Dilson Lages Monteiro Domingo, 20 de abril de 2014
CANTA-ARES - BRÁULIO TAVARES
Bráulio Tavares
Tamanho da letra A +A

José Wilker

José Wilker

(A última foto dele)

[Bráulio Tavares]

Minha primeira imagem de José Wilker é ainda uma das mais fortes: o Tiradentes que ele (então um ator jovem e desconhecido) interpretou no filme Os Inconfidentes de Joaquim Pedro, em 1971.  Um Tiradentes sem barba, intenso, vibrante. O filme é um dos melhores filmes políticos daqueles anos difíceis, e isto ajudou a marcar na memória a presença do ator.  Depois vieram papéis clássicos, de grande sucesso, em O Homem da Capa Preta (um Tenório Cavalcanti rude, irascível, imprevisível) , Dona Flor e seus dois maridos (Vadinho das candongas, o malandro arquetípico, e nu ainda por cima), além das novelas que o consagraram, como Roque Santeiro, que juntamente com Vadinho deve ser seu personagem mais famoso, o que mais ficou na memória do público. Acho que meu preferido é o Lorde Cigano do Bye bye Brasil de Cacá Diegues: sardônico, espertalhão, naïf, mambembe, imperturbável, é um dos grandes personagens picarescos do nosso cinema.
Wilker era um ator cerebral, uma explosão contida em cada segundo de gestos precisos, voz cortante, esgares impagáveis.  O excesso de exposição na TV o fez, a partir de certa altura da carreira, recorrer ao piloto automático que acabou sendo a salvação-da-lavoura de tantos atores talentosos de sua geração. Não é fácil um ator de verdade, com densa formação teatral, trocar frases com rapazes e moças cujo talento mal dá para um comercial enaltecendo a fórmula de um dentifrício. A TV brasileira é um pouco como o filme de FC norte-americano, um recorde de desperdício de dinheiro e de talento por minuto gravado. Wilker fez personagens caricatos, com falas constrangedoras, mas ele gravava como quem não está nem aí.  Devia considerar o salário uma espécie de indenização por mau uso do seu tempo de vida, e às vezes parecia que estava fazendo um pastiche de John Malkovich para ganhar uma aposta contra meia dúzia de amigos. Por sorte, seu último papel marcante, em Gabriela (2012) trouxe de volta algo do sarcasmo e do ar sobranceiro que ele dominava tão bem.

Alguns atores dão a impressão, até pela idade avançada em morrem, de que encerraram suas carreiras de maneira feliz e honrosa.  Outros, mesmo com tudo que já fizeram, sempre nos dão a impressão de que o grande papel da sua vida pode muito bem surgir (como já surgiu para tantos) quando todo mundo já os encaminhava para o guichê da aposentadoria. Wilker, aos 66, morreu naquela idade em que poderia estar iniciando um terceiro estágio de sua vida útil; aquele, como já disse um ator, “em que a gente está cansado de fazer Hamlet e começa a considerar a possibilidade de fazer o Rei Lear”.

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

08.04.2014 - José Wilker

28.03.2014 - 1984 de Orwell

19.03.2014 - Nosso racismo

23.02.2014 - Autores meticulosos

16.02.2014 - Os começos de Lovecraft

02.02.2014 - O trabalho de editar

21.01.2014 - Tem livro que

06.01.2014 - Dick e a paranóia

29.12.2013 - Começos de livros

11.12.2013 - Saber ouvir

03.12.2013 - Manly Wade Wellman

25.11.2013 - Viva Millôr!

18.11.2013 - Mistérios do facebook

05.11.2013 - Meus erros de português

30.10.2013 - Black Blocs

Ver mais
Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Dílson Lages em entrevista para Rosaly Senra


Valdemir Miranda: Enlace de famílias


Listar todos
Livraria online
Últimas matérias

19.04.2014 - O IGARAPÉ DO INFERNO, 2

Zequinha, não. Não e não! Relações exclusivas: Maria Caxinauá e o bugre Paxiúba, o Mulo. Você ri? Ri?

19.04.2014 - Do futuro das cidades

Estamos já em plena distopia e piorando a cada dia.

18.04.2014 - O IGARAPÉ DO INFERNO, 1

– Vou contar. O quê? Você quer que eu continue? Não, não, meu menino, dos líquidos do corpo, o pus, a gosma, a saliva, o muco, as palavras ingratas

18.04.2014 - Fragamentos de hoje (ontem

A TV informa que Gabriel

17.04.2014 - GABRIEL GARCIAL MARQUEZ

GABRIEL GARCIAL MARQUEZ

17.04.2014 - PERSONALIDADES HOMENAGEADAS COM O "DIPLOMA DO MÉRITO CULTURAL COMBATENTES HERÓIS LAGOA DO JACARÉ"

PERSONALIDADES HOMENAGEADAS COM O "DIPLOMA DO MÉRITO CULTURAL COMBATENTES HERÓIS LAGOA DO JACARÉ"

17.04.2014 - VIAGEM

Passamos do Farol de Acaraú ainda dentro daquele porão e paramos em Amarração para largar um cadáver, o preso e dois passageiros cobertos de varíola.

16.04.2014 - O PALÁCIO

Lembro-me de que, naquele Igarapé do Inferno, mas logo mais abaixo na última linha que riscava o horizonte daquela tarde

16.04.2014 - SIGILISUTTAM - Discurso sobre Isigili

SIGILISUTTAM - Discurso sobre Isigili

16.04.2014 - EU, A CIDADE E O RIO PARNAÍBA

E também me trouxe muitas recordações, que ainda me trazem acridoces saudades. Muitas evoquei em meus “Tempos Ribeirenses”, em que narrei alguns fatos de minha vida profissional, literária e social, todos ligados à encantadora urbe.

15.04.2014 - No pub inglês, um fantasma

Gerente flagrou-o pela câmara de vídeo, que estava ligada quando a alma do outro mundo apareceu, no bar de 763 anos

15.04.2014 - Jean-Luc Godard

Um Einstein da arte de fazer filmes

15.04.2014 - HORA DA POESIA: poema de Jefferson Bessa

poesia

15.04.2014 - RESSURREIÇÃO

Páscoa - a data máxima da Cristandade

14.04.2014 - Erro de cálculo

Apresentamos um mini-conto gastronômico.

LABORATÓRIO DE REDAÇÃO PROF. DÍLSON LAGES
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br