Dilson Lages Monteiro Quinta-feira, 30 de março de 2017
DIÁLOGOS COM A HISTÓRIA - REGINALDO MIRANDA
Reginaldo Miranda
Tamanho da letra A +A

Agrônomo Francisco Parentes

Agrônomo Francisco Parentes

                  Foi o pioneiro da agronomia no Piauí, o primeiro piauiense que venceu os obstáculos e conseguiu a formação acadêmica em Engenharia Agronômica, para isto tendo de buscar uma escola francesa no terceiro quartel do século XIX. Mas recuemos um pouco e acompanhemos sua vida desde o berço materno.

Ele veio ao mundo em 10 de junho de 1839, na vila de Barras do Marataoan, norte do Piauí, num período de grande agitação política e social, em plena guerra da Balaiada e seu pai fora um dos que se alistara nas tropas legalistas de combate aos rebeldes, razão pela qual não assistiu ao nascimento da criança. Estava em combate.

Era um dos quatro filhos de Raimundo de Araújo Parentes e dona Maria Joaquina da Silva Parentes. Foram seus irmãos Honório Parentes, autor de interessante diário, Ângela, falecida pequena e Joaquina, que chegou à idade adulta.

Com o fim da insurreição política e o apaziguamento do Meio-Norte brasileiro, buscando novas oportunidades seus pais mudam para a povoação de Buriti de Inácia Vaz, do outro lado do Parnaíba, hoje cidade de Buriti, no Maranhão. Ali o esperançoso jovem barrense iniciou as primeiras letras até concluir o ensino primário.

Com esse pequeno cabedal de conhecimento, em busca de novos horizontes, o jovem barrense mudou-se para a cidade de Teresina, que acabara de seu fundada e de receber os foros de Capital do Piauí. E para manter-se empregou-se como caixeiro de um armazém, cujo trabalho lhe absorvia todo o tempo impedindo-o de continuar nos estudos, o que era objeto de preocupação do jovem, que viera para estudar. Foi, então que arranjou uma colocação no serviço administrativo do Liceu Piauiense, passando depois a secretário do tradicional estabelecimento de ensino. Pôde, então, prosseguir nos estudos almejando dias melhores.

Em 1857, dar mais um passo em sua caminhada assumindo o cargo de secretário da Câmara Municipal de Teresina, cuja remuneração era melhor.

Porém, em 6 de março de 1862, foi nomeado 4.º Escriturário do Tesouro Nacional, o que lhe abria novas perspectivas na vida. No ano seguinte, em função desse emprego mudou-se para a cidade do Rio de Janeiro, já no firme propósito de formar-se em Agronomia. Ali pôde aprimorar seus conhecimentos, cursando preparatórios, mas ainda não existia escola agronômica. Foi, então, que se firmou no propósito de cursá-lo na França, mas para isto teria de vencer dois obstáculos: o financeiro, vez que seus pais não tinham condições de mantê-lo estudando no estrangeiro, aliás, desde muito que ele ganhava o próprio sustento; e a barreira do idioma, sendo então renitente monoglota. Ademais, conturbavam-se os ventos políticos, iniciando o conflito na Bacia do Prata, conhecido como Guerra do Paraguai.

Mas para os grandes espíritos não há obstáculos, só os fracos se abatem antes do combate. Concebida a ideia era preciso lançar-se à luta e vencer as dificuldades. Assim, depois de noites indormidas maturando seu sonho, pediu breve licença do emprego, pegou seu ordenado, comprou passagens e veio ao Piauí pedir à Assembleia Legislativa uma subvenção em forma de bolsa. A sua fala branda e firmeza  de propósitos sensibilizou o deputado Antônio José Almendra, que abraçou a causa e convencendo seus pares, apresentou projeto e conseguiu aprovar a lei concessiva do pleito. Todavia, em face de revés político seu protetor rompe com o presidente da província, Dr. Franklin Américo de Meneses Dória que, para vingar-se do parlamentar veta a indicada lei, trazendo, assim, transtorno ao estudante piauiense, que mais uma vez não se deixou abater. Era de uma fortaleza inquebrantável e o seu sonho o embalava, fazendo-o partir para outra alternativa, a busca de ajuda entre os particulares. Sobre esse assunto, é interessante a informação colhida por Monsenhor Chaves, seu biógrafo, que assim se reporta ao assunto:

“Francisco, porém, não era homem para esmorecer. Não podendo contar com o Governo, apelou para os particulares. Abriu-se uma subscrição. Três apenas a assinaram: o Dr. Almendra, que lhe garantiu uma mensalidade de 80$000, o pai de Francisco, que subscreveu 20$000, e o irmão, Honório Parentes, que começava a vida, mas mesmo assim lhe garantiu 10$000 por mês. Claro que 110$000 não dariam. Mas eram alguma coisa.

