Dilson Lages Monteiro Segunda-feira, 29 de maio de 2017
DIÁLOGOS COM A HISTÓRIA - REGINALDO MIRANDA
Reginaldo Miranda
Tamanho da letra A +A

Anísio Brito

Anísio Brito

                 O Prof.º Anísio de Brito Melo nasceu na cidade de Piracuruca, norte do Piauí, em 24 de setembro de 1886, filho de Antonino de Brito Melo(1854 – 1927) e D. Leonília do Moraes Brito. Era neto paterno de Domingos de Brito Passos e D. Carlota Rosa de Melo e materno do coronel Gervásio de Brito Passos e D. Carlota Maria de Moraes, todos aparentados e oriundos de distintas famílias daquela região.

Foi na cidade natal que iniciou as primeiras letras, estudando na única escola pública local com o professor Fernando Pereira Bacelar, a quem num gesto de gratidão presta singela homenagem no estudo que faz sobre sua terra, a velha Piracuruca. Em seguida matricula-se no curso de odontologia da Universidade do Brasil, no Rio de Janeiro, colando grau depois de cursar com êxito a grade curricular.

De retorno a Piracuruca, ali inicia vida profissional atendendo à população local. Em 1910, recebeu a carta-patente de capitão do 74º Batalhão de Infantaria da Guarda Nacional, lembra o parente Augusto Brito.

Por esse tempo casa-se com a prima Carlota de Moraes Brito, filha de Pedro Melchíades de Moraes Brito e D. Carlota de Moraes Brito, não tendo, porém, gerado sucessores.

Contudo, porque a vida profissional na pequena Piracuruca não oferecia perspectivas para um jovem profissional da odontologia, mudou sua residência para a cidade de Teresina, capital do Estado.

Mas a sua vocação mesma foi o magistério, abandonando completamente a odontologia. Sobre essa mudança de vida lembra o Porf.º Arimathéa Tito Filho, ex-presidente da Academia Piauiense de Letras e grande estudioso das cousas de nossa terra:

“E em chegando a Teresina encontrou um ambiente de efervescência de ideias, um ambiente de renovação intelectual, pelo qual foram responsáveis Higino Cunha, Clodoaldo Freitas, Anísio de Abreu, Abdias Neves. Justamente os bacharéis que vinham modificados no seu espírito e na sua inteligência pela famosa e ainda discutida Escola do Recife, com os seus pontífices maiores: Tobias Barreto e Sílvio Romero. Neste ambiente de pregação naturalista, anticlericalista, ambiente de ateísmo confessado, neste ambiente, Anísio recusaria os instrumentos do odontólogo e aderia a conceitos novos e seguia outros caminhos. Tornou-se professor. Ascendeu à direção do Colégio Estadual, na época Liceu Piauiense. No governo João Luís Ferreira, diretor da Instrução Pública. Mantido por Matias Olímpio, depois reconduzido por Landri Sales e finalmente sustentado por Leônidas Melo”.

Acrescenta o inolvidável mestre, chamando atenção para a reforma do ensino promovida pelo educador Anísio Brito quando diretor da Instrução Pública:

“Quatro vezes no cargo hoje correspondente a Secretario de Educação. Realizou reforma do ensino, abdicou dos métodos de Lancaster adotados na escola primária. Realizou modificações na educação física, contratando técnicos do sul para este mister nas escolas secundárias do Piauí. Inaugurou o gosto do canto orfeônico e só deixou a paixão pelos motivos educacionais quando Leônidas de Castro Melo lhe entregou tarefas que antes já havia exercido, as tarefas de organizar, dirigir, orientar a Biblioteca, o Arquivo e o Museu Histórico do Estado. Três instrumentos culturais que foram paixão permanente do seu espírito. Pena é que os tempos futuros lhe desmanchassem a obra, separando o Arquivo, a Biblioteca e o Museu, como se as três não fossem peças do mesmo processo, o mesmo processo de busca da verdade”.

