Dilson Lages Monteiro Sexta-feira, 27 de março de 2015
CRÔNICA DE SEMPRE - ROGEL SAMUEL
Rogel Samuel (atualização diária)
Tamanho da letra A +A

Dia da consciência negra: Cruz e Sousa

No dia da consciência negra me debruço a ler o nosso poeta maior, nos sons desses violões. A sonoridade é perfeita, e se ouvem os violões em "velhos vórtices velozes dos ventos, vivas, vãs, vulcanizadas".

Quando os sons dos violões vão soluçando,

Quando os sons dos violões nas cordas gemem,

 

Seus versos expõem os  "oens", lamentos mornos, soluços murmurantes:

 

Ah! plangentes violões dormentes, mornos,

Soluços ao luar, choros ao vento…

Tristes perfis, os mais vagos contornos,

Bocas murmurejantes de lamento.

 

O poeta negro é sofisticadíssimo. Compete com os melhores seus iguais poetas simbolistas franceses. Sabia francês, latim, grego, matemática. Combateu a escravidão – era filho de escravos. Sofreu preconceito racial quando quis ser promotor. Trabalhou na Central do Brasil.

Seus quatro filhos morreram de tuberculose, e ele também.  Ele é o poeta da angústia metafísica, das nuances.   E nada mais Brasil do que esses violões.

 

Noites de além, remotas, que eu recordo,

Noites da solidão, noites remotas

Que nos azuis da Fantasia bordo,

Vou constelando de visões ignotas.

Sutis palpitações a luz da lua,

Anseio dos momentos mais saudosos,

Quando lá choram na deserta rua

As cordas vivas dos violões chorosos.

Quando os sons dos violões vão soluçando,

Quando os sons dos violões nas cordas gemem,

E vão dilacerando e deliciando,

Rasgando as almas que nas sombras tremem.

Harmonias que pungem, que laceram,

Dedos Nervosos e ágeis que percorrem

Cordas e um mundo de dolências geram,

Gemidos, prantos, que no espaço morrem

 

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

23.03.2015 - POR QUE KAFKA ESCREVIA EM ALEMÃO?

22.03.2015 - A estrada

19.03.2015 - Ezra Pound

18.03.2015 - A terra desolada

18.03.2015 - A Pantera

12.03.2015 - COMO CONHECI A SBB

12.03.2015 - TEATRO AMAZONAS

10.03.2015 - REZE PELO BRASIL RATANASUTTAM

10.03.2015 - PESSOAS IMPORTANTES NA SBB

08.03.2015 - FATOS E LEMBRANÇAS VAGAS

06.03.2015 - RETRATO DO VIRTUOSE

06.03.2015 - A NOITE CHUVOSA

05.03.2015 - COMO COMEÇOU O RETIRO DE SANTA TERESA NO RIO

04.03.2015 - BUDA CARIOCA

01.03.2015 - NATUREZA MORTA

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

24.03.2015 - EU ANDO ESCREVENDO: poema de Jefferson Bessa

poesia

24.03.2015 - Poemas de Herberto Helder (1930-2015)

Amo devagar os amigos que são tristes

24.03.2015 - Os autores esquecidos e outras reflexões sobre literatura brasileira

Exite alguém que

24.03.2015 - Os autores esquecidos e outras reflexões sobre literatura brasileira

Exite alguém que

23.03.2015 - POR QUE KAFKA ESCREVIA EM ALEMÃO?

Antes, em outro lugar, disse ela que Kafka foi o primeiro que “pôs em crise a família, o casamento, o trabalho”.

23.03.2015 - CONFISSÕES DE UM JUIZ

Convidado para prefaciar o livro, destaquei naquela oportunidade, entre outros aspectos, o belo e pungente perfil por ele traçado de sua saudosa mãe

23.03.2015 - NEUZA MACHADO - DO PENSAMENTO CONTÍNUO À TRANSCENDÊNCIA FORMAL

NEUZA MACHADO - DO PENSAMENTO CONTÍNUO À TRANSCENDÊNCIA FORMAL

22.03.2015 - O que é pobre e o que é minoria? Ainda as cotas.

Durante todo o século XX o nome “trabalhador”, em geral visto como pobre, saiu da condição subalterna e até mal vista para a condição de qualificativo salvador.

22.03.2015 - Coco cheio de sangue

Inventar avalistas para autenticar a procedência de fatos fantásticos é uma tática antiga

22.03.2015 - Tudo por causa de uma vírgula

A pontuação é tremendamente importante para quem escreve e para quem lê, e um texto mal pontuado pode efectivamente levar-nos a compreender algo muito diferente daquilo que o autor queria transmitir.

22.03.2015 - A estrada

Na estrada sinuosa o verde das montanhas coloca uma barreira horizontal.

22.03.2015 - Alegrias imaturas, alegrias prematuras

Na infância, nos é mais permitido errar.

22.03.2015 - Entrevista com Lúcia Constantino

Entrevisto hoje uma escritora de grandes méritos e que escreve habitualmente no Recanto das Letras.

22.03.2015 - O leitor Fernando Pessoa

O leitor absoluto, ou seja, o que “reescreve”, em sua mente, o texto lido, é um novo autor.

21.03.2015 - Dia Mundial da Água, por Dr. Itamar Costa

Dia Mundial da Água, por Dr. Itamar Costa

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br