Dilson Lages Monteiro Domingo, 29 de março de 2015
CRÔNICA DE SEMPRE - ROGEL SAMUEL
Rogel Samuel (atualização diária)
Tamanho da letra A +A

APARIÇÃO DO CLOWN DE L. RUAS 2

 

 


APARIÇÃO DO CLOWN DE L. RUAS

http://aparicaodoclown.blogspot.com.br/

 
que fazes no trapézio longínquo.
palhaço. quem já viu tua face
tua única face?
aquela que não é partida
aquela que não é pintada?
quem já beijou tua boca verdadeira?
as bailarinas beijam a boca mentirosa
a que canta a que ri a que chora
mas ninguém beijará o teu silêncio.
e tuas mãos palhaço e tuas mãos rosa
tuas mãos disfarce que nos enganam e alegram.
a bailarina lhe disse chorando – eu te amo.
ele riu. palmas. a cortina cerrou-se.
e se vestiu de nobre e deu esmola
para encobrir com seda e ouro o adultério.
palhaço. ri teu riso e oferece-nos teu almoço.
dá-nos o ridículo banquete onde comemos
rosas e suspiros e sorrisos.
e deixa-nos sonhar depois e depois chorar
tudo aquilo que não nos revelaste
a flor ainda em botão
não desabrochada não vituperada.
ninguém te vaia palhaço
todos riem somente da face mentirosa
da escandalosa face que nos ofereces
dizendo que é vinho.

todos beberiam porém teu sangue
seiva das árvores água dos rios lama das sarjetas
e comeriam tua carne que não ofereces.
carne de elefante néctar de bonina alma de passarinho.
a estrela pousou – sombra de sonho – em seu ombro
– venho do céu. vi o mundo nascer. sou como tu
eterna.
sou a mais antiga das estrelas de todas as estrelas.
dou-te todo o meu brilho se disseres
porque ris tanto se és tão triste assim.


– ora. vamos dançar.

e saiu para o palco dançando e cantando.
ninguém viu a lágrima que lhe molhou os olhos
ocultos.

palhaço.
flor-de-lis onde bimbalham chocalhos.
inocência e maldade água e sangue
azul e preto
lama e sapo.
ri palhaço que ansiamos por te ver no picadeiro
árvore estranha esquisita flor
não sabemos de que país ou de que planeta.
de onde vens palhaço? quê nos queres dizer?
fala que te espiamos cientista da vida.
tu gargalhas no palco o que choramos na vida.
embora te odiemos te amamos
pois te pareces com o menino que somos
e com o inferno que não deixamos de ser.
poeta de risos e de cabriolas
diametralmente opostas
teus trejeitos são a mais perfeita rima
que já encontrei para os poemas
que não escreverei.
somos crianças palhaço diante de ti
sou criança que não aprendi ainda
o que é o belo e o feio
o pranto e a galhofa.
o que é ser e o que é não ser.
pois tu és homem palhaço tu és homem.
clown desengraçado
 

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

29.03.2015 - A boa poesia

27.03.2015 - WOODSTOK

23.03.2015 - POR QUE KAFKA ESCREVIA EM ALEMÃO?

22.03.2015 - A estrada

19.03.2015 - Ezra Pound

18.03.2015 - A terra desolada

18.03.2015 - A Pantera

12.03.2015 - COMO CONHECI A SBB

12.03.2015 - TEATRO AMAZONAS

10.03.2015 - REZE PELO BRASIL RATANASUTTAM

10.03.2015 - PESSOAS IMPORTANTES NA SBB

08.03.2015 - FATOS E LEMBRANÇAS VAGAS

06.03.2015 - RETRATO DO VIRTUOSE

06.03.2015 - A NOITE CHUVOSA

05.03.2015 - COMO COMEÇOU O RETIRO DE SANTA TERESA NO RIO

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

29.03.2015 - A boa poesia

A boa poesia

28.03.2015 - História de Rosa Branca e Rosa Vermelha

Conto de fadas

28.03.2015 - A tragédia que poderia ser evitada

Era evidente que

27.03.2015 - WOODSTOK

À noite, no meu quarto, leio poema de James Hopkins.

24.03.2015 - EU ANDO ESCREVENDO: poema de Jefferson Bessa

poesia

24.03.2015 - Poemas de Herberto Helder (1930-2015)

Amo devagar os amigos que são tristes

24.03.2015 - Os autores esquecidos e outras reflexões sobre literatura brasileira

Exite alguém que

24.03.2015 - Os autores esquecidos e outras reflexões sobre literatura brasileira

Exite alguém que

23.03.2015 - POR QUE KAFKA ESCREVIA EM ALEMÃO?

Antes, em outro lugar, disse ela que Kafka foi o primeiro que “pôs em crise a família, o casamento, o trabalho”.

23.03.2015 - CONFISSÕES DE UM JUIZ

Convidado para prefaciar o livro, destaquei naquela oportunidade, entre outros aspectos, o belo e pungente perfil por ele traçado de sua saudosa mãe

23.03.2015 - NEUZA MACHADO - DO PENSAMENTO CONTÍNUO À TRANSCENDÊNCIA FORMAL

NEUZA MACHADO - DO PENSAMENTO CONTÍNUO À TRANSCENDÊNCIA FORMAL

22.03.2015 - O que é pobre e o que é minoria? Ainda as cotas.

Durante todo o século XX o nome “trabalhador”, em geral visto como pobre, saiu da condição subalterna e até mal vista para a condição de qualificativo salvador.

22.03.2015 - Coco cheio de sangue

Inventar avalistas para autenticar a procedência de fatos fantásticos é uma tática antiga

22.03.2015 - Tudo por causa de uma vírgula

A pontuação é tremendamente importante para quem escreve e para quem lê, e um texto mal pontuado pode efectivamente levar-nos a compreender algo muito diferente daquilo que o autor queria transmitir.

22.03.2015 - A estrada

Na estrada sinuosa o verde das montanhas coloca uma barreira horizontal.

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br