Dilson Lages Monteiro Quinta-feira, 28 de agosto de 2014
CRÔNICA DE SEMPRE - ROGEL SAMUEL
Rogel Samuel (atualização diária)
Tamanho da letra A +A

Dia da consciência negra: Cruz e Sousa

No dia da consciência negra me debruço a ler o nosso poeta maior, nos sons desses violões. A sonoridade é perfeita, e se ouvem os violões em "velhos vórtices velozes dos ventos, vivas, vãs, vulcanizadas".

Quando os sons dos violões vão soluçando,

Quando os sons dos violões nas cordas gemem,

 

Seus versos expõem os  "oens", lamentos mornos, soluços murmurantes:

 

Ah! plangentes violões dormentes, mornos,

Soluços ao luar, choros ao vento…

Tristes perfis, os mais vagos contornos,

Bocas murmurejantes de lamento.

 

O poeta negro é sofisticadíssimo. Compete com os melhores seus iguais poetas simbolistas franceses. Sabia francês, latim, grego, matemática. Combateu a escravidão – era filho de escravos. Sofreu preconceito racial quando quis ser promotor. Trabalhou na Central do Brasil.

Seus quatro filhos morreram de tuberculose, e ele também.  Ele é o poeta da angústia metafísica, das nuances.   E nada mais Brasil do que esses violões.

 

Noites de além, remotas, que eu recordo,

Noites da solidão, noites remotas

Que nos azuis da Fantasia bordo,

Vou constelando de visões ignotas.

Sutis palpitações a luz da lua,

Anseio dos momentos mais saudosos,

Quando lá choram na deserta rua

As cordas vivas dos violões chorosos.

Quando os sons dos violões vão soluçando,

Quando os sons dos violões nas cordas gemem,

E vão dilacerando e deliciando,

Rasgando as almas que nas sombras tremem.

Harmonias que pungem, que laceram,

Dedos Nervosos e ágeis que percorrem

Cordas e um mundo de dolências geram,

Gemidos, prantos, que no espaço morrem

 

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

22.08.2014 - O CAVALO DO APOCALIPSE

15.08.2014 - DE HUMBERTO DE CAMPOS FEMINISTA

08.08.2014 - Ó VIRGENS QUE PASSAI AO SOL POENTE

05.08.2014 - Na porta da FNFI

25.07.2014 - A INVENÇÃO DA SANTA

23.07.2014 - Estão se adiantando

17.07.2014 - As bandeiras congeladas

16.07.2014 - VOCÊ JÁ POSTOU O SEU COMENTÁRIO NO MEU ARTIGO?

16.07.2014 - DE REPENTE, A COPA SE FOI

14.07.2014 - Copa no Brasil injeta 30 bilhões na economia

13.07.2014 - Ferreira Gullar oficializa candidatura à Academia Brasileira de Letras

11.07.2014 - ESTRASBURGO, PARIS, MANAUS

11.07.2014 - AINDA SOBRE A COPA

10.07.2014 - O EFEITO “CONTRA A COPA” NA DERROTA DO BRASIL

09.07.2014 - A política, a Copa

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

São Bernardo no olhar de Ricardo Ramos Filho


(Dê)pois, poema de Dílson Lages


Listar todos
Últimas matérias

26.08.2014 - O míope e a sopa

A miopia é uma deficiência? Leia esse texto!

26.08.2014 - Winston Roosevelt: um artista da escultura piauiense

Talvez desconhecido

26.08.2014 - Winston Roosevelt: um artista da escultura piauiense

Talvez desconhecido

26.08.2014 - Sessão de posse da Academia Falresc, em Teresina

Sessão de posse da Academia Falresc, em Teresina

25.08.2014 - A PANTERA 1

A PANTERA 1

25.08.2014 - Cinema, alimentação e Cultura Local

Festival Internacional em Pirenópolis/GO

24.08.2014 - Fragmentos ubíquos

A primeira notícia que me ocorre

23.08.2014 - O riso

Uma história da risada

23.08.2014 - A ILHA DO SONHO E DO ENCANTO

Nas rochas que emergiam do líquido elemento pousavam cândidas sereias, algumas metade peixes e outras metade pássaros, todas de voz maviosa e alucinante.

22.08.2014 - Eça paulista

Todos os estrangeiros que visitam o Brasil se esforçam por não falhar o Rio de Janeiro

22.08.2014 - As 7 maravilhas do mundo antigo

É cada maravilha maior do que a outra

22.08.2014 - SAUDADE, ESSE RIO JORRANDO CHAMAS

Poetizar um tema abstrato como saudade e lembrança parece cair no prosaico de todos os amantes.

22.08.2014 - O CAVALO DO APOCALIPSE

Leio o mágico poema de Farias de Carvalho (1930-1997)

20.08.2014 - Os Estados Unidos : seu povo e sua política externa

Deve-se distinuir a sociedade

19.08.2014 - O monstro da mitologia fenícia

O Leviathan

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br