Dilson Lages Monteiro Sábado, 20 de dezembro de 2014
CANTA-ARES - BRÁULIO TAVARES
Bráulio Tavares
Tamanho da letra A +A

O pai caçula

O pai caçula

[Bráulio Tavares]

Participei de algumas mesas de debates sobre Ariano Suassuna, e nelas se tocou num assunto que me deixou intrigado.  Como qualquer pessoa deve perceber, essas palestras são como cantoria de viola, metade é balaio pronto, a outra é improvisação.  E quando vêm perguntas da platéia isso faz chispar às vezes uma faísca.  Surge num instante uma resposta boa, mas que não foi preparada, não foi dissecada em tudo quanto contém, foi apenas uma rápida associação de idéias, em função de um exemplo, ou algo casual, e a gente diz aquilo à medida que continua pensando.  Exatamente o que faz um cantador repentista, só que ele improvisa em verso, e eu improviso em prosa.

Conheço uma rapaziada no Rio de Janeiro que é fã de Ariano mas de Ariano só conhece o Auto da Compadecida filmado por Guel Arraes.  Essas pessoas viram a minissérie ou o filme, talvez leram o livro, provavelmente acabarão vendo-a um dia no teatro (levarão os filhos, quando os tiverem), mas sempre associaram João Grilo, Chicó e companhia àquele ancião de cabelos brancos e ralos, ternos brancos ou rubronegros, voz rouca, costas encurvadas. 

Quem escreveu a Compadecida, no entanto, foi um rapaz de 28 anos, como lembrou Carlos Newton Jr. num debate recente.  Em 1958, quando começou a escrever o Romance da Pedra do Reino (1971), Ariano já estava ganhando dinheiro com as montagens de suas peças.  A primeira vez que o vi falando ao vivo foi quando ele fez a Aula Magna da UFPB no Teatro Municipal de Campina Grande, em 1972.  Ariano, de terno, falava em pé, andando de um lado para o outro, inquieto.  Tinha uma energia incontível.  Estava com 45 anos.  Já vi na Internet alguns vídeos dele nessa época: cabelo bem preto, cortado curto, descuidado, terno escuro, gravata, a voz rápida, cortante.  O filme de Vladimir Carvalho O Homem de Areia tem um pequeno trecho de diálogo com Ariano mais ou menos por essa época.

Por que lembrei disso?  Talvez porque o próprio Ariano percebeu um dia que já era mais velho do que seu pai João, que morreu assassinado aos 44 anos.  Ariano escreveu um texto onde lembra o conceito de “pai caçula”, termo sugerido por Albert Camus, que parece ter vivido uma situação parecida.  O pai morre jovem, e resta jovem para sempre.  O filho paga a vida envelhecendo.  E no fim, é sempre um ancião avaliando à sua maneira os arroubos de um jovem.  Assim ele escreveu, no poema “Dístico”, dedicado ao pai: “Se morreu moço e em sangue, teve tempo / de governar seus pastos e rebanhos, / e a feiosa velhice / jamais o degradou. // Glória, portanto, à Morte e a suas garras, / pois, ao sagrá-lo, assim, da vida ao meio, / do Desprezo o salvou (...)”. 

Na foto, Ariano Suassuna jovem.

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

15.12.2014 - O pai caçula

02.12.2014 - Na biblioteca

17.11.2014 - Ser antologista

01.11.2014 - O dono da tese

10.10.2014 - As vozes de Dickens

21.09.2014 - Tempos interessantes

11.09.2014 - Guy de Maupassant

13.08.2014 - Um autor novo

03.08.2014 - Escrever para crianças

05.07.2014 - Literatura e biografia

27.06.2014 - Mistério do futebol

25.06.2014 - Ser soldado

19.06.2014 - De onde vêm as ideias

06.06.2014 - "Histórias da VelhaTotônia"

29.05.2014 - "Quarenta dias"

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


São Bernardo no olhar de Ricardo Ramos Filho


Listar todos
Últimas matérias

19.12.2014 - Brasília: a farra dos salários e o Natal dos neo-marajás

Quem me disser

18.12.2014 - BAQUAQUA

Que aqueles ‘indivíduos humanitários’ que são a favor da escravidão se coloquem no lugar do escravo no porão barulhento de um navio negreiro

18.12.2014 - NEUZA MACHADO: O FOGO DA LABAREDA DA SERPENTE

NEUZA MACHADO: O FOGO DA LABAREDA DA SERPENTE

18.12.2014 - CONFISSÕES DE UM JUIZ E OUTRAS (IN)CONFIDÊNCIAS

"Pois não é que, em poucos minutos, devorei mais de 20 páginas?"

18.12.2014 - A CATEDRAL

A CATEDRAL

16.12.2014 - Storytelling sugere Storyliving

A vida de cada um é uma estória sendo encenada

16.12.2014 - NOVA REIMPRESSÃO

NOVA REIMPRESSÃO

16.12.2014 - Rita Pavone: homenagem

Ela ainda está em atividade, com a mesma grandiosidade artística e humanista.

16.12.2014 - O DESERTO DA SOLIDÃO

O DESERTO DA SOLIDÃO

16.12.2014 - Tradução do poema

Beside the ungathered

15.12.2014 - Há um Davidson entre Rorty e Habermas.

Quatro perguntas, quatro afirmações e quatro histórias, mas um único Habermas.

15.12.2014 - Casos raros

A nossa literatura foi, ao longo de décadas, contida e envergonhada em matéria de sexo e corpo.

15.12.2014 - Um prefeito nunca erra

nem mesmo quando está errado...

15.12.2014 - O pai caçula

Quem escreveu a Compadecida, no entanto, foi um rapaz de 28 anos

15.12.2014 - A/em tempo, balé, carnê, carpete, tíquete

A palavra brasileira para o francês ballet é escrita balé, com acento agudo.

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br