Dilson Lages Monteiro Segunda-feira, 05 de dezembro de 2016
CRÔNICA DE SEMPRE - ROGEL SAMUEL
Rogel Samuel (atualização diária)
Tamanho da letra A +A

Dia da consciência negra: Cruz e Sousa

No dia da consciência negra me debruço a ler o nosso poeta maior, nos sons desses violões. A sonoridade é perfeita, e se ouvem os violões em "velhos vórtices velozes dos ventos, vivas, vãs, vulcanizadas".

Quando os sons dos violões vão soluçando,

Quando os sons dos violões nas cordas gemem,

 

Seus versos expõem os  "oens", lamentos mornos, soluços murmurantes:

 

Ah! plangentes violões dormentes, mornos,

Soluços ao luar, choros ao vento…

Tristes perfis, os mais vagos contornos,

Bocas murmurejantes de lamento.

 

O poeta negro é sofisticadíssimo. Compete com os melhores seus iguais poetas simbolistas franceses. Sabia francês, latim, grego, matemática. Combateu a escravidão – era filho de escravos. Sofreu preconceito racial quando quis ser promotor. Trabalhou na Central do Brasil.

Seus quatro filhos morreram de tuberculose, e ele também.  Ele é o poeta da angústia metafísica, das nuances.   E nada mais Brasil do que esses violões.

 

Noites de além, remotas, que eu recordo,

Noites da solidão, noites remotas

Que nos azuis da Fantasia bordo,

Vou constelando de visões ignotas.

Sutis palpitações a luz da lua,

Anseio dos momentos mais saudosos,

Quando lá choram na deserta rua

As cordas vivas dos violões chorosos.

Quando os sons dos violões vão soluçando,

Quando os sons dos violões nas cordas gemem,

E vão dilacerando e deliciando,

Rasgando as almas que nas sombras tremem.

Harmonias que pungem, que laceram,

Dedos Nervosos e ágeis que percorrem

Cordas e um mundo de dolências geram,

Gemidos, prantos, que no espaço morrem

 

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

01.12.2016 - A ELEIÇÃO É UMA REVOLUÇÃO DEMOCRÁTICA

30.09.2016 - RÁPIDAS REFLEXÕES SOBRE HAIKAI

08.09.2016 - PEDIDO DE PROTEÇÃO PARA O BRASIL

08.09.2016 - A MORTE DE LAMPIÃO

05.09.2016 - A VILA DAS OITO BALEIAS ENCALHADAS

03.09.2016 - "Benedicite"

01.09.2016 - O FUTURO

30.08.2016 - FAZ ESCURO MAS EU CANTO

28.08.2016 - LIVROS...

25.08.2016 - COPACABANA, COPACABANA

24.08.2016 - A RUA DAS FLORES

24.08.2016 - O FUTURO DO PAÍS EM NOSSAS MÃOS

22.08.2016 - FESTA

20.08.2016 - A CASA ONÍRICA

19.08.2016 - OS SONHOS COMO PRINCÍPIO DAS ESPERANÇAS ÀS VEZES PERDIDAS

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

04.12.2016 - MORRE O POETA FERREIERA GULLAR

Ningué, morre

04.12.2016 - A verdade que ninguém tem coragem de dizer

Todo mundo percebe, mas pouco se comenta...

03.12.2016 - Lendo e Comentando as palavras de Buddha.

Um Clássico da Literatura do Budismo Mahayana.

02.12.2016 - Psycho Pass episódio 2: Akane abraça o seu destino

Prosseguimos na guia de episódios de um dos melhores seriados policiais e de ficção científica de todos os tempos.

01.12.2016 - A AVÓ

Extremamente perspicaz, raramente se deixava enganar por simulações ou blefes. Valorizava muito a verdade e reagia às inverdades conclamando quem as proferisse a se retratar, caso não quisesse ser, doravante, havido como alguém que não merecia crédito.

01.12.2016 - É possível um mundo sem muros?

O problema mundial atual não é o de criar uma grande sociedade humana sem muros.

01.12.2016 - HISTÓRIAS DE ÉVORA - Capítulo XXXI

Tentar, tentar não é bem o termo exato, porque Amaro se deixava cair nessas ‘tentações’ com notável facilidade.

01.12.2016 - A ELEIÇÃO É UMA REVOLUÇÃO DEMOCRÁTICA

Numa democracia capitalista, todo voto é comprado.

01.12.2016 - COGUMELOS NOS JARDINS DA VIDA

COGUMELOS NOS JARDINS DA VIDA

01.12.2016 - A LUZ IRROMPE ONDE NENHUM SOL BRILHA

A LUZ IRROMPE ONDE NENHUM SOL BRILHA

30.11.2016 - A RAZÃO ESTÁ NO MEIO, NÃO NOS JULGAMENTOS

Quem diz que ele foi

29.11.2016 - POR QUE ESTA NOITE EU RI? – POEMA DE JOHN KEATS

Eis-nos tristes e sós, tu e eu, ó coração!

29.11.2016 - VIGIAR E PUNIR

VIGIAR E PUNIR

28.11.2016 - O DNA do passado

O DNA do passado

28.11.2016 - Comunismo Espiritual Antiquíssimo !

Leituras Espiritualistas Sociais

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br