Dilson Lages Monteiro Segunda-feira, 29 de maio de 2017
DIÁLOGOS COM A HISTÓRIA - REGINALDO MIRANDA
Reginaldo Miranda
Tamanho da letra A +A

Tenente Manoel Pacheco Tavira

Tenente Manoel Pacheco Tavira

Almejando a reconstituição da história piauiense tenho traçado o perfil de diversos personagens que contribuíram na formação de nossa sociedade. Este trabalho se torna importante porque é pioneiro, ancorado quase sempre em fonte primária. E entre aqueles que governaram a capitania de São José do Piauhy, na qualidade  de membros da Junta Trina de Governo, por quase vinte e três anos(1775 – 1797), figura o tenente Manoel Pacheco Tavira.

Nasceu ele à volta de 1720, na cidade de Tavira, daí a origem do nome, distrito de Faro, no antigo Reino de Algarves, sul de Portugal, filho de Manoel Pacheco Tavira, o primeiro deste nome e de sua esposa Ignez Maria de Jesus. Era neto paterno de Antônio Pacheco, capitão-mor e governador da praça de Santo Antônio, e de Maria da Luz; e materno de Francisco Rodrigues Messias e Catharina Rodrigues, todos naturais de Tavira.

Ainda jovem, atraído pela prosperidade advinda das minas auríferas, mudou-se para a vila de Pitangui, em Minas Gerais, onde cedo impôs-se como um dos principais moradores do lugar. Foi eleito e serviu por duas vezes o cargo de juiz de órfãos da municipalidade.

Ainda nesta vila, no ano de 1747, casou-se com Archangela Maria Angélica de Menezes, de distinta família do lugar. Era filha de Maria Rosa Sodré Sandoval e de seu segundo esposo, Nicolau de Sousa d’Eça, este filho de outro do mesmo nome e de Domingas, naturais da Bahia e de velha cepa portuguesa.

Conforme anotou o genealogista Luiz Gonzaga da Silva Leme, em sua Genealogia paulistana (vol. 9.º. São Paulo: Duprat & Comp., 1905), de seu casal teve Manoel Pacheco Tavira os seguintes filhos, todos nascidos em Pitangui(com retificações e acréscimos nossos): 1. Padre João José de Siqueira Tavira e Eça, que foi vigário de São Bento das Balsas, no Maranhão; 2. Maria Rosa Sodré e Sandoval, foi casada com Antônio Madeira Brandão, o moço; 3. Ana Joaquina de Menezes e Eça, foi casada com o ajudante Antônio do Rego Castelo Branco; 4. Antônia Maria da Luz e Aguirre; 5. Catharina de Aguirre Menezes e Eça; 6. Manoel Pacheco de Sousa Sodré e Aguirre. Embora não  conste na lista de Silva Leme, seja por equívoco editorial ou por já ter nascido no Piauí, temos também como filha do casal, Joana Angélica de Menezes, que foi casada com o ajudante Félix do Rego Castelo Branco, irmão de Antônio do Rego, sendo muito comum naquele tempo o casamento de irmãos na mesma família; e, por fim, também era filha do indicado casal Antônia Maria Benedicta, que faleceu solteira.

No ano de 1755, Manoel Pacheco Tavira mudou-se com sua família para o termo da vila da Mocha, depois cidade de Oeiras, que logo mais com a instalação da capitania seria efetivada como capital do Piauí, onde se estabeleceu com lavoura e fazendas de gado. Com a mudança assumiu o posto de Tenente de Cavalaria do Regimento Auxiliar da Capitania e recebeu por doação de Sua Majestade a fazenda o Tatu, onde estabeleceu sua residência, com quatro léguas de comprimento e largura irregular variando entre uma légua em algumas partes e menos em outras. Esta fazenda havia sido sequestrada aos Regulares da Companhia de Jesus, sucessores de Domingos Afonso Sertão.