‘Àquela altura, a tenacidade, a humanidade e o entusiasmo de Francisco já haviam contagiado outras pessoas, que se dispuseram a ajudá-lo sob outra forma, sob a forma de empréstimo. Juntaram-se o Vigário do Amparo, Pe. Mamede Antônio de Lima, José F. Alves Pacheco, Antônio José Araújo Bacelar, José Ferreira de Vasconcelos. Entre eles levantaram uma importância bem alta e a colocaram à sua disposição. Agora o problema financeiro estava resolvido” (CHAVES, Mons. Joaquim. Obra Completa. 2.ª Ed. Teresina: FCMC, 2013. P. 474).

Assim, vencido esse primeiro obstáculo, Francisco Parentes embarca para a França em 7 de março de 1864, aos 25 anos de idade. Ainda era tempo de realizar seu sonho e conseguir a formação acadêmica no curso que desejava. Mas outro obstáculo se lhe antepunha: enfrentar e vencer o idioma francês, pois ainda nada sabia. Procurou então a Embaixada do Brasil, onde foi bem recebido e iniciado na língua de Victor Hugo, aprendendo as noções rudimentares, o suficiente para matricular-se no Instituto Neully, de Paris, onde concluiu com êxito os preparatórios.

Por fim, depois de mostrar a si próprio e aos que o acompanhavam e o ajudavam, de que contra a força de vontade não há obstáculo que resista, em princípio de 1866 matriculou-se na Escola de Agricultura de Grand Joyan, onde cursou com êxito as mais diversas disciplinas. Porém, em 1870, quando estava prestes a concluir o tão sonhado curso de Engenharia Agronômica, rebenta guerra na Europa e as tropas alemãs invadem e rendem a França em 2 de setembro, fechando as escolas. Então, o estudante Francisco Parentes, que cursava as últimas disciplinas do curso e nada tinha a ver com aquele conflito, “foge para a Bélgica e lá consegue sobreviver com a ajuda de um grego, seu colega” (op. cit.).

Com o fim do conflito retorna à França, mas não consegue prosseguir nos estudos, em face da guerra civil que sucedeu. Por fim, voltando os tempos de paz e reabrindo as escolas, Francisco Parentes consegue estudar as últimas disciplinas, completar a grade curricular e concluir o curso de Agronomia, recebendo o diploma em 19 de junho de 1871, poucos dias depois do aniversário de 32 anos de idade. Estava realizado o sonho, era hora de retornar à pátria e lançar-se ao trabalho. Porém, não havia recursos para a passagem de volta, tendo de recorrer a um empréstimo no valor de 1.405 francos ao patrício Francisco Marques Rodrigues, que morava em Paris.

Desta forma, em 10 de agosto do indicado ano de 1871, o Dr. Francisco Parentes está de volta a Teresina, onde já estavam mortos seu pai e o velho protetor, Dr. Almendra, cujos herdeiros, de forma magnâmica, se recusaram a receber qualquer reembolso.

A essa altura, o jovem agrônomo piauiense não tinha tempo a perder. Procura então a presidência da província, ocupada pelo Dr. Manoel do Rego Barros Sousa Leão e lhe expõe ambicioso projeto a ser executado nas Fazendas Nacionais, que no século passado haviam sido confiscadas aos jesuítas. Ele tinha conhecimento de que as mesmas só traziam prejuízos à Coroa, em face da inaptidão dos diversos administradores, embora grande parte fosse constituída de terras férteis, onde pastava imenso rebanho bovino, também da Coroa. Então, idealizou nelas implantar uma colônia agrícola com escola de agricultura prática voltada para os filhos de escravos libertos, onde se apresentavam duas vantagens para o Estado, a saber: desonerá-lo das despesas com a manutenção das fazendas, que pouco produziam e, por outro lado, facilitaria o emprego de libertos e a educação de seus filhos, no contexto da Lei do Ventre Livre, que libertara os nascituros e regular a manumissão dos cativos atribuindo ao estado a obrigação de cuidar dos ingênuos com idade superior a oito anos. Dessa forma, foi um projeto singular, extraordinário e com ampla visão social. E existiam no Piauí 24 fazendas do Real Fisco, com excelentes terras, abundância de gado, tendo nelas perto de 800 negros libertos, inclusive 300 menores e cerca de 100 inválidos. Era, portanto, campo propício à ação governamental, onde repercutiu positivamente o discurso do Agrônomo Parentes.