Portanto, o mestre Arimathéa resumiu a trajetória de Anísio Brito como professor e, também, diretor do Liceu Piauiense em quatro oportunidades; assim como diretor da Instrução Pública nos governos de João Luís Ferreira(1920 – 1924), Matias Olímpio de Melo(1924 – 1928), Landri Sales(1931 – 1935) e Leônidas Melo(1935 – 1945). Não esqueceu de mencionar seu excelente trabalho à frente do Museu, da Biblioteca e do Arquivo Público do Estado, este último hoje denominado, em sua homenagem, “Casa Anísio Brito”. É que muito contribuiu com sua ação para organizar a documentação das diversas repartições públicas do Estado, de forma que hoje o Piauí possui um dos mais completos arquivos do Brasil, embora no momento esta documentação clame por uma digitalização, a fim de ser mais bem preservada e, também, para facilitar a consulta pelos interessados. Portanto, são dois aspetos da vida de Anísio Brito que merecem ser ressaltados: a sua contribuição para o desenvolvimento da educação piauiense e a catalogação e organização da documentação histórica visando preservar nossa memória histórica.

Nessa última perspectiva, Anísio Brito desenvolveu também o gosto pela pesquisa histórica, analisando questões controvertidas e tirando algumas conclusões interessantes. Entre outros assuntos, envidou esforços para elucidar a prioridade no desbravamento do Piauí, se cabia a Domingos Jorge Velho ou Domingos Afonso Mafrense? assunto que ainda hoje suscita debates; outro aspecto que ocupou sua atenção foi a fixação da data mais relevante para se comemorar a adesão do Piauí à independência do Brasil; um terceiro aspecto que prendeu sua atenção, foi revisar a visão historiográfica sobre os Balaios, até  então vistos como criminosos, demonstrando que os mesmos foram vítimas de  ações nefastas do governo; por fim, também destacou a figura do Visconde da Parnaíba, que tantos serviços prestou à pátria e vinha sendo injustiçado pelos historiadores de antanho.

Arimathéa Tito Filho, no papel de presidente da Academia Piauiense de Letras, fazendo-lhe o panegírico por ocasião do centenário de seu nascimento, lembrou ser ele um historiador científico, revisor de nossa história, servindo de luz, de farol aos outros que lhe sucederam.

É bem verdade que ele foi inovador, porém produziu pouco, apenas pequenos estudos sobre questões pontuais. Talvez a sua atividade de educador não tenha permitido maior tempo para a pesquisa histórica, à qual tinha competência e poderia ter produzido uma grande obra. Ainda assim sua contribuição é notável e merece ser reunida para o conhecimento da posteridade. Foi por essa razão que incluímos na coletânea Obra reunida alguns de seus estudos, aqueles que no momento foram possível localizar, a fim de integrar a Coleção Centenário, comemorativa dos primeiros cem anos de nossa Academia Piauiense de Letras.

Na referida Coleção incluímos cinco trabalhos de Anísio Brito, a saber: Piracuruca: história, um interessante e completo estudo sobre sua terra, que fora publicado no livro O Piauhy no centenário de sua Independência: 1823 – 1923 (Teresina: 1923); constitui-se num estudo aprofundado que diferencia-se dos de outras localidades, escritos por outros autores, geralmente cópias de Notícias das comarcas do Piauhy, de Pereira da Costa.

O segundo trabalho reunido na indicada coletânea é Do ensino primário: seu histórico, desenvolvimento, métodos adaptados e estado atual (In: A Instrução Pública no Piauhy. Teresina: 1922), onde traça um painel da educação pública piauiense.

Em seguida, incluímos três ensaios inovadores sobre questões polêmicas de nossa historiografia: A quem pertence a prioridade histórica do descobrimento do Piauí?, Adesão do Piauí – Confederação do Equador e, por fim, Contribuição do Piauí na Guerra do Paraguai. O mérito de Anísio Brito foi aprofundar com método científico questões pontuais de nossa história, trazendo novas conclusões e, assim, alargando as possibilidades.