No novo domicílio logo ascende às melhores posições, elegendo-se por algumas vezes para o cargo de vereador do Senado da Câmara de Oeiras. E nesta condição, por ser o mais velho em idade, em 2 de janeiro de 1778, foi alçado à Junta Trina de Governo do Piauí, inserindo-se, assim, entre os governantes do Piauí. Porém, afastou-se desse exercício em 23 de junho do mesmo ano por incompatibilidade com o cargo de Almoxarife da Real Fazenda, que passou a exercer. Novamente, reassume suas funções na Junta de Governo durante todo o exercício do ano seguinte.

Ao falecer deixou um nome honrado e numerosa e ilustrada descendência, embora sem o seu apelido familiar, ainda hoje muita ativa na vida pública brasileira. Para o resgate de sua memória e reconstituição da história administrativa do Estado publicamos as presentes notas.

(Meio Norte, 25.11.2016).

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

28.05.2017 - Palmas para o Tocantins

27.05.2017 - Feitosa, dos Inhamuns

25.05.2017 - Teresina

21.05.2017 - Odilon Nunes e a construção de nossa história.

21.05.2017 - O lírico e telúrico em Elmar Carvalho

20.05.2017 - Capitão Antônio Pereira da Silva

18.05.2017 - Capitão Francisco Pereira da Silva

16.05.2017 - Tenente Manoel Pacheco Tavira

14.05.2017 - Uma história de Picos

13.05.2017 - Cachoeira do Roberto

11.05.2017 - Honório José Teixeira

10.05.2017 - Caetano José Teixeira

09.05.2017 - Assembleia Legislativa do Piauí - 180 anos

30.04.2017 - A Revolução do Daguerreótipo

26.04.2017 - Afrânio Nunes

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

28.05.2017 - Incursão à Fazenda Bom Gosto (Século XVIII)

Incursão à Fazenda Bom Gosto (Século XVIII)

28.05.2017 - Versos de Moradora no Harém

Poetisa Amante

28.05.2017 - Palmas para o Tocantins

O autor discorre sobre participação piauiense na Feira Literária Internacional do Tocantins (FLIT), realizada em julho de 2011.

27.05.2017 - A questão da pós-verdade e suas consquências danosas à ética individual e coletiva do mundo globalizado.

O tema escolhido

27.05.2017 - Feitosa, dos Inhamuns

O acadêmico Reginaldo Miranda analisa a obra genealógica do escritor Aécio Feitosa, que escreve sobre a importante família Feitosa, dos Inhamuns.

26.05.2017 - ROGEL SAMUEL: TEORIA DA CRISE

ROGEL SAMUEL: TEORIA DA CRISE

26.05.2017 - POEMA 'ÁGUA FRIA'

poesia

26.05.2017 - O RIO NEGRO

O RIO NEGRO

25.05.2017 - Teresina

O acadêmico Reginaldo Miranda escreve sobre a cidade de Teresina, capital do Piauí, por ocasião da outorga da Comenda Conselheiro Saraiva.

25.05.2017 - A enigmática Etrúria

Desprezada por muitos leitores, a Arqueologia é uma Ciência que vale a pena ser estudada pelos leigos, pois se revela muito interessante.

25.05.2017 - EM BUSCA DA POÉTICA DE J. G. DE ARAÚJO JORGE

EM BUSCA DA POÉTICA DE J. G. DE ARAÚJO JORGE

24.05.2017 - O dia em que saí no Ibrahim Sued

Era a sexta-feira do dia 17 de maio de 1985

23.05.2017 - UM AMIGO DE INFÂNCIA

No dia seguinte ao da mudança para a nossa pequena casa dos Campos, em Parnaíba, em 1896, toda ela cheirando ainda a cal

23.05.2017 - Fraternidade Espiritualista Universalista

Em pleno cerrado de Goiás...

22.05.2017 - Um livro infantil de Irá Rodrigues

A literatura infantil é parte importante de nossa cultura, pois devemos estimular nossas crianças ao saudável hábito da leitura.

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br