O presidente da província o ouviu com atenção e interesse e o encaminhou com carta de recomendação ao Presidente do Conselho de Ministros, José Maria da Silva Paranhos, visconde do Rio Branco, no Rio de Janeiro. Depois de parlamentar com este, foi encaminhado para entender-se como ministro da Agricultura, conselheiro Teodoro Machado Freire Pereira da Silva que, encampa seu projeto e o contrata para aprofundar os estudos, percebendo uma remuneração de 300$000 e uma ajuda de custo de 1:000$000. Conforme o Aviso expedido em 11 de janeiro de 1872, deveria Francisco Parentes vir ao Piauí escolher o local, levantar as plantas e orçar a instalação de uma colônia que teria o nome de Estabelecimento Rural de São Pedro de Alcântara, em homenagem ao imperador.

Retornando a Teresina, agora a soldo do governo imperial, lança-se em ação dirigindo-se imediatamente ao território das Fazendas Nacionais. Depois de algumas andanças, à margem do rio Parnaíba, em pequena eminência denominada Chapada da Onça, elege por sede da nova colônia agrícola. Faz então os estudos iniciais, levantamentos topográficos e questões orçamentárias que sem demora os apresenta ao ministro da Agricultura, no Rio, onde volta a apresentar-se. Depois de aprovados os projetos é o mesmo agrônomo definitivamente contratado para, no período de 15 anos, fundar e dirigir o novo estabelecimento rural brasileiro em território da Inspeção de Nazaré das fazendas Nacionais, no Piauí, que haviam sido sequestradas aos jesuítas e, mais remotamente, fora do conquistador Domingos Afonso Sertão. O Estabelecimento Rural São Pedro de Alcântara foi oficialmente criado pelo decreto imperial n.º 5.392, de 10 de setembro de 1873.

De conformidade com o referido decreto, que autorizou o contrato do Ministério da Agricultura, Comércio e Obras Públicas com o agrônomo Francisco Parentes para a fundação de um estabelecimento rural na província do Piauí, compreendendo as fazendas nacionais denominadas Guaribas, Serrinhas, Matos, Algodões, e Olho d'Agua, todas pertencentes ao departamento de Nazareth, obrigar-se-ia o contratante, assim é designado o agrônomo Parentes, às seguintes condições: 1. Fundar, à margem do rio Parnaíba, na Província de Piauí, um estabelecimento de agricultura prática, empregando como trabalhadores os libertos da nação, existentes nas fazendas do Estado, que fossem aptos para o trabalho e não estivessem empregados por conta do Governo; podendo também contratar na Província ou fora dela trabalhadores que não fossem libertos da nação, se o número destes fosse insuficiente ou não fossem aptos para o serviço; 2. Educar física, moral e religiosamente os libertos das ditas fazendas, que forem menores, e os filhos das libertas nascidos depois da promulgação da Lei de 28 de Setembro de 1871, não podendo, porém, os menores ser separados da companhia de suas mães, nem entrar para o estabelecimento, antes de completarem cinco anos de idade, salvo os órfãos de pai e mãe; provendo, outrossim, à educação moral e religiosa dos adultos; 3. Prestar os necessários socorros e alimento, vestuário e habitação aos libertos das ditas fazendas, que forem inválidos e quiserem se asilar no estabelecimento, sujeitos ao regulamento e polícia do mesmo; 4. Estabelecer lavouras de algodão, de cana de açúcar, de cereais e quaisquer outras que forem próprias do clima e do solo; fábricas de queijos e de sabão, charqueadas e curtume em que se empreguem os processos mais aperfeiçoados e compatíveis com os recursos do estabelecimento; 5. Construir prédio de residência, casa de oração, enfermaria, aula, cemitério, edifícios com proporções para as fábricas e curtume, para depósitos, para engenho de açúcar e suas dependências, para prensa e descaroço do algodão e para quartel das praças encarregadas da policia do estabelecimento e fazendas de gado, devendo também preparar um campo para estudos agronômicos; 6. Construir currais, cercados e estábulos apropriados para o melhoramento e aperfeiçoamento das raças de gado; formar açudes e prados artificiais e fazer aplicação do sistema de cruzamento ou do de seleção, segundo a espécie de gado e os resultados de um ou de outro sistema.

