVORA - Capítulo XXXII

 

HISTÓRIAS DE ÉVORA

Este romance será publicado neste sítio internético de forma seriada (semanalmente), à medida que os capítulos forem sendo escritos.

 

Capítulo XXXII

Aqueles olhos verdes

Elmar Carvalho 

A música era lenta (e a letra, romântica). Estava em todas as paradas de sucesso dos programas radiofônicos musicais da época. Ao embalo desse hit da Jovem Guarda, Marcos, aos poucos, foi se aconchegando a Laura. A moça, no início, fingiu não corresponder, simulando discreta resistência, mas gradativamente foi deixando que o rapaz a enlaçasse, em sucessivos e aliciantes deslizamentos de mãos e braços. Sem deixarem o salão, dançaram ao som de várias músicas, que a orquestra tocou sem intervalo.

Sob a manjada desculpa de que fazia muito calor, Marcos a convidou para irem “lá pra fora”. Laura assentiu com um movimento de cabeça. Seguiram lado a lado, mas sem enlaçarem as mãos. Na praça estavam vários casais. Alguns estavam sentados, de mãos dadas, a conversarem; outros, se beijavam sem grande efusão; contudo, alguns, encostados em árvores, canteiros ou postes, se beijavam e se abraçam com frenesi. Eram os chamados pinos ou amassos.

Quando chegaram à praça, Marcos tomou a mão de Laura, que não fez a menor oposição. Para não dar mostras de ser um “apressadinho”, o rapaz sentou-se em um dos bancos disponíveis, um tanto afastado dos outros casais. Iniciou uma conversa trivial, que não interessava aos dois. Quando um dos casais retornou ao clube, deixando um dos canteiros que lhe servia de encosto livre, Marcos se levantou e, segurando as mãos da namorada, a conduziu para esse local.

Ao chegar, colocou as mãos nas têmporas dela, afagando-lhe os cabelos com suavidade. A seguir, abraçando-a com leveza, encostou a cabeça na sua, para só depois esboçar um beijo na boca. Ela, demonstrando sua inexperiência ou mesmo certo recato e receio, virou o rosto.

Diante desse movimento de esquivança, que fazia parte do jogo amoroso inicial, quase ritualístico na época, beijou-a na face, deslizando a boca até perto da orelha, até lhe mordiscar o lóbulo, ornado com pequeno brinco. Deixou que ela lhe sentisse e ouvisse a respiração, que fingiu estar um pouco ofegante. Após alguns sutis movimentos de idas e vindas, avanços e recuos, marchas e contramarchas – sim, não, não, sim, sim, não, sim, sim, sim – o rapaz a abraçou com força e a beijou com sofreguidão. E ela correspondeu com todo o ímpeto de que Marcos não a julgava capaz.

Iniciaram um namoro que demorou mais de ano. Quase sempre os encontros eram semanais, aos sábados e domingos, algumas vezes em festas e tertúlias. O local dos encontros e namoro era a praça central. Por volta das dez horas ou dez e meia, Marcos ia deixá-la até perto de sua casa. Laura sempre vinha acompanhada de uma irmã ou amiga, que saía à procura do namorado ou de outras companhias. Nunca o rapaz foi a sua casa, pois segundo dizia aos amigos não queria se comprometer.

Numa das vezes em que Marcos iria a uma festa de colação de grau (término do curso ginasial) de um de seus amigos, que aconteceria no Clube da AABB, tomou umas afoitas doses puras de uísque, bebida a que não era acostumado. Foi solicitado a saudar um amigo dele e de seu anfitrião, que havia se mudado para a capital há uns dois anos. Na empolgação da bebida e do discurso, chamou o homenageado de Milton Monteiro. Foi interrompido pela namorada do rapaz, que observou sem nenhuma sutileza:

– Você diz que é muito amigo dele, mas no entanto o chamou de Monteiro, quando o seu sobrenome é Moreira.

Marcos não perdeu a deixa de mostrar a sua verve, retrucando:

– Perfeitamente, eu o chamei de Monteiro porque Milton Moreira vem atingindo as mais altas culminâncias do saber e da cultura, e por isso é um monte, um Monteiro de sabedoria e erudição!   

Os amigos, algumas doses depois do seu triunfo no desfecho de sua oratória, que provocou risos e congratulações, vendo que ele já estava mais pra lá do que pra cá, ou seja, mais pra lá de Marraquexe, como se dizia na época, recomendaram que ele tomasse um banho. Após, seguiram no fusquinha do pai de Valdemar, que pilotava o apertado veículo, conduzindo cinco marmanjos, inclusive o filho, quando Marcos começou a engulhar, entre soluços. João Fernandes alarmou-se ante o que poderia acontecer ao seu querido fusca:

– Sai, sai, sai todo mundo, não deixa o Marcos vomitar dentro de meu carro.

