Dilson Lages Monteiro Segunda-feira, 26 de junho de 2017
CRÔNICA DE SEMPRE - ROGEL SAMUEL
Rogel Samuel (atualização diária)
Tamanho da letra A +A

A MÁSCARA DE CRISTO

 

 
 
 
 
           ROGEL SAMUEL
 
            Era a máscara de Cristo.
            Não sofredora, no Gólgota.
            Mas bela, altiva e majestosa face de Cristo.
            Morava na Praça Tiradentes, no Rio de Janeiro, entre prostitutas, michês, ladrões, travecos e policiais.
            Eu o assistia, todos os dias.
            Sempre ali estava, em qualquer canto.
            Às vezes via-o caminhando para algum lugar, do nada para nenhum lugar.
            Sem saber, sem olhar,  se movia. Flutuasse.
            Era belo, figura do Cristo de Fra Angelico.
            Quando andava um rastro fétido no ar. Mistura de sujeira, fezes, suor e urina ressecada.
            Impossível saber se era moreno como um palestino, ou se pintado de sujeira, cinza e fuligem sedimentada na pele escamosa.
            Cabelos barbas sujos, longos.
            Nos olhos escuros profundidade e loucura mística.
            Vestia calças sobrepostas, camisas de mangas muito compridas, farrapos, tinha pudor do corpo escondido.
            E eu o alimentava diariamente.
            Não aceitava dinheiro.
            Quando se lhe dava dinheiro, aquilo permanecia lá, sem valia, sem valor, sem serventia, abandonado, o vento espapalhava pelo chão.
            Bebia? Nunca pude saber.
            Quando lhe trazia comida, estendia ele ambas as trêmulas mãos, grunhia algo em desconhecida linguagem, talvez uma língua arcaica, aramaico.
            Mas de alguma forma me olhava com amizade.
            O que eu sempre desejei era sentar-me ali, com ele, conversar, partilhar de sua companhia.
            Mas nunca tive coragem, como em outra época fiz com menino de rua, que levei para casa. Agora os tempos eram outros. A Praça tinha grande movimento, principalmente agora, cercada pela grade que a protege de nós, pedestres.
            E todos os dias, quando passava para almoçar na Cooperativa dos Vegetarianos da Rua Pedro I, dava eu uma volta para vê-lo, e para que me visse. Era um pacto, entre nós.
            Outras vezes voltara eu para ver se ele já tinha almoçado.
           
 
           Na última vez que o vi estava transtornado.
            Era a máscara da morte, pálido.
            Devia ter sido agredido por uma matilha de cães.
            As roupas em frangalhos, deixava aparecer o corpo sangrando e ferido de estocadas.
            A cabeça e testa rasgada, unhada.
            Parecia mortalmente doente e se via que voltava apenas para a última ceia.
            Nada comeu.
            A marmita permaneceu no chão, ao lado, onde a coloquei.
            Súbito um relâmpago quebrou o céu por cima de nós em grandes estilhaços como se rasgasse uma cortina de um ser de vidro gigantesco e o abrisse de par em par.
            Abri o guarda-chuva.
            As pessoas começaram a correr, aflitas, fugindo da chuva.
           
           Então Ele se levantou.
            Irradiava luz.
            E, levantado, começou a andar, lento.
            A chuva escorria por suas vestes.
            Andava devagar, muito devagar, sob a chuva.
            No meio da praça, voltou-se para mim e, pela primeira vez, se despediu com um gesto de mão. E eu pude ver a ferida na palma de sua mão.
            Desapareceu para sempre na esquina.
            Chovia mansamente.

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

25.06.2017 - A DIMENSÃO DO MAR

24.06.2017 - Encontro com Sophia de Mello Breyner

20.06.2017 - ROGEL SAMUEL: BREVE MANUAL DE DIDÁTICA GERAL

15.06.2017 - DOCES FANTASMAS

13.06.2017 - Da arte do sol

11.06.2017 - Considerações Vãs

09.06.2017 - Mais Biarritz

05.06.2017 - UM SÁBADO

04.06.2017 - A Pátria de Bilac

02.06.2017 - VIEIRA

01.06.2017 - E se não for crise financeira?

26.05.2017 - ROGEL SAMUEL: TEORIA DA CRISE

26.05.2017 - O RIO NEGRO

25.05.2017 - EM BUSCA DA POÉTICA DE J. G. DE ARAÚJO JORGE

24.05.2017 - O dia em que saí no Ibrahim Sued

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

25.06.2017 - Histórias de Évora em dois bilhetes internéticos

vc me fez reviver um passado bem parecido, cheio de brincadeiras, namoricos, cachaçadas, festas, incursões aos saudosos lupanares e demais entretenimentos de nossos tempos de antanho.

25.06.2017 - A DIMENSÃO DO MAR

A DIMENSÃO DO MAR

24.06.2017 - Encontro com Sophia de Mello Breyner

Encontro com Sophia de Mello Breyner

23.06.2017 - ONDE LOCALIZAR A CRISE BRASILEIRA?

Fala-se, em toda

21.06.2017 - Uma tarde na Fazenda Não me Deixes

Uma tarde na Fazenda Não me Deixes

20.06.2017 - ROGEL SAMUEL: BREVE MANUAL DE DIDÁTICA GERAL

Por que a didática geral?

19.06.2017 - Vozes da ribanceira

O autor escreve sobre o romance Vozes da ribanceira, do acadêmico Oton Lustosa.

19.06.2017 - Psycho Pass episódio 6: Akane confronta a crueldade humana

Prosseguindo a guia de episódios do seriado de ficção científica "Psycho Pass" chegamos ao chocante sexto episódio, onde Akane enfrenta uma esquartejadora.

19.06.2017 - Lançamento em Parnaíba de Histórias de Évora e A Menina do Bico de Ouro

O SESC convida para o lançamento de Histórias de Évora e A Menina do Bico de Ouro em Parnaíba

18.06.2017 - A REGRA E AS EXCEÇÕES

Alguém, de forma

16.06.2017 - Cruzando os Mares

A Bordo de um Cargueiro

16.06.2017 - Ariano e a estética do Não Foi Bem Assim

Essas coisas são inventadas por heróis picarescos, gente que para fugir da fome tem que remar o dia todo, a vida inteira.

16.06.2017 - Livros e raparigas

Um dia destes, em conversa com a mulher de um jornalista, escritor e (grande) tradutor brasileiro, falávamos de Os Desastres de Sofia e da famosa colecção Biblioteca das Raparigas

16.06.2017 - A gênese de nossa criação literária

A base de nossa criação literária fundamenta-se, portanto, na tentativa de fundir memória, imagem e sensação.

15.06.2017 - HOJE É CORPUS CHRISTI, SIM, SENHOR

Muita gente

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br