Para o bom êxito da empreitada, o estabelecimento contaria com o seguinte pessoal: um diretor, que seria o contratante acima referido, um escriturário, um sacerdote, um professor, uma professora, uma diretora dos trabalhos domésticos, um carpina, um ferreiro, um enfermeiro, uma enfermeira, seis criados, trinta trabalhadores para a lavoura da cana de açúcar, trinta ditos para a do algodão, quatro ditos para o curtume, quatro para as charqueadas, quatro para a fábrica de queijos, dois para a de sabão, seis encarregados da direção das indústrias, cinco vaqueiros e os fábricas necessários, seis praças e um sargento, e, finalmente, todos os menores e inválidos já referidos. No entanto, além do número fixado, deveriam ser admitidos, como trabalhadores, todos os libertos da nação que fossem aptos para o serviço rural e outros a que se destina o estabelecimento.

Eram amplas as atribuições do diretor, competindo-lhe admitir e despedir livremente todo o pessoal do estabelecimento e fixar-lhe os respectivos vencimentos e salários, salvo, porém, o escriturário, que era nomeado pelo presidente da província; organizar e sujeitar à aprovação do Governo o regulamento interno do estabelecimento, no qual poderia impor penas correcionais; fazer todas as despesas necessárias às construções, regime e bom serviço do mesmo estabelecimento; vender todos os produtos naturais e industriais deste, compreendidos os bois de talho das cinco fazendas que ficam sob sua direção; e remeter à Tesouraria de Fazenda, no fim de cada trimestre, os saldos líquidos existentes, depois de deduzidas as mencionadas despesas.

Também, durante os cinco primeiros anos, em que o contratante teria de receber consignações do Governo, seriam encontradas nestas as quantias líquidas que pudessem existir em seu poder, produto do estabelecimento, constantes dos balancetes trimestrais.

A escrituração da receita e despesa do estabelecimento ficaria a cargo do escriturário respectivo.

O diretor remeteria trimestralmente à Tesouraria da Fazenda balancetes explicados e os documentos da sua receita e despesa, que as comprovarem, para que a mesma Tesouraria pudesse exercer a fiscalização que lhe competisse. À vista desses balancetes se faria também a escrituração devida naquela repartição, de modo que no fim de cada exercício, apresentado o balanço anual do estabelecimento, se pudesse tomar a conta da diretoria e dar-se-lhe quitação. Na liquidação das contas e nos balanços anuais e trimestrais se discriminaria a renda do estabelecimento e a despesa própria da fundação, bem como a do custeio. A Tesouraria daria conta ao Ministério da Agricultura dos resultados da liquidação das contas anuais.

Todavia, o diretor poderia fazer no estabelecimento todas as modificações que julgasse necessárias, quer aumentando ou reduzindo o pessoal, sempre com atenção às normas indicadas, quer alterando a distribuição dos diversos serviços, sem acréscimo, porém, das consignações convencionadas com o Governo.

Quanto ao início dos trabalhos, deveria o diretor dar princípio às mesmas no prazo de seis meses, contados do dia em que recebesse as fazendas do Estado, sendo-lhe, porém, entregue dentro de três meses, da data do recebimento das ditas fazendas, a primeira prestação para as despesas da indicada fundação. E deveria concluí-los e iniciar o regular funcionamento das fábricas industriais no prazo de cinco anos, uma vez que por parte do Governo lhes fossem entregues nas épocas estipuladas as prestações pecuniárias devidas. No entanto, deveria concluir antecipadamente algumas etapas, sendo dentro de dois anos a construção de edifícios e a fábrica de queijos; no terceiro ano fazer funcionar as charqueadas, o curtume e a fábrica de sabão, e nos últimos anos as lavouras de algodão e de cana.

Deveria ainda o agrônomo contratante, prestar fiança idônea da quantia de 10$000 na Tesouraria de Fazenda da Província do Piauí, não só para receber as consignações contratadas, como para garantir a arrecadação da renda do estabelecimento, que tem de recolher trimestralmente à mesma Tesouraria. No que se referia à prestação de contas, sempre que o contratado apresentasse a sua conta documentada das despesas feitas, e fossem estas julgadas regulares pela Tesouraria, considerar-se-ia desonerado da importância delas e habilitado para receber nova consignação, prevalecendo a dita fiança. No entanto, se verificar-se a existência do saldo em seu poder, a mesma Tesouraria lhe entregaria somente a soma que, reunida a esse saldo, perfizesse a prestação pedida. Todos esses prazos e condições deveriam ser observadas, sob pena de rescisão do contrato com audiência prévia do diretor.

