Dilson Lages Monteiro Quinta-feira, 30 de março de 2017
CRÔNICA DE SEMPRE - ROGEL SAMUEL
Rogel Samuel (atualização diária)
Tamanho da letra A +A

APARIÇÃO DO CLOWN DE L. RUAS 2

 

 


APARIÇÃO DO CLOWN DE L. RUAS

http://aparicaodoclown.blogspot.com.br/

 
que fazes no trapézio longínquo.
palhaço. quem já viu tua face
tua única face?
aquela que não é partida
aquela que não é pintada?
quem já beijou tua boca verdadeira?
as bailarinas beijam a boca mentirosa
a que canta a que ri a que chora
mas ninguém beijará o teu silêncio.
e tuas mãos palhaço e tuas mãos rosa
tuas mãos disfarce que nos enganam e alegram.
a bailarina lhe disse chorando – eu te amo.
ele riu. palmas. a cortina cerrou-se.
e se vestiu de nobre e deu esmola
para encobrir com seda e ouro o adultério.
palhaço. ri teu riso e oferece-nos teu almoço.
dá-nos o ridículo banquete onde comemos
rosas e suspiros e sorrisos.
e deixa-nos sonhar depois e depois chorar
tudo aquilo que não nos revelaste
a flor ainda em botão
não desabrochada não vituperada.
ninguém te vaia palhaço
todos riem somente da face mentirosa
da escandalosa face que nos ofereces
dizendo que é vinho.

todos beberiam porém teu sangue
seiva das árvores água dos rios lama das sarjetas
e comeriam tua carne que não ofereces.
carne de elefante néctar de bonina alma de passarinho.
a estrela pousou – sombra de sonho – em seu ombro
– venho do céu. vi o mundo nascer. sou como tu
eterna.
sou a mais antiga das estrelas de todas as estrelas.
dou-te todo o meu brilho se disseres
porque ris tanto se és tão triste assim.


– ora. vamos dançar.

e saiu para o palco dançando e cantando.
ninguém viu a lágrima que lhe molhou os olhos
ocultos.

palhaço.
flor-de-lis onde bimbalham chocalhos.
inocência e maldade água e sangue
azul e preto
lama e sapo.
ri palhaço que ansiamos por te ver no picadeiro
árvore estranha esquisita flor
não sabemos de que país ou de que planeta.
de onde vens palhaço? quê nos queres dizer?
fala que te espiamos cientista da vida.
tu gargalhas no palco o que choramos na vida.
embora te odiemos te amamos
pois te pareces com o menino que somos
e com o inferno que não deixamos de ser.
poeta de risos e de cabriolas
diametralmente opostas
teus trejeitos são a mais perfeita rima
que já encontrei para os poemas
que não escreverei.
somos crianças palhaço diante de ti
sou criança que não aprendi ainda
o que é o belo e o feio
o pranto e a galhofa.
o que é ser e o que é não ser.
pois tu és homem palhaço tu és homem.
clown desengraçado
 

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

30.03.2017 - Depois de procelosa tempestade

29.03.2017 - CELSO FURTADO

17.03.2017 - BANDEIRAS DE FERRO

16.03.2017 - A ELIZETH

15.03.2017 - A APARIÇÃO NA ALAMEDA DE MALLARMÉ

15.03.2017 - A APARIÇÃO NA ALAMEDA DE MALLARMÉ

14.03.2017 - A água canta

13.03.2017 - Ojos de perro azul

11.03.2017 - ESCREVER

10.03.2017 - A beleza pesa como a morte

08.03.2017 - AS MULHERES

08.03.2017 - O PAPEL DA MULHER NA ESPIRITUALIDADE

06.03.2017 - O PLANTADOR DE NAUS A HAVER

05.03.2017 - OS SONHOS COMO PRINCÍPIO DAS ESPERANÇAS ÀS VEZES PERDIDAS

04.03.2017 - E SOMENTE A NOITE COMPREENDIA AS SUAS PALAVRAS

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

30.03.2017 - Depois de procelosa tempestade

Depois de procelosa tempestade

29.03.2017 - CELSO FURTADO

CELSO FURTADO

28.03.2017 - A peleja entre Deus e o diabo nos sertões do Piauhy

Uma incursão à antiga Vila do Mocha

28.03.2017 - Anti-homenagem

Hoje eu anti-homenageio o Governador do Rio de Janeiro, Sr. Pezão

28.03.2017 - VOLTO AO ASSUNTO: A CRIMINALIDADE BRASILEIRA

É um truísmo

27.03.2017 - Agrônomo Francisco Parentes

O acadêmico Reginaldo Miranda reconstitui a trajetória do pioneiro da agronomia no Piauí e fundador do Estabelecimento Rural São Pedro de Alcântara.

27.03.2017 - Guardem as cinzas - Esta é a novela de Andrea Ferraz

Uma novela na linhagem das tragédias gregas e universais

23.03.2017 - Antenor Rêgo e seu dicionário de “Piauiês”

Em seu Dicionário do Piauí – a língua piauiense, de 160 páginas, estão catalogados em forma de verbetes, conforme consta na capa, o linguajar, as expressões, as sabenças, os falares, os costumes e as curiosidades de nosso povo.

22.03.2017 - AVIDEZ PELO DINHEIRO, FALTA DE ÉTICA E SOLUÇÕES VIÁVEIS PARA O BRASIL

Tudo que se fez para desmoralizar a imagem do Brasil tem uma origem comum

20.03.2017 - A PEDRO COSTA

Dizem que ninguém é insubstituível. Tal premissa terá uma chance de se provar verdadeira, a partir de agora, com a partida prematura e inesperada de Pedro Costa, em relação aos seus empreendimentos, sonhos, anseios e desejos

19.03.2017 - Poema de Heinrich Heine

poesia

18.03.2017 - Anísio Brito

O acadêmico Reginaldo Miranda traça o perfil biográfico de um professor e historiador piauiense.

18.03.2017 - José Antonio Reguffe

A mídia pouco fala desse homem de comportamento exemplar entre os políticos!

17.03.2017 - BANDEIRAS DE FERRO

Somos todos devedores dos ares que vêm de lá

16.03.2017 - A ELIZETH

Recebo um presente rico.

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br