Dilson Lages Monteiro Segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017
CRÔNICA DE SEMPRE - ROGEL SAMUEL
Rogel Samuel (atualização diária)
Tamanho da letra A +A

Dia da consciência negra: Cruz e Sousa

No dia da consciência negra me debruço a ler o nosso poeta maior, nos sons desses violões. A sonoridade é perfeita, e se ouvem os violões em "velhos vórtices velozes dos ventos, vivas, vãs, vulcanizadas".

Quando os sons dos violões vão soluçando,

Quando os sons dos violões nas cordas gemem,

 

Seus versos expõem os  "oens", lamentos mornos, soluços murmurantes:

 

Ah! plangentes violões dormentes, mornos,

Soluços ao luar, choros ao vento…

Tristes perfis, os mais vagos contornos,

Bocas murmurejantes de lamento.

 

O poeta negro é sofisticadíssimo. Compete com os melhores seus iguais poetas simbolistas franceses. Sabia francês, latim, grego, matemática. Combateu a escravidão – era filho de escravos. Sofreu preconceito racial quando quis ser promotor. Trabalhou na Central do Brasil.

Seus quatro filhos morreram de tuberculose, e ele também.  Ele é o poeta da angústia metafísica, das nuances.   E nada mais Brasil do que esses violões.

 

Noites de além, remotas, que eu recordo,

Noites da solidão, noites remotas

Que nos azuis da Fantasia bordo,

Vou constelando de visões ignotas.

Sutis palpitações a luz da lua,

Anseio dos momentos mais saudosos,

Quando lá choram na deserta rua

As cordas vivas dos violões chorosos.

Quando os sons dos violões vão soluçando,

Quando os sons dos violões nas cordas gemem,

E vão dilacerando e deliciando,

Rasgando as almas que nas sombras tremem.

Harmonias que pungem, que laceram,

Dedos Nervosos e ágeis que percorrem

Cordas e um mundo de dolências geram,

Gemidos, prantos, que no espaço morrem

 

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

19.02.2017 - CASA ABANDONADA

18.02.2017 - As vozes narrativas

17.02.2017 - O PIANO, A TARDE

15.02.2017 - ENTREVISTA DE R. SAMUEL A LUIZ ALBERTO MACHADO

15.02.2017 - CONCEIÇÃO

14.02.2017 - Solveig von Schoultz, 1907-1996, Finlândia

12.02.2017 - NATUREZA MORTA

11.02.2017 - porta calada

09.02.2017 - UNIVERSOS PARALELOS - CRÔNICA ANTIGA

07.02.2017 - A Catedral

06.02.2017 - Noite negra

01.02.2017 - ABRE A BOCA UM SILÊNCIO ENORME

23.01.2017 - O abismo do amar

22.01.2017 - O SONETO PARA CHE GUEVARA DE JORGE TUFIC

14.01.2017 - O AMANTE DAS AMAZONAS

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

19.02.2017 - CASA ABANDONADA

CASA ABANDONADA

18.02.2017 - As vozes narrativas

As vozes narrativas

18.02.2017 - As memórias de Cunha e Silva Filho

Um amigo que tem muitas coisas a contar relata fatos de sua vida.

17.02.2017 - O PIANO, A TARDE

Minha tia Maria José

16.02.2017 - A Filha da Floresta, de Thales Andrade

Assim iniciou a literatura infantil brasileira.

15.02.2017 - ENTREVISTA DE R. SAMUEL A LUIZ ALBERTO MACHADO

Não vi a riqueza de Maurice Samuel

15.02.2017 - CONCEIÇÃO

CONCEIÇÃO

14.02.2017 - Solveig von Schoultz, 1907-1996, Finlândia

Demos-lhe sementes; não muitas,

13.02.2017 - Paru

Filho da estrada e do vento, nunca se soube de onde vi/era, nunca se soube para onde foi.

12.02.2017 - NATUREZA MORTA

Oh, está morto, tudo está congeladamente morto.

11.02.2017 - A Coluna Prestes em Aparecida

O autor narra a passagem da Coluna Prestes na vila a'Aparecida, hoje cidade de Bertolínia, sua terra natal.

11.02.2017 - porta calada

porta calada

10.02.2017 - João Crisóstomo da Rocha Cabral

O autor discorre sobre o jurista e poeta João Cabral e sua obra poética Palimpsestos.

09.02.2017 - UNIVERSOS PARALELOS - CRÔNICA ANTIGA

UNIVERSOS PARALELOS - CRÔNICA ANTIGA

09.02.2017 - Literatura é imagem, cena e metáfora

A literatura brasileira não tem uma grande tradição no tratamento de romances — ou prosa de ficção — metafóricos, sobretudo na questão política, optando, quase sempre pelo documento, a sociologia ou a antropologia e o panfleto.

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br