É importante ressaltar que o estabelecimento ficaria sujeito à inspeção imediata do Ministério da Agricultura, Comércio e Obras Publicas ou do Presidente da Província, sempre que necessário.

O Ministério da Agricultura, Comércio e Obras Públicas obrigou-se a mandar entregar por meio de inventário, que se processaria pela Tesouraria da Fazenda, ao contratante diretor do estabelecimento as fazendas denominadas Guaribas, Serrinhas, Algodões, Mattos e Olho d'Agua, pertencentes ao Estado no departamento de Nazareth, Província do Piauí, as quais foram concedidas pelo Ministério da Fazenda por Aviso de 10 de junho do referido ano para fazerem parte do estabelecimento, com todo o gado nelas existente, e as casas, utensílios, terras, currais e logradouros; da mesma forma, a entregar-lhe os libertos da nação precisos para os trabalhos do estabelecimento, e todos os menores e inválidos, os quais deveriam ser conservados nos lugares em que se achavam, até que pudessem ser transferidos para o estabelecimento; o que se entenderia até que fosse concluído o prédio destinado a asilá-los, que deveria ter preferência a qualquer outra construção, no prazo máximo de um ano. Os inválidos que precisassem de prontos socorros e os órfãos de pai e mãe seriam imediatamente transferidos para as cinco mencionadas fazendas a fim de receberem os auxílios de que necessitassem.

Obrigou-se ainda o órgão governamental a fornecer ao contratante, para a fundação do estabelecimento, no primeiro ano a quantia de 30:000$000 em quatro prestações iguais de três em três meses; no segundo a quantia de 20:000$000 pela mesma forma, e 30:000$000 em prestações, à proporção que fossem requisitadas pelo mesmo até completar o prazo de cinco anos. Porém, enquanto o estabelecimento não produzisse renda suficiente, as despesas de seu custeio correriam por conta das consignações convencionadas.

A fim de garantir a transparência na execução e administração do empreendimento, toda a sua receita e despesa, quer relativa às consignações recebidas do Governo, quer à renda do mesmo estabelecimento, seria escriturada em livros abertos, rubricados e encerrados por empregados da Tesouraria, que seriam recolhidos anualmente à mesma Tesouraria para a tomada das contas. Além desses livros, haveria um destinado à entrada e saída de gêneros, incluídos os bois de talho e outros objetos que fossem do uso e serviço do estabelecimento.

Por fim, o contratante perceberia o honorário anual de 6:000$ durante os cinco anos iniciais, e daí em diante, anualmente, o de 5:000$ e uma porcentagem, deduzida do rendimento líquido do estabelecimento, a qual seria marcada pela Presidência de acordo com o contratante, com tanto que a sua importância não fosse superior a 3:000$, não sendo também menor de 1:000$000. O contra tinha vigência de quinze anos, não podendo o contratante nesse período, exercer nenhum ramo de indústria ou de comércio por conta própria ou de terceiro.

Então, com o contrato em mãos o primeiro agrônomo do Piauí, o jovem barrense que venceu contra todas as circunstancias desfavoráveis, iria mostrar a que veio. Lançou-se então incansavelmente ao trabalho, à execução do projeto por ele concebido. Segue em vapor pelo rio Parnaíba até a Chapada da Onça, onde abre a clareira das primeiras edificações. E quase um ano depois, em 10 de agosto de 1874, o novo estabelecimento rural é oficialmente inaugurado pelo presidente da província, Dr. Adolfo Lamenha Lins, que ali chegara com numerosa comitiva. A viagem fora feita no vapor “Piauí”, que havia partido de Teresina seis dias antes, em 4 do indicado mês. Foi então lançada a pedra fundamental do edifício principal, cuja inscrição trazia os seguintes dizeres: “São Pedro de Alcântara. Estabelecimento Rural. Fundado por Decreto n.º 5.392. Pelo Agrônomo Piauiense, Dr. Francisco Parentes. Na presidência do Exmo. Sr. Dr. Adolfo Lamenha Lins, 1874”.

Desde então continuou o Agrônomo Parentes no seu afã de servir à pátria, levando a efeito todas as construções necessárias, desde o edifício principal que serviria de sede até as instalações mais simples. Era incansável em seu trabalho e vontade de servir.

