Dilson Lages Monteiro Segunda-feira, 29 de maio de 2017
CRÔNICA DE SEMPRE - ROGEL SAMUEL
Rogel Samuel (atualização diária)
Tamanho da letra A +A

OS PILARES

 

 
 
Rogel Samuel
 
 
Um dia me perguntou a amiga se eu gostava de Heiddeger. Imediatamente não pude responder. Mas muito refleti. Porque Heiddeger fez parte dos pilares da formação de minha geração: aquela que se formou no torvelinho do governo militar, na época de João Goulart e no movimento estudantil de 68, etc.
 
Um pouco antes, todos liam Sartre, talvez sem a intensidade necessária para a formação intelectual. Sartre representava o pensamento de vanguarda, a mescla de marxismo e fenomenologia, ou existencialismo.
 
Depois, veio aquela época de Marcuse, Althusser, Lukacs. No Brasil autores de moda. Formadores de cabeça. E mais. Apareceram Gattari, Deleuse.
 
Quando estávamos fazendo pós-graduação, passamos a buscar os autores radicais: Hegel, Marx, Freud, Nietsche, Wittgenstein. Posso dizer que passamos uma década lendo esses pilares em que se sustaram, durante muito tempo, os elos do nosso edifício intelectual.
 
E Heiddeger.
 
Posso dizer que começamos com Heiddeger e Wittgenstein.
 
Naquela época, em que Marx era um paradoxo pouco conhecido (afinal até então poucos tinham dominado «O capital»), era muito chic citar Heiddeger, mesmo porque ele era aceito pelo pensamento dominante da Direita, e tinha umas perfumarias de jogos de palavra incompreensíveis que aformoseavam qualquer texto.
 
Mas Heiddeger não é bem assim só isso.
 
Ele é um grande poeta, antes de tudo.
 
Ou melhor, Heiddeger repensou a Metafísica Ocidental como somente muito poucos puderam fazer (ou talvez só ele o fez). Seu pensamento era nitidamente alemão, é claro. Radicalmente alemão. Passava muito pouco longe do nazismo, todos sabem disso (principalmente certas referências ao termo «destino», ao uso do termo «jogar» etc). Mas não se pode negar-lhe a profundeza poética dos limites do seu pensar.
 
Se era nazista pouco importa para nós hoje. Naquele tempo ali todos eram.
 
Martin Heidegger  nasceu em 1889 e morreu em 1976. Um dos maiores pensadores de sua época. Foi também vítima do nazismo. Sua obra cobre a vastidão da história da filosofia, desde os gregos até Nietzsche. Envereda pelos caminhos perdidos do Zen-budismo. Mergulha nas origens obscuras da poesia e da arte, tendo escrito sobre isso textos fundamentais.
 
«O pensamento de Heidegger é o esforço de nos reconduzir ao País das Maravilhas, onde o movimento de pensar é tão concentrado na identidade de si mesmo que colhe os limites de nossos hábitos de pensar e possibilidades de dizer nas próprias raízes de sua limitação. É, então, que se faz silêncio no país do Pensamento. Pois o silêncio é a Linguagem no movimento consumado do repouso, que já ultrapassou toda discursividade da língua.» escreveu E. Carneiro Leão (Aprendendo a Pensar, 1977. pg 149).
 
Fui aluno de Carneiro Leão.
 
Pouco antes de morrer, Heiddeger deu uma entrevista radiofônica em que disse que somente dois filósofos atingiram o significado do seu pensamento: um foi Carneiro Leão.

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

26.05.2017 - ROGEL SAMUEL: TEORIA DA CRISE

26.05.2017 - O RIO NEGRO

25.05.2017 - EM BUSCA DA POÉTICA DE J. G. DE ARAÚJO JORGE

24.05.2017 - O dia em que saí no Ibrahim Sued

23.05.2017 - UM AMIGO DE INFÂNCIA

22.05.2017 - O PRIMEIRO TURNO DA PRIMAVERA

21.05.2017 - A VISÃO DO MAR

13.05.2017 - Dias das mães

12.05.2017 - Morre o crítico literário Antônio Cândido

10.05.2017 - MONÓLOGO DE UMA SOMBRA

09.05.2017 - E SOMENTE A NOITE COMPREENDIA AS SUAS PALAVRAS

01.05.2017 - OS PILARES

30.04.2017 - A Carta-RenúnciaA Carta-Renúncia

26.04.2017 - O manto de diamantes das estrelas

23.04.2017 - A retrospectiva das horas

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

28.05.2017 - Incursão à Fazenda Bom Gosto (Século XVIII)

Incursão à Fazenda Bom Gosto (Século XVIII)

28.05.2017 - Versos de Moradora no Harém

Poetisa Amante

28.05.2017 - Palmas para o Tocantins

O autor discorre sobre participação piauiense na Feira Literária Internacional do Tocantins (FLIT), realizada em julho de 2011.

27.05.2017 - A questão da pós-verdade e suas consquências danosas à ética individual e coletiva do mundo globalizado.

O tema escolhido

27.05.2017 - Feitosa, dos Inhamuns

O acadêmico Reginaldo Miranda analisa a obra genealógica do escritor Aécio Feitosa, que escreve sobre a importante família Feitosa, dos Inhamuns.

26.05.2017 - ROGEL SAMUEL: TEORIA DA CRISE

ROGEL SAMUEL: TEORIA DA CRISE

26.05.2017 - POEMA 'ÁGUA FRIA'

poesia

26.05.2017 - O RIO NEGRO

O RIO NEGRO

25.05.2017 - Teresina

O acadêmico Reginaldo Miranda escreve sobre a cidade de Teresina, capital do Piauí, por ocasião da outorga da Comenda Conselheiro Saraiva.

25.05.2017 - A enigmática Etrúria

Desprezada por muitos leitores, a Arqueologia é uma Ciência que vale a pena ser estudada pelos leigos, pois se revela muito interessante.

25.05.2017 - EM BUSCA DA POÉTICA DE J. G. DE ARAÚJO JORGE

EM BUSCA DA POÉTICA DE J. G. DE ARAÚJO JORGE

24.05.2017 - O dia em que saí no Ibrahim Sued

Era a sexta-feira do dia 17 de maio de 1985

23.05.2017 - UM AMIGO DE INFÂNCIA

No dia seguinte ao da mudança para a nossa pequena casa dos Campos, em Parnaíba, em 1896, toda ela cheirando ainda a cal

23.05.2017 - Fraternidade Espiritualista Universalista

Em pleno cerrado de Goiás...

22.05.2017 - Um livro infantil de Irá Rodrigues

A literatura infantil é parte importante de nossa cultura, pois devemos estimular nossas crianças ao saudável hábito da leitura.

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br