Dilson Lages Monteiro Sexta-feira, 24 de março de 2017
DIÁLOGOS COM A HISTÓRIA - REGINALDO MIRANDA
Reginaldo Miranda
Tamanho da letra A +A

A Coluna Prestes em Aparecida

A Coluna Prestes em Aparecida

                     Li A Coluna Prestes no Piauí, opúsculo com 61 páginas, bem escrito e documentado, de autoria do saudoso ex-Reitor José Camillo da Silveira Filho. Porém, nenhuma referência faz à vila de Aparecida, hoje cidade de Bertolínia. O mesmo ocorre com outros escritos que versam sobre o assunto, inclusive as memórias e biografias dos revolucionários. A razão dessa ausência é que nada de extraordinário aconteceu em sua passagem por aquela pequena localidade do centro-sul piauiense.

Todavia, se para os revolucionários ou para as forças legalistas pouca importância teve naqueles sucessos a pacata vila, ficou esta indelevelmente marcada pela passagem dos rebeldes. Na minha fase de criança naquela localidade, onde nasci, tive a oportunidade de conviver com diversas testemunhas daquele fato, hoje, infelizmente, todas desaparecidas. Por aqueles dias da minha infância a casa de meu avô, então um importante chefe político, já septuagenário, era ponto de encontro de diversos correligionários oriundos da cidade e do interior, que vinham prosear. E nessas conversas iam saindo muitas estórias. Notei que a “passagem dos revoltosos” era importante referência: isso foi antes, ou depois, mesmo “no tempo dos revoltosos”, assim diziam. Não precisa dizer que essa prosa aguçava a minha curiosidade de menino. Quem eram esses revoltosos? O que queriam? Sempre surgia alguma breve explicação. E assim transcorriam as referências ao assunto.

E para a perpétua memória dos tempos, passo a narrar o que ouvi, principalmente de minha avó Maria Martins de Miranda Rocha(Cotinha Miranda). Segundo ela, quando da passagem da Coluna Prestes, ou dos revoltosos, como chamava o povo, muita gente deixou a vila, inclusive o então intendente municipal Manoel Emídio Pereira da Rocha, que se deslocou com toda a sua família para a fazenda Prazeres, distante seis léguas. Era o chefe situacionista e, por isso, temeu o encontro com os revoltosos. Essa sua saída para a fazenda foi ironizada pela oposição, tendo Baêta inventado uma quadra poética que ouvi recitada por meus saudosos tios Elisabeto Mendes da Rocha e José Martins de Sousa e Rocha. Infelizmente, não a anotei.

Na época, o chefe oposicionista era o capitão da guarda nacional Valentim Francisco Mendes da Rocha, chamado “Baêta”, ex-intendente municipal e pai de meu avô Dermeval Mendes da Rocha, este casado e morando em sua companhia. Mourejando na oposição, nada tiveram a temer, esperando os revoltosos em sua casa, na vila, onde os receberam bem. Contava minha avó que seu sogro e padrinho Valentim Rocha, pegou uns dois ou três rifles seminovos, colocou em sacos bem amarrados para não entrar areia e os enterrou no quintal de sua casa, deixando outros mais velhos expostos, com alguma munição para presentear os revoltosos. E não enterrou todos para não provocar a ira, pois aqueles não iriam acreditar que na casa não existisse armas. Por razões parecidas, andaram humilhando fazendeiros da família, como José Valentim Pereira da Rocha e Gonçalo Martins da Rocha, este último morador na fazenda Vereda dos Cavalos.

Pois bem, o certo é que foi o capitão Valentim Francisco Mendes da Rocha quem os recebeu em Aparecida, havendo cortesia de ambas as partes. Os superiores foram recebidos na casa residencial e os demais descansaram defronte à mesma, à sombra de frondosas mamoranas que arborizavam a única praça da vila, ainda existindo algumas. Não disponho de outros registros. Mas cumpre informar que, tendo iniciado a marcha em maio de 1925, eles entraram no Piauí em duas oportunidades, sendo a primeira em 8 de dezembro de 1925, quando ocuparam a vizinha vila de Uruçuí e depois de ameaçarem a Capital abandonam o Estado em 22 de janeiro seguinte pela fronteira do Ceará; em 11 de julho de 1926, procedentes de Pernambuco, retornam ao Piauí, mas aí já demandavam para a Bolívia, onde se asilaram em 3 de fevereiro de 1927, passando por Jaicós, Picos, Oeiras, Floriano e Amarante, chegando a Jerumenha em 25 de julho, Uruçuí e Bom Jesus do Gurgueia, respectivamente, em 4 e 9 de agosto. Pois, justamente aí, entre 26 de julho e 3 de agosto de 1926, é que acamparam em Aparecida.

