Dilson Lages Monteiro Sábado, 06 de fevereiro de 2016
CRÔNICA DE SEMPRE - ROGEL SAMUEL
Rogel Samuel (atualização diária)
Tamanho da letra A +A

Dia da consciência negra: Cruz e Sousa

No dia da consciência negra me debruço a ler o nosso poeta maior, nos sons desses violões. A sonoridade é perfeita, e se ouvem os violões em "velhos vórtices velozes dos ventos, vivas, vãs, vulcanizadas".

Quando os sons dos violões vão soluçando,

Quando os sons dos violões nas cordas gemem,

 

Seus versos expõem os  "oens", lamentos mornos, soluços murmurantes:

 

Ah! plangentes violões dormentes, mornos,

Soluços ao luar, choros ao vento…

Tristes perfis, os mais vagos contornos,

Bocas murmurejantes de lamento.

 

O poeta negro é sofisticadíssimo. Compete com os melhores seus iguais poetas simbolistas franceses. Sabia francês, latim, grego, matemática. Combateu a escravidão – era filho de escravos. Sofreu preconceito racial quando quis ser promotor. Trabalhou na Central do Brasil.

Seus quatro filhos morreram de tuberculose, e ele também.  Ele é o poeta da angústia metafísica, das nuances.   E nada mais Brasil do que esses violões.

 

Noites de além, remotas, que eu recordo,

Noites da solidão, noites remotas

Que nos azuis da Fantasia bordo,

Vou constelando de visões ignotas.

Sutis palpitações a luz da lua,

Anseio dos momentos mais saudosos,

Quando lá choram na deserta rua

As cordas vivas dos violões chorosos.

Quando os sons dos violões vão soluçando,

Quando os sons dos violões nas cordas gemem,

E vão dilacerando e deliciando,

Rasgando as almas que nas sombras tremem.

Harmonias que pungem, que laceram,

Dedos Nervosos e ágeis que percorrem

Cordas e um mundo de dolências geram,

Gemidos, prantos, que no espaço morrem

 

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

01.02.2016 - A imaginação - CLARICE DE OLIVEIRA

31.01.2016 - O descobrimento do Brasil

29.01.2016 - As capitanias hereditárias

27.01.2016 - Martin Heidegger - LA FRASE DE NIETZSCHE «DIOS HA MUERTO

25.01.2016 - A beleza pesa como a morte

22.01.2016 - CONCEIÇÃO

21.01.2016 - A ARTE DA FUGA

18.01.2016 - BARBIROLLI REGENDO MAHLER

13.01.2016 - A PEDRA

12.01.2016 - A MORTE DO MUNDO

09.01.2016 - A VISÃO DO MAR

08.01.2016 - Escrevo melhor em dólar

07.01.2016 - DOS PESADELOS

04.01.2016 - POEMA DE EUCLIDES DA CUNHA

03.01.2016 - NOITE DE SEDAS, NOITES DE SEGREDOS

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

05.02.2016 - HagioLetras, HagioPoética, HagioEstudos, HagioPesquisas

Uma imagem vale mais que mil palavras = HagioLiteratura

04.02.2016 - ENTRE A ACESSIBILIDADE E O POLITICAMENTE INCORRETO

Copiado dos norte-americanos, surgiu por aqui, há não muito tempo, o conceito filosófico-antropológico do "politicamente correto"; depois, veio a febre da acessibilidade.

03.02.2016 - A PANTERA 34

A PANTERA 34

01.02.2016 - A imaginação - CLARICE DE OLIVEIRA

A imaginação - CLARICE DE OLIVEIRA

01.02.2016 - ENTRE O VERMELHO E O BRANCO

Nada pode durar tanto, não existe nenhuma recordação que, por intensa que seja, não se apague (Juan Rulfo).

31.01.2016 - EU NÃO SOU EU: POEMA DE JUAN RAMÓN JIMENEZ

poesia

31.01.2016 - Flores sem vaso

Flores sem vaso

31.01.2016 - O descobrimento do Brasil

O descobrimento do Brasil

30.01.2016 - Letras Religiosas = HagioPoética

Orações, Preces e afins também são Textos Literários

30.01.2016 - Sonhos

Saliento que quase todos os meus sonhos, por mais verossímeis que sejam, apresentam algum aspecto extravagante, surpreendente ou insólito.

29.01.2016 - No Brasil delinquentes matam

Leitor que por acaso

29.01.2016 - Origem e exploração da hévea

Origem e exploração da hévea

29.01.2016 - O FOGO DA LABAREDA DA SERPENTE

O FOGO DA LABAREDA DA SERPENTE

29.01.2016 - As capitanias hereditárias

As capitanias hereditárias

27.01.2016 - Martin Heidegger - LA FRASE DE NIETZSCHE «DIOS HA MUERTO

La siguiente explicación intenta orientar hacia ese lugar desde el que, tal vez, podrá plantearse un día la pregunta por la esencia del nihilismo.

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br