Além destas ainda consta em sua bibliografia outros pequenos ensaios, a saber: A Independência no Piauí, Os Balaios no Piauí, Ligeiras notícias sobre o ensino no Piauí e A reforma atual e o ensino público. Também, colaborou com verbetes para o Dicionário Histórico, Geográfico e Etimológico Brasileiro(Rio de Janeiro, 1922).

Em face dessa laboriosa atividade intelectual tornou-se sócio-fundador e presidente do Instituto Histórico e Geográfico do Piauí(IHGP), assim como patrono da Cadeira n.º 34 da Academia Piauiense de Letras, cujo primeiro ocupante foi o historiador Odilon Nunes.

Faleceu na cidade de Teresina, em 17 de abril de 1946, com pouco mais de 59 anos de idade. Por suas múltiplas atividades, inscreve seu nome na galeria dos grandes piauienses e sua obra fica como testemunho imperecível de seu trabalho em prol da memória de nossa gente.

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

28.05.2017 - Palmas para o Tocantins

27.05.2017 - Feitosa, dos Inhamuns

25.05.2017 - Teresina

21.05.2017 - Odilon Nunes e a construção de nossa história.

21.05.2017 - O lírico e telúrico em Elmar Carvalho

20.05.2017 - Capitão Antônio Pereira da Silva

18.05.2017 - Capitão Francisco Pereira da Silva

16.05.2017 - Tenente Manoel Pacheco Tavira

14.05.2017 - Uma história de Picos

13.05.2017 - Cachoeira do Roberto

11.05.2017 - Honório José Teixeira

10.05.2017 - Caetano José Teixeira

09.05.2017 - Assembleia Legislativa do Piauí - 180 anos

30.04.2017 - A Revolução do Daguerreótipo

26.04.2017 - Afrânio Nunes

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

28.05.2017 - Incursão à Fazenda Bom Gosto (Século XVIII)

Incursão à Fazenda Bom Gosto (Século XVIII)

28.05.2017 - Versos de Moradora no Harém

Poetisa Amante

28.05.2017 - Palmas para o Tocantins

O autor discorre sobre participação piauiense na Feira Literária Internacional do Tocantins (FLIT), realizada em julho de 2011.

27.05.2017 - A questão da pós-verdade e suas consquências danosas à ética individual e coletiva do mundo globalizado.

O tema escolhido

27.05.2017 - Feitosa, dos Inhamuns

O acadêmico Reginaldo Miranda analisa a obra genealógica do escritor Aécio Feitosa, que escreve sobre a importante família Feitosa, dos Inhamuns.

26.05.2017 - ROGEL SAMUEL: TEORIA DA CRISE

ROGEL SAMUEL: TEORIA DA CRISE

26.05.2017 - POEMA 'ÁGUA FRIA'

poesia

26.05.2017 - O RIO NEGRO

O RIO NEGRO

25.05.2017 - Teresina

O acadêmico Reginaldo Miranda escreve sobre a cidade de Teresina, capital do Piauí, por ocasião da outorga da Comenda Conselheiro Saraiva.

25.05.2017 - A enigmática Etrúria

Desprezada por muitos leitores, a Arqueologia é uma Ciência que vale a pena ser estudada pelos leigos, pois se revela muito interessante.

25.05.2017 - EM BUSCA DA POÉTICA DE J. G. DE ARAÚJO JORGE

EM BUSCA DA POÉTICA DE J. G. DE ARAÚJO JORGE

24.05.2017 - O dia em que saí no Ibrahim Sued

Era a sexta-feira do dia 17 de maio de 1985

23.05.2017 - UM AMIGO DE INFÂNCIA

No dia seguinte ao da mudança para a nossa pequena casa dos Campos, em Parnaíba, em 1896, toda ela cheirando ainda a cal

23.05.2017 - Fraternidade Espiritualista Universalista

Em pleno cerrado de Goiás...

22.05.2017 - Um livro infantil de Irá Rodrigues

A literatura infantil é parte importante de nossa cultura, pois devemos estimular nossas crianças ao saudável hábito da leitura.

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br