Foi um belo movimento de jovens e idealistas militares, uma epopeia, romântica marcha por mais de 25 mil quilômetros do território nacional, visando despertar a consciência do povo. Contou com líderes do porte de Luiz Carlos Prestes, que nominou o movimento, Siqueira Campos, Juarez Távora, João Alberto e Miguel Costa, todos denodados e aguerridos militares. Foi um malogrado e romântico sonho de libertação do Brasil do jugo oligárquico. Mas ainda era cedo, embora esse ideal fosse desembocar na revolução de trinta.

 (Diário do Povo, 9.4.2015).

* A fotografia que ilustra a matéria é da vila de Aparecida, hoje cidade de Bertolínia.

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

18.03.2017 - Anísio Brito

14.03.2017 - Desembargador José Manuel de Freitas

10.03.2017 - Francisco de Sousa Martins

28.02.2017 - O romancista da maniçoba e do cangaço

23.02.2017 - Pensando o Piauí

11.02.2017 - A Coluna Prestes em Aparecida

10.02.2017 - João Crisóstomo da Rocha Cabral

05.02.2017 - Antonio Gonçalves Pedreira Portellada

04.02.2017 - M. Paulo Nunes e os valores literários

29.01.2017 - Raimundo Artur de Vasconcelos

22.01.2017 - O plano editorial da APL

21.01.2017 - Leonardo Castelo Branco

14.01.2017 - Frederico Burlamaqui: o pioneiro da paleontologia no Brasil.

11.01.2017 - Engenheiro Antônio José de Sampaio

10.01.2017 - Fazenda Gado Bravo - Baixa do Coco

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

23.03.2017 - Antenor Rêgo e seu dicionário de “Piauiês”

Em seu Dicionário do Piauí – a língua piauiense, de 160 páginas, estão catalogados em forma de verbetes, conforme consta na capa, o linguajar, as expressões, as sabenças, os falares, os costumes e as curiosidades de nosso povo.

22.03.2017 - AVIDEZ PELO DINHEIRO, FALTA DE ÉTICA E SOLUÇÕES VIÁVEIS PARA O BRASIL

tUDO QUE SE FEZ

20.03.2017 - A PEDRO COSTA

Dizem que ninguém é insubstituível. Tal premissa terá uma chance de se provar verdadeira, a partir de agora, com a partida prematura e inesperada de Pedro Costa, em relação aos seus empreendimentos, sonhos, anseios e desejos

19.03.2017 - Poema de Heinrich Heine

poesia

18.03.2017 - Anísio Brito

O acadêmico Reginaldo Miranda traça o perfil biográfico de um professor e historiador piauiense.

18.03.2017 - José Antonio Reguffe

A mídia pouco fala desse homem de comportamento exemplar entre os políticos!

17.03.2017 - BANDEIRAS DE FERRO

BANDEIRAS DE FERRO

16.03.2017 - A ELIZETH

A ELIZETH

16.03.2017 - No Cemitério da Ressurreição

Ao aproximar-se de mim, eu lhe disse que estava olhando minha própria sepultura.

15.03.2017 - POR QUE SÓ AGORA?

Se os políticos

15.03.2017 - A APARIÇÃO NA ALAMEDA DE MALLARMÉ

A APARIÇÃO NA ALAMEDA DE MALLARMÉ

15.03.2017 - A APARIÇÃO NA ALAMEDA DE MALLARMÉ

A APARIÇÃO NA ALAMEDA DE MALLARMÉ

14.03.2017 - Desembargador José Manuel de Freitas

O acadêmico Reginaldo Miranda traça o perfil biográfico de um importante magistrado e político piauiense.

14.03.2017 - A água canta

A água canta

13.03.2017 - Ojos de perro azul

Ojos de perro azul

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br