Dilson Lages Monteiro Terça-feira, 04 de agosto de 2015
CRÔNICA DE SEMPRE - ROGEL SAMUEL
Rogel Samuel (atualização diária)
Tamanho da letra A +A

Dia da consciência negra: Cruz e Sousa

No dia da consciência negra me debruço a ler o nosso poeta maior, nos sons desses violões. A sonoridade é perfeita, e se ouvem os violões em "velhos vórtices velozes dos ventos, vivas, vãs, vulcanizadas".

Quando os sons dos violões vão soluçando,

Quando os sons dos violões nas cordas gemem,

 

Seus versos expõem os  "oens", lamentos mornos, soluços murmurantes:

 

Ah! plangentes violões dormentes, mornos,

Soluços ao luar, choros ao vento…

Tristes perfis, os mais vagos contornos,

Bocas murmurejantes de lamento.

 

O poeta negro é sofisticadíssimo. Compete com os melhores seus iguais poetas simbolistas franceses. Sabia francês, latim, grego, matemática. Combateu a escravidão – era filho de escravos. Sofreu preconceito racial quando quis ser promotor. Trabalhou na Central do Brasil.

Seus quatro filhos morreram de tuberculose, e ele também.  Ele é o poeta da angústia metafísica, das nuances.   E nada mais Brasil do que esses violões.

 

Noites de além, remotas, que eu recordo,

Noites da solidão, noites remotas

Que nos azuis da Fantasia bordo,

Vou constelando de visões ignotas.

Sutis palpitações a luz da lua,

Anseio dos momentos mais saudosos,

Quando lá choram na deserta rua

As cordas vivas dos violões chorosos.

Quando os sons dos violões vão soluçando,

Quando os sons dos violões nas cordas gemem,

E vão dilacerando e deliciando,

Rasgando as almas que nas sombras tremem.

Harmonias que pungem, que laceram,

Dedos Nervosos e ágeis que percorrem

Cordas e um mundo de dolências geram,

Gemidos, prantos, que no espaço morrem

 

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

03.08.2015 - O Quinto Império

31.07.2015 - Rogel Samuel: A árvore da gentileza

29.07.2015 - Norberto Bobbio

29.07.2015 - IPANEMA

26.07.2015 - Amizades

22.07.2015 - A lição de Canudos, sempre atual

22.07.2015 - Luxo das arábias

21.07.2015 - DOS JOVENS GOLIARDOS - JORGE TUFIC

20.07.2015 - Hino à tarde

18.07.2015 - O VÔO VAZIO

16.07.2015 - ELA, LUZ CLARA DO DIA; ELE, ESCURIDÃO DA NOITE

12.07.2015 - Da arte do sol

09.07.2015 - ISSAC MELO POSTOU

08.07.2015 - 56 anos de vida literária

04.07.2015 - A POESIA MINIMALISTA DE DILSON LAGES (ROGEL SAMUEL)

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

03.08.2015 - O Quinto Império

O Quinto Império

03.08.2015 - Carta a um aniversariante ilustre: Cunha e Silva (1905-2015)

Antes de tudo

03.08.2015 - A infalibilidade papal

A maioria das pessoas não conhece o verdadeiro significado da doutrina da infalibilidade papal; tentarei explicá-la de forma objetiva.

02.08.2015 - DIGRESSÕES SOBRE PRECONCEITO

A impressão que, já há algum tempo, temos a respeito de preconceito, é que ele terá o conceito que lhe queira dar ou atribuir a vítima ou o algoz.

31.07.2015 - Rogel Samuel: A árvore da gentileza

Rogel Samuel: A árvore da gentileza

29.07.2015 - Norberto Bobbio

Norberto Bobbio

29.07.2015 - A PANTERA 22 (ROGEL SAMUEL)

A PANTERA 22 (ROGEL SAMUEL)

29.07.2015 - IPANEMA

IPANEMA

27.07.2015 - GENEALOGIA, HISTÓRIA E ECOLOGIA EM ESPERANTINA

Advirto que se providências urgentes não forem tomadas a casa-grande, tombada pelo órgão do Patrimônio Histórico e Arquitetônico Estadual, irá literalmente tombar, como já caiu a casa solarenga da Fazenda da Limpeza

27.07.2015 - Animador, não é?

Nem tudo são flores na exploração espacial...

27.07.2015 - Calos curados

Vocês ainda não sabem, mas toda geração da Tranqueira têm seus personagens e por consequente suas estórias lendárias.

26.07.2015 - Amizades

Amizades

23.07.2015 - A PANTERA 21 (ROGEL SAMUEL)

A sua ausência criou um vazio muito grande no sítio.

23.07.2015 - Tradução do poema "The road not taken," de Robert Frost (1875-19630

Two roads diverged in a

22.07.2015 - A lição de Canudos, sempre atual

A lição de Canudos, sempre atual

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br