Saíram todos à pressa, e foi o maior alvoroço quando o rapaz vomitou pra valer, ou, como dizia o eciano Conselheiro Acácio, “devolveu” o que havia acabado de comer e beber. Desceram na porta da AABB. Fabrício convidou os amigos a irem até um barzinho perto, antes de entrarem no clube. Aconselhou Marcos a passar pelo menos uma hora sem beber, o que foi aceito sem protesto. Disse que chupasse umas balas de hortelã Pipper e mastigasse uns cravinhos, para tirar o mau hálito da bebida e do vômito, já que Laura estaria na festa.

Marcos nunca esqueceu, por toda a vida, a acolhida carinhosa que Laura lhe deu, mesmo ele estando um tanto embriagado, e exalando um verdadeiro bafo de onça. Quando foram para o pátio do clube, após algumas danças, ela o beijou na boca, sem a menor demonstração de nojo e sem lhe fazer a menor recriminação. Pelo contrário, nunca ela foi tão carinhosa, e nunca lhe dispensou tanta ternura e atenção como nessa memorável noite em que ele esteve tão frágil e carente, com os cabelos em desalinho e a camisa um pouco amarrotada.

No decurso do namoro, quando estava no último ano ginasial, Marcos, com outro amigo, foi espiar as garotas fazerem ginástica na quadra do Liceu. Viu, então, uma linda garota loura, cujos cabelos cintilavam à luz do sol, como faíscas douradas. Era alta e esbelta. Seus olhos eram duas esmeraldas, de brilho intenso em seu verde profundo de mares cheios de mistérios e enigmas. Não a conhecia, mas procurou colher informações. Logo descobriu que se chamava Isabela, e era filha de um executivo paranaense, que chegara, fazia pouco tempo, para dirigir uma grande loja de venda de eletrodomésticos e móveis, a maior da cidade.

Trocaram olhares à distância. Nas vezes em que se encontravam nos corredores do Liceu se olhavam com intensidade. Várias vezes o rapaz foi assistir aos exercícios de ginástica só para vê-la à distância. Quando a via em outros lugares, nas ruas, praças e tertúlias, sentia o seu olhar apaixonado, a que correspondia. Mas nunca teve coragem de lhe propor namoro, nem mesmo através de bilhetes ou recados. A garota era cobiçada por vários rapazes da cidade, que lhe admiravam a beleza alva, longilínea, dourada, de ascendência europeia. Talvez para provocá-lo, para lhe forçar a iniciativa, começou a namorar um dos jovens ricos de Évora.

 O rapaz começou a mistificar e mitificar a situação, criando fantasias e quimeras, algumas estimuladas por suas leituras da vida de poetas do romantismo. Colocou a moça numa torre de marfim, e a fez intocável e inatingível. Escreveu poemas de amor, que publicava no jornal mural, entre os quais o que tinha estes versos: “eras poeta e criaste uma quimérica / amada imortal e imaginária, inatingível / em sua torre de marfim. / ela talvez também te quisesse, / mas a fizeste intocável.”

 Confessou as suas fantasias a alguns amigos. Chegou ao ponto de recitar numa farra, trepado numa cadeira, um poema de sua autoria, cujo título “Isa, a bela” denunciava a destinatária de sua paixão. O certo é que essa paixão de Marcos foi se tornando do conhecimento de vários alunos do Liceu. Um dia a professora de francês, que mesmo ao se casar continuou sendo chamada de mademoiselle Charlotte, radicada em Évora há muitos anos, ao notar o olhar vago e distraído do jovem, disse em sala de aula, com seu sotaque acentuado, provocando a risada geral da classe:

– Atenção Marcos, pareces que estás apaixonado, meu filho...

A frase foi amiúde repetida em todo o colégio. Mesmo alunos de outras turmas a repetiam, imitando o sotaque de mademoiselle Charlotte. Esse amor platônico de Marcos chegou ao conhecimento de Laura, mas, como ela o amasse, nunca abordou esse assunto. Contudo, num dia em que estava numa festa no Évora Clube, notou que Isabela, embora estivesse com seu namorado, furtivamente olhava para Marcos, que também a olhava da mesma forma, pensando não estar sendo notado pela namorada.

