Dilson Lages Monteiro Domingo, 02 de agosto de 2015
CANTA-ARES - BRÁULIO TAVARES
Bráulio Tavares
Tamanho da letra A +A

A virada do soneto

[Bráulio Tavares]

O soneto já foi um símbolo da poesia brasileira. Virou sinônimo de parnasianismo, bacharelismo vazio, salões de festa. O ícone da poesia engessada, vestindo sobrecasaca, cartola e pince-nez. No entanto, poetas de temperamento menos pomposo, como Manuel Bandeira, Drummond, Vinicius de Morais, Marcus Accioly, Glauco Mattoso, quebraram qualquer elo que pudesse existir entre a forma “soneto” e a temática ou inflexão parnasiana. Em todo caso, o soneto está muito longe de ser um modelo já esgotado. Brian Staveley (num artigo aqui: http://tinyurl.com/qzfom2m) lembra uma teoria interessante, e que tem certo fundamento.

Ele diz que o que caracteriza formalmente o soneto é ser composto de 14 versos, que podem vir dispostos em blocos de 4-4-3-3 linhas, no modelo italiano, ou 4-4-4-2, no modelo inglês. Mas o soneto tem um componente essencial, que é a virada (“the turn”). É uma mudança perceptível na narração, exposição, reflexão, que vinha sendo feita até então, uma virada que  leva o poema noutra direção. Segundo ele, no soneto italiano essa virada ocorre entre o oitavo e o nono versos; no inglês, entre o décimo-segundo e o décimo terceiro.

O artigo dá exemplos de bonitos sonetos de Edna St. Vincent Millay onde vemos o soneto ter um enunciado contínuo ao longo dos dois quartetos, e, ao passar para o primeiro terceto, mudar de ponto de vista, ou mudar para um segundo termo de comparação, mudar a enunciação vocal... Ocorre nesse ponto uma virada, de variada natureza, no que vinha sendo dito. E de fato no soneto inglês essa relação rítmica entre as estrofes faz com que as três quadras iniciais tenham um enunciado “A” e as duas linhas finais fornecerem o enunciado “B”. Não é uma regra geral: mas não é difícil achar exemplos, pois é um recurso frequente, uma maneira de evitar a monotonia pela repetição de estrutura.

Sem ser obrigatória, a “virada” é característica. Pegando a obra de um sonetista de primeiro time como Augusto dos Anjos, vemos essa dobrada-de-esquina bem clara em sonetos como “O Morcego” (em “Pego de um pau. Esforços faço...”), “Idealismo” (“Pois é mister que para o amor sagrado...”), “Soneto II ao pai” (“E saí para ver a natureza!”), “Versos íntimos” (“Toma um fósforo. Acende teu cigarro!”). São momentos em que o fluxo do poema nitidamente sofre um corte cinematográfico, vira uma esquina noutra direção. A divisão do soneto em quatro estrofes cria essa pausas artificiais (impostas pelo modelo) que podem se tornar pausas naturais, ou “quebras” naturais, que servem ao poeta como sinalizadores do momento melhor para a entrada de um novo elemento, uma nova idéia ou emoção.

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

18.07.2015 - A virada do soneto

05.06.2015 - Naquele tempo

01.05.2015 - Uns títulos

09.04.2015 - Conrad Veidt

22.03.2015 - Coco cheio de sangue

10.03.2015 - Racismo e literatura

17.02.2015 - Amor humor

24.01.2015 - "No sertão onde eu vivia"

12.01.2015 - Wolinski

02.01.2015 - Reescrever

15.12.2014 - O pai caçula

02.12.2014 - Na biblioteca

17.11.2014 - Ser antologista

01.11.2014 - O dono da tese

10.10.2014 - As vozes de Dickens

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

02.08.2015 - DIGRESSÕES SOBRE PRECONCEITO

A impressão que, já há algum tempo, temos a respeito de preconceito, é que ele terá o conceito que lhe queira dar ou atribuir a vítima ou o algoz.

31.07.2015 - Rogel Samuel: A árvore da gentileza

Rogel Samuel: A árvore da gentileza

29.07.2015 - Norberto Bobbio

Norberto Bobbio

29.07.2015 - A PANTERA 22 (ROGEL SAMUEL)

A PANTERA 22 (ROGEL SAMUEL)

29.07.2015 - IPANEMA

IPANEMA

27.07.2015 - GENEALOGIA, HISTÓRIA E ECOLOGIA EM ESPERANTINA

Advirto que se providências urgentes não forem tomadas a casa-grande, tombada pelo órgão do Patrimônio Histórico e Arquitetônico Estadual, irá literalmente tombar, como já caiu a casa solarenga da Fazenda da Limpeza

27.07.2015 - Animador, não é?

Nem tudo são flores na exploração espacial...

27.07.2015 - Calos curados

Vocês ainda não sabem, mas toda geração da Tranqueira têm seus personagens e por consequente suas estórias lendárias.

26.07.2015 - Amizades

Amizades

23.07.2015 - A PANTERA 21 (ROGEL SAMUEL)

A sua ausência criou um vazio muito grande no sítio.

23.07.2015 - Tradução do poema "The road not taken," de Robert Frost (1875-19630

Two roads diverged in a

22.07.2015 - A lição de Canudos, sempre atual

A lição de Canudos, sempre atual

22.07.2015 - Luxo das arábias

Luxo das arábias

21.07.2015 - Extremos que se tocam: política e violência no Brasil

Aviso aos leitores

21.07.2015 - DOS JOVENS GOLIARDOS - JORGE TUFIC

Que fim levara o sol dourando a espiga/ das manhãs argentinas de meus ombros?

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br