Dilson Lages Monteiro Quarta-feira, 01 de julho de 2015
CRÔNICA DE SEMPRE - ROGEL SAMUEL
Rogel Samuel (atualização diária)
Tamanho da letra A +A

Dia da consciência negra: Cruz e Sousa

No dia da consciência negra me debruço a ler o nosso poeta maior, nos sons desses violões. A sonoridade é perfeita, e se ouvem os violões em "velhos vórtices velozes dos ventos, vivas, vãs, vulcanizadas".

Quando os sons dos violões vão soluçando,

Quando os sons dos violões nas cordas gemem,

 

Seus versos expõem os  "oens", lamentos mornos, soluços murmurantes:

 

Ah! plangentes violões dormentes, mornos,

Soluços ao luar, choros ao vento…

Tristes perfis, os mais vagos contornos,

Bocas murmurejantes de lamento.

 

O poeta negro é sofisticadíssimo. Compete com os melhores seus iguais poetas simbolistas franceses. Sabia francês, latim, grego, matemática. Combateu a escravidão – era filho de escravos. Sofreu preconceito racial quando quis ser promotor. Trabalhou na Central do Brasil.

Seus quatro filhos morreram de tuberculose, e ele também.  Ele é o poeta da angústia metafísica, das nuances.   E nada mais Brasil do que esses violões.

 

Noites de além, remotas, que eu recordo,

Noites da solidão, noites remotas

Que nos azuis da Fantasia bordo,

Vou constelando de visões ignotas.

Sutis palpitações a luz da lua,

Anseio dos momentos mais saudosos,

Quando lá choram na deserta rua

As cordas vivas dos violões chorosos.

Quando os sons dos violões vão soluçando,

Quando os sons dos violões nas cordas gemem,

E vão dilacerando e deliciando,

Rasgando as almas que nas sombras tremem.

Harmonias que pungem, que laceram,

Dedos Nervosos e ágeis que percorrem

Cordas e um mundo de dolências geram,

Gemidos, prantos, que no espaço morrem

 

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

29.06.2015 - Onde andará o poema?

28.06.2015 - Curiosidade: primeiro texto de R. Samuel publicado

25.06.2015 - A morte de um ícone em 25 de junho de 2009 (Rogel Samuel)

23.06.2015 - A SURUCUCU

20.06.2015 - Já estamos no inverno

15.06.2015 - A fuga no meio da noite

14.06.2015 - Discurso de Posse de Guimarães Rosa na Academia Brasileira de Letras

13.06.2015 - PALÁCIOS DA BORRACHA

11.06.2015 - Mãos ao Altíssimo!

11.06.2015 - Jorge Luis Borges - O Punhal

10.06.2015 - CAPÍTULO 21 DE "A PANTERA"

09.06.2015 - A TV é um lixo!

08.06.2015 - Carta de Guia dos Casados

03.06.2015 - Tu queres sono: despe-te dos ruídos

03.06.2015 - Choten under construction. Time to put a bit of yours which will remain for aeons.

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

30.06.2015 - Prof.Marcílio e o sorvete

Uma crônica dom barretana

29.06.2015 - Onde andará o poema?

Onde andará o poema?

28.06.2015 - Curiosidade: primeiro texto de R. Samuel publicado

Curiosidade: primeiro texto de R. Samuel publicado

25.06.2015 - Entregue às baratas

Mais uma aventura do famoso Capitão Barbosa

25.06.2015 - A morte de um ícone em 25 de junho de 2009 (Rogel Samuel)

Senti a morte do cantor.

23.06.2015 - TRECHO DE "O AMANTE DAS AMAZONAS"

Quando a urutu pica, dói muito e incha a carne, que vai ficando escura e roxa

23.06.2015 - A SURUCUCU

A SURUCUCU

21.06.2015 - 17. A PANTERA (Rogel Samuel)

O mundo estava mudado quando chegamos ao Rio.

20.06.2015 - Já estamos no inverno

Frio e chuvisco, no Rio de Janeiro.

17.06.2015 - 16. A PANTERA (Rogel Samuel)

Mas logo voltamos para o Rio

16.06.2015 - Um poema de Manuel Bandeira

poesia

15.06.2015 - A fuga no meio da noite

No chão cruzavam-se várias faixas coloridas.

15.06.2015 - 15. A PANTERA (Rogel Samuel)

De Katmandhu voei com Jara para Paris.

14.06.2015 - Discurso de Posse de Guimarães Rosa na Academia Brasileira de Letras

Discurso de Posse de Guimarães Rosa na Academia Brasileira de Letras

13.06.2015 - PALÁCIOS DA BORRACHA

A parte paraense do livro é excelente. A de Manaus deixa a desejar.

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br