Dilson Lages Monteiro Terça-feira, 28 de fevereiro de 2017
CRÔNICA DE SEMPRE - ROGEL SAMUEL
Rogel Samuel (atualização diária)
Tamanho da letra A +A

O sol do verão

 
 O sol do verão
 
Rogel Samuel
 
O sol, o verão. O brilho intenso, os ares claros, as nuvens raras. No Rio é tempo de amar.
            Lembro-me de crônica de Rubem Braga, sobre o começo do verão.
            Um dia - e não sei se já contei - estávamos na biblioteca da Faculdade que na época era a FNFi, ou Faculdade Nacional de Filosofia da Universidade do Brasil. Ficava onde hoje está a Academia de Letras.
            Era manhã cedo.
            Entra um bêbado.
Um homem em desalinho, mas bem vestido.
Grita:
            - Tem meus livros aí?
            Ivete, a diretora da biblioteca, manda chamar os funcionários para que ponham para fora o intruso.
            Mas não deixamos e ele se reuniu conosco.
            Era Rubem Braga.
            Tinha acabado de ser embaixador, ou coisa assim.
            Não disse quem era, mas nos contou sua vida (com detalhes indiscretos que não devo contar).
Escreveu um poema para minha amiga Maria Alice (será que ela ainda o guarda? - vou perguntar).
            Falou de literatura, poesia, vida. De Copacabana.
            Narrou suas mágoas.
Braga é um dos maiores escritores do país.
Seu texto, comparável a Clarice, a Machado, a Francisco Manuel de Melo.
Dom Francisco Manuel de Melo (1608-1666) é autor da CARTA DE GUIA DOS CASADOS, escrita na prisão, que fala 'do amor e da obediência'.
Diz Manuel de Melo: 'Não sou já mancebo. Criei-me em cortes; andei por esse mundo; atentava para as coisas; guardava-as na memória. Vi, li, ouvi."
O texto seco, sem adjetivos, direto e elegante. Como eu gosto.
' Estes serão os textos, estes os livros que citarei a V. Mercê, neste papel; onde, juntas algumas histórias que me forem lembrando, pode muito bem ser não sejam agora menos úteis que essa máquina de gregos e romanos, de que os que chamamos doutos, para cada coisa nos fazem prato, que às vezes nos enfastia'.
Mas meu assunto é o sol.
O o sol do verão me alucina.
            E de Braga a D. Francisco Manuel de Melo passei.
Precisamos aprender a escrita com D. Francisco. E a bem casar.
Minha amiga X me critica. Diz que a minha linguagem é telegráfica.
Sim. É. Corto mais do que introduzo palavras.
Meu ideal é escrever uma crônica de uma única linha.

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

27.02.2017 - O sol do verão

26.02.2017 - SOBRE O ECLIPSE SOLAR

25.02.2017 - OH, ABRE ALAS, PARA O CARNAVAL ...

23.02.2017 - OS MISTÉRIOS DE UNS VERSOS

22.02.2017 - A DANÇA DE BEETHOVEN

20.02.2017 - A PRIMEIRA ESTROFE DE 'LE BATEAU IVRE'

19.02.2017 - CASA ABANDONADA

18.02.2017 - As vozes narrativas

17.02.2017 - O PIANO, A TARDE

15.02.2017 - ENTREVISTA DE R. SAMUEL A LUIZ ALBERTO MACHADO

15.02.2017 - CONCEIÇÃO

14.02.2017 - Solveig von Schoultz, 1907-1996, Finlândia

12.02.2017 - NATUREZA MORTA

11.02.2017 - porta calada

09.02.2017 - UNIVERSOS PARALELOS - CRÔNICA ANTIGA

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

27.02.2017 - O sol do verão

O sol do verão

27.02.2017 - MENINA NEGRA DA ADOÇÃO

046

26.02.2017 - Carta à Tribuna da Imprensa, 22/7/1998

O que o passado pode ensinar...

26.02.2017 - SOBRE O ECLIPSE SOLAR

SOBRE O ECLIPSE SOLAR

25.02.2017 - SEM DOURAR A PÍLULA

Se dirijo a min ha atenção

25.02.2017 - OH, ABRE ALAS, PARA O CARNAVAL ...

OH, ABRE ALAS, PARA O CARNAVAL ...

23.02.2017 - Pensando o Piauí

O autor apresenta o livro Rodoanel, do intelectual piauiense Magno Pires.

23.02.2017 - OS MISTÉRIOS DE UNS VERSOS

OS MISTÉRIOS DE UNS VERSOS

22.02.2017 - A DANÇA DE BEETHOVEN

A DANÇA DE BEETHOVEN

22.02.2017 - LEÃO ENJAULADO

Após as oitenta primaveras, ficou bastante decrépito, e a saúde já não lhe permitia as libações etílicas, como costumava dizer o popular Pacamão

21.02.2017 - O PRÍNCIPE - PARTE FINAL

O final da história de um dos mais importantes matemáticos da ciência.

20.02.2017 - A PRIMEIRA ESTROFE DE 'LE BATEAU IVRE'

A PRIMEIRA ESTROFE DE 'LE BATEAU IVRE'

19.02.2017 - CASA ABANDONADA

CASA ABANDONADA

18.02.2017 - As vozes narrativas

As vozes narrativas

18.02.2017 - As memórias de Cunha e Silva Filho

Um amigo que tem muitas coisas a contar relata fatos de sua vida.

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br