Dilson Lages Monteiro Sábado, 29 de abril de 2017
ECLÉTICA - ELMAR CARVALHO
Eclética
Tamanho da letra A +A

HISTÓRIAS DE ÉVORA - Capítulo XXX

HISTÓRIAS DE ÉVORA

Este romance será publicado neste sítio internético de forma seriada (semanalmente), à medida que os capítulos forem sendo escritos.

Capítulo XXX

Dança e namoro

Elmar Carvalho

No sábado, conforme combinado no balneário, Marcos se preparou para ir à festa no Évora Clube. Sua mãe lhe entregou uma pequena quantia, suficiente apenas para o bilhete de entrada, alguns refrigerantes e, no máximo, três cervejas.

Seguiu para o bar do Zé Afonso, onde já estavam Mário Cunha e Fabrício, bebericando umas cubas-libres, preparadas por eles mesmos (com mais ou menos coca, com mais ou menos limão), conforme o gosto de cada um, no Cantinho dos Inocentes. Faziam a chamada base ou preliminar para as poucas cervejas que tomariam no clube, no intervalo das danças.

Quando terminaram o litro de rum, já quase no horário marcado para o início do baile, seguiram para o centro, não sem antes fazerem uma entrada estratégica na Zona Planetária, como se fosse uma batida de vistoria ou de reconhecimento. Os prostíbulos estavam animados, com muitas raparigas, fregueses e curiosos. As mulheres expunham suas carnes em varais de açougues imaginários, como disse certo poeta, referindo-se a esse meretrício de nome tão sugestivo, quanto poético e apropriado.

O grande cantor de bolero Roberto Müller se esgoelava na vitrola em alto volume. Os copos de cerveja sobre a mesa eram o cenário perfeito para a música que ele cantava, sucesso absoluto nos lupanares da cidade: “Entre espumas”. Os rapazes pouco demoraram. O que mais lhes interessava eram as namoradas, ninfetas em flor, que poderiam conquistar na festa.

Marcos não era um bom dançarino, mas, de qualquer modo, nenhuma garota reclamara, até então, de sua performance. Na verdade, ele usava a dança para arranjar namorada, sem maior compromisso e sem risco de vexame, já que desnecessária a costumeira “cantada”, que sempre poderia redundar em um “fora”. Conforme o modo como a garota se lhe aconchegasse, ele saberia se a conquista seria “tiro e queda”, como gostava de dizer.

Se ela aceitasse o aconchego, o enlace dos braços e o afago das mãos a deslizarem em suas costas e cintura, era porque “estava a fim”. Ele, em consequência, a convidaria a irem para a praça, a pretexto de que fazia muito calor, o que de fato era verdade, pois o clube não era climatizado.

Se acaso houvesse recusa, isso não seria entendido como “levar um fora”, já que não a pedira em namoro. Na praça, longe das vistas de curiosos, encostado em uma árvore, canteiro ou mureta, o casal se esbaldaria em abraços apertados, carícias calientes, em escaldantes e invasivos beijos na boca. Era o que se chamava, na gíria dos jovens da época, pinar ou “dar um pino”.

Às vezes a moça, dadivosa, pródiga em amabilidades, quando não havia ninguém por perto, deixava o rapaz lhe tocar os seios, por cima da roupa. Em raras ocasiões, no calor da excitação, a medo, com certa relutância e muita cautela, o que concorria para mais valorizar o ato dadivoso, a garota consentia em ofertar os seios, e os exibia como duas joias preciosas e delicadas; mas, ao menor sinal de passos ou aproximação de alguma pessoa, os recolhia com incrível rapidez e perícia.

O rapaz, ao vê-los túmidos, hígidos, empinados, com a auréola eriçada e os mamilos ressaltados, tinha um verdadeiro alumbramento. E os tocava e beijava com sofreguidão, com a adrenalina a todo vapor, quase como se estivesse a cometer um crime, embora com a permissão relutante e medrosa da “vítima”.