Laura tentou conter-se, mas terminou pedindo ao rapaz para que saíssem do recinto. Quando chegaram à praça, e Marcos quis abraçá-la, a moça o deteve com suave firmeza, e perguntou à queima-roupa:

– Marcos, você gosta de mim?

Tomado de surpresa ante a inesperada pergunta, feita de chofre, o rapaz tentou ser engraçado.

– Gosto. Gosto de você, de meus pais, de meus amigos, de minhas irmãs...

Muito séria, mas com voz branda, Laura insistiu:

– Você sabe a que tipo de gostar estou me referindo. Você me ama?

– Não. Amo outra garota – disse o rapaz sem titubeios, em verdadeiro haraquiri amoroso.

Com dignidade, sem dizer uma só palavra, Laura se afastou lentamente, sem se voltar uma só vez. Contudo, em seu íntimo sofria e os seus lindos olhos negros estavam úmidos.       

 

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

25.06.2017 - Histórias de Évora em dois bilhetes internéticos

19.06.2017 - Lançamento em Parnaíba de Histórias de Évora e A Menina do Bico de Ouro

11.06.2017 - Veja o link abaixo com minha entrevista no Sarau 16

08.06.2017 - Expedição (espacial e histórica) ao Igaraçu

04.06.2017 - AMOR CIGANO

22.05.2017 - HISTÓRIAS DE ÉVORA já nas Livrarias de Teresina

18.05.2017 - Juiz Elmar Carvalho lança “Histórias de Évora” neste sábado (20)

16.05.2017 - DISCURSO DE RECEPÇÃO A QUATRO ACADÊMICOS NA APAL

10.05.2017 - APAL EMPOSSARÁ NOVOS MEMBROS NO PRÓXIMO DIA 12 DE MAIO

26.04.2017 - A saga da Capelinha de Palha

21.04.2017 - C@ARTA AO POETA CHICO MIGUEL

10.04.2017 - Noturno de Oeiras no hotel do SESC

07.04.2017 - VICENTINHO E O ZICO

23.03.2017 - Antenor Rêgo e seu dicionário de “Piauiês”

16.03.2017 - No Cemitério da Ressurreição

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

27.06.2017 - Consciência de Classe - György Lukács - Capítulo V

Consciência de Classe - György Lukács - Capítulo V

25.06.2017 - Histórias de Évora em dois bilhetes internéticos

vc me fez reviver um passado bem parecido, cheio de brincadeiras, namoricos, cachaçadas, festas, incursões aos saudosos lupanares e demais entretenimentos de nossos tempos de antanho.

25.06.2017 - A DIMENSÃO DO MAR

A DIMENSÃO DO MAR

24.06.2017 - Encontro com Sophia de Mello Breyner

Encontro com Sophia de Mello Breyner

23.06.2017 - ONDE LOCALIZAR A CRISE BRASILEIRA?

Fala-se, em toda

21.06.2017 - Uma tarde na Fazenda Não me Deixes

Uma tarde na Fazenda Não me Deixes

20.06.2017 - ROGEL SAMUEL: BREVE MANUAL DE DIDÁTICA GERAL

Por que a didática geral?

19.06.2017 - Vozes da ribanceira

O autor escreve sobre o romance Vozes da ribanceira, do acadêmico Oton Lustosa.

19.06.2017 - Psycho Pass episódio 6: Akane confronta a crueldade humana

Prosseguindo a guia de episódios do seriado de ficção científica "Psycho Pass" chegamos ao chocante sexto episódio, onde Akane enfrenta uma esquartejadora.

19.06.2017 - Lançamento em Parnaíba de Histórias de Évora e A Menina do Bico de Ouro

O SESC convida para o lançamento de Histórias de Évora e A Menina do Bico de Ouro em Parnaíba

18.06.2017 - A REGRA E AS EXCEÇÕES

Alguém, de forma

16.06.2017 - Cruzando os Mares

A Bordo de um Cargueiro

16.06.2017 - Ariano e a estética do Não Foi Bem Assim

Essas coisas são inventadas por heróis picarescos, gente que para fugir da fome tem que remar o dia todo, a vida inteira.

16.06.2017 - Livros e raparigas

Um dia destes, em conversa com a mulher de um jornalista, escritor e (grande) tradutor brasileiro, falávamos de Os Desastres de Sofia e da famosa colecção Biblioteca das Raparigas

16.06.2017 - A gênese de nossa criação literária

A base de nossa criação literária fundamenta-se, portanto, na tentativa de fundir memória, imagem e sensação.

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br