No entanto, a cruel parca veio ceifar-lhe a vida ainda em seu alvorecer, quando muito ainda poderia realizar. Parece uma ironia do destino, pois o jovem que tanto lutara para fazer-se agrônomo e para implantar um grande empreendimento agrícola em sua terra, desapareceria antes de ver a sua realização, embora prestes a concluí-la. É que foi acometido por uma febre de mau caráter, sendo transportado às pressas para a cidade de Amarante, rio abaixo, em busca de recursos médicos. Todavia, ali vem a falecer em 16 de junho de 1876, seis dias depois do aniversário de 37 anos de idade e três dias antes de completar cinco anos de formado. Mas a sua obra perdura para sempre. E a conclusão das instalações foi continuada por seu auxiliar Juvêncio Tavares Sarmento da Silva. O governo teve a intenção de transformá-lo em um instituto de zootecnia, mas não houve sucesso, sobretudo em razão da falta de seu idealizador. Porém, o estabelecimento rural por ele fundado é hoje a cidade de Floriano, uma das mais prósperas do Estado. E a Escola Agrônomo Parentes, que ali funciona é um testemunho da reverência daquele povo ao fundador da cidade. E enquanto soar o nome desta cidade também soará o nome do Agrônomo Francisco Parentes, o pioneiro de sua profissão em terras mafrenses, figurando nessa galeria pelo pioneirismo, pela tenacidade, pelo trabalho, pela visão de futuro e pelo amor ao Piauí.

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

27.03.2017 - Agrônomo Francisco Parentes

18.03.2017 - Anísio Brito

14.03.2017 - Desembargador José Manuel de Freitas

10.03.2017 - Francisco de Sousa Martins

28.02.2017 - O romancista da maniçoba e do cangaço

23.02.2017 - Pensando o Piauí

11.02.2017 - A Coluna Prestes em Aparecida

10.02.2017 - João Crisóstomo da Rocha Cabral

05.02.2017 - Antonio Gonçalves Pedreira Portellada

04.02.2017 - M. Paulo Nunes e os valores literários

29.01.2017 - Raimundo Artur de Vasconcelos

22.01.2017 - O plano editorial da APL

21.01.2017 - Leonardo Castelo Branco

14.01.2017 - Frederico Burlamaqui: o pioneiro da paleontologia no Brasil.

11.01.2017 - Engenheiro Antônio José de Sampaio

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

30.03.2017 - Depois de procelosa tempestade

Depois de procelosa tempestade

29.03.2017 - CELSO FURTADO

CELSO FURTADO

28.03.2017 - A peleja entre Deus e o diabo nos sertões do Piauhy

Uma incursão à antiga Vila do Mocha

28.03.2017 - Anti-homenagem

Hoje eu anti-homenageio o Governador do Rio de Janeiro, Sr. Pezão

28.03.2017 - VOLTO AO ASSUNTO: A CRIMINALIDADE BRASILEIRA

É um truísmo

27.03.2017 - Agrônomo Francisco Parentes

O acadêmico Reginaldo Miranda reconstitui a trajetória do pioneiro da agronomia no Piauí e fundador do Estabelecimento Rural São Pedro de Alcântara.

27.03.2017 - Guardem as cinzas - Esta é a novela de Andrea Ferraz

Uma novela na linhagem das tragédias gregas e universais

23.03.2017 - Antenor Rêgo e seu dicionário de “Piauiês”

Em seu Dicionário do Piauí – a língua piauiense, de 160 páginas, estão catalogados em forma de verbetes, conforme consta na capa, o linguajar, as expressões, as sabenças, os falares, os costumes e as curiosidades de nosso povo.

22.03.2017 - AVIDEZ PELO DINHEIRO, FALTA DE ÉTICA E SOLUÇÕES VIÁVEIS PARA O BRASIL

Tudo que se fez para desmoralizar a imagem do Brasil tem uma origem comum

20.03.2017 - A PEDRO COSTA

Dizem que ninguém é insubstituível. Tal premissa terá uma chance de se provar verdadeira, a partir de agora, com a partida prematura e inesperada de Pedro Costa, em relação aos seus empreendimentos, sonhos, anseios e desejos

19.03.2017 - Poema de Heinrich Heine

poesia

18.03.2017 - Anísio Brito

O acadêmico Reginaldo Miranda traça o perfil biográfico de um professor e historiador piauiense.

18.03.2017 - José Antonio Reguffe

A mídia pouco fala desse homem de comportamento exemplar entre os políticos!

17.03.2017 - BANDEIRAS DE FERRO

Somos todos devedores dos ares que vêm de lá

16.03.2017 - A ELIZETH

Recebo um presente rico.

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br