Marcos já possuía essa experiência, desde que fizera dezesseis anos. Porém, em nome de sua liberdade, nunca firmava compromisso para novos encontros com a parceira, conquanto isso pudesse acontecer ao sabor de novas festas e do acaso. Portanto, já praticava o que hoje se chama “ficar”. Contudo, pressentia que, desta feita, haveria certo compromisso, e que certa fidelidade ou exclusividade lhe seria exigida.

Laura, com seu jeito sério, compenetrado, não aceitaria ser mero desfrute de quem quer que fosse. O rapaz logo a enxergou, sentada a uma das mesas do amplo saguão, com três amigas. Foi ao bar, com Fabrício e Mário, onde tomou dois copos de cerveja, a pretexto de criar coragem. Em seguida, se dirigiu até onde a jovem estava. Sem rodeios, a convidou para dançar.

 

Ela sorriu em cumprimento, e se levantou, sem pressa, mas sem se fazer de difícil. Encaminhou-se em passos lentos, elegantes e firmes até a pista de dança. Marcos a acompanhou, enquanto lhe admirava as belas curvas, que o vestuário, embora discreto, tão bem acentuava.

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

26.04.2017 - A saga da Capelinha de Palha

21.04.2017 - C@ARTA AO POETA CHICO MIGUEL

10.04.2017 - Noturno de Oeiras no hotel do SESC

07.04.2017 - VICENTINHO E O ZICO

23.03.2017 - Antenor Rêgo e seu dicionário de “Piauiês”

16.03.2017 - No Cemitério da Ressurreição

09.03.2017 - Nova expedição à Barra do Longá

04.03.2017 - O SHOPINNG, OS ÍNDIOS, A MÚSICA E OS LOBOS

22.02.2017 - LEÃO ENJAULADO

13.02.2017 - Paru

09.02.2017 - Morcego

01.02.2017 - HISTÓRIAS DE ÉVORA - Anexo

26.01.2017 - HISTÓRIAS DE ÉVORA - Capítulo XXXVIII

19.01.2017 - HISTÓRIAS DE ÉVORA - Capítulo XXXVII

17.01.2017 - Uma fotografia antiga

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

26.04.2017 - Afrânio Nunes

O autor traça o perfil biográfico de um importante político piauiense.

26.04.2017 - O manto de diamantes das estrelas

O manto de diamantes das estrelas

26.04.2017 - A saga da Capelinha de Palha

Seu pai, o senhor Daniel, comovido, ao ver a dedicação e o esforço da esposa em exercitar sua fé e religiosidade em local improvisado e sem conforto, por vezes sujeito a sol ou a chuva, resolveu erguer no local uma pequena capela de taipa.

24.04.2017 - Eliseu de Sousa Martins

O autor traça o perfil biográfico de um importante do político brasileiro, que atuou no tempo do Império.

24.04.2017 - O ódio inventado pelos bonzinhos

Por que o mundo todo pode viver e resolver seus conflitos, e nós não?

24.04.2017 - O fascínio dos nomes

Há uns anos, mandaram um fotógrafo do jornal Público para me fotografar (já nem me recordo bem a que propósito) e, quando lhe perguntei como se chamava, respondeu-me: Miguel Manso.

24.04.2017 - Aspas simples por ironia vale?

--- Tenho notado em vários textos o uso da ' (aspa simples), mesmo fora das

24.04.2017 - Dez verdades inteiras e uma mentira parcial

Está rolando este desafio no Facebook, e resolvi contribuir com os meus episódios.

23.04.2017 - A retrospectiva das horas

Alceu Amoroso Lima escrevia uma linha no fim do dia.

23.04.2017 - O começo do mundo e as sete cidades de pedra

O começo do mundo e as sete cidades de pedra

23.04.2017 - O adeus a Gomes Campos

o autor divulga texto escrito e publicado na imprensa, quando do falecimento do dramaturgo Gomes Campos, um importante intelectual piauiense.

23.04.2017 - Também existe fascismo na esquerda

Quem tem telhado de vidro não joga pedra no do vizinho.

23.04.2017 - A SABEDORIA DO ANDAR

A SABEDORIA DO ANDAR

22.04.2017 - O povoamento do Piauí

O autor faz análise crítica sobre obra historiográfica e sobre a colonização do Piauí

22.04.2017 - Poesia de Hoje

Versos Atuais.

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br