Dilson Lages Monteiro Quinta-feira, 28 de maio de 2015
CANTA-ARES - BRÁULIO TAVARES
Bráulio Tavares
Tamanho da letra A +A

Uns títulos

Uns títulos

[Bráulio Tavares]

Ouvi falar de um cara cujo romance lhe veio à mente de vez, praticamente pronto, e ele passou a limpo o texto durante alguns dias insones. Como tinha que dar um nome ao arquivo onde estava salvando o texto, e ainda não tinha uma boa idéia, olhou de lado, viu um chiclete sobre a mesa, batizou o arquivo como “Trident”, e salvou. Daí em diante ficou usando esse nome, coisa e tal, e aquilo foi se integrando de tal maneira à obra que na hora depois da revisão final, hora de mandar para a editora, ele chegou à conclusão de que seu drama existencialista sobre a vulnerabilidade do Eu na sociedade pós-moderna iria mesmo se intitular Trident, não porque isto tivesse alguma relação com a narrativa, mas porque ele não conseguia mais pensar no livro com outro título senão aquele.

Damon Knight afirmou certa vez, comentando uns contos de Avram Davidson: “Uma das minhas muitas teorias a respeito de contos é que tanto os seus títulos quanto as suas primeiras linhas devem ser memoráveis, porque se não forem memoráveis eles não serão lembrados, e se não forem lembrados os contos não serão reeditados (porque ninguém vai conseguir encontrá-los).”  Knight considera que um dos títulos mais memoráveis das histórias de Davidson é “Meu Namorado Chama-se Jello” (“My Boy Friend’s Name is Jello”). Ele diz que, mesmo tendo lido a história várias vezes, não consegue mais lembrar o que ela conta. Mas o título grudou.

Davidson é autor de um conto ganhador do Prêmio Hugo sob o título de “Or All the Seas with Oysters” (“Ou Todos os Mares com Ostras”). É uma alusão a Conan Doyle, do conto “O detetive agonizante”, em que Sherlock Holmes, doente, delira diante do Dr. Watson e especula sobre os oceanos e a quantidade de ostras que há dentro deles: “Francamente, não consigo compreender por que todo o leito do oceano não é uma única massa compacta de ostras, tão prolíferas me parecem essas criaturas”.  O título de Davidson, aliás, tem pouco a ver com o conteúdo do conto, mas é dos mais inesquecíveis que existem.

Eu tenho uma inveja inofensiva e sincera dos caras que deram a suas histórias ou seus livros títulos como “Sagarana”, “O Homem que Era Quinta-feira”, “Mas Não se Mata Cavalo?”, “O Ganido dos Cães Chicoteados”, “O Carteiro Sempre Toca Duas Vezes”, “Estrelas em Meu Bolso Como Grãos de Areia”, “Cinquenta Anos Falando Sozinho”, “Um Faca Só Lâmina”, “O Acrobata Pede Desculpas e Cai”, “Porque Eu Toquei no Céu”, “O Amor nos Tempos do Cólera”, “Neuromancer”, “Todos os Fogos o Fogo”, “PanAmérica”, “Será que Andróides Sonham com Carneiros Elétricos?”, “Claro Enigma”, “O Desastronauta”, “Os Frutos Dourados do Sol”, “Dormindo nas Chamas”.

 

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

01.05.2015 - Uns títulos

09.04.2015 - Conrad Veidt

22.03.2015 - Coco cheio de sangue

10.03.2015 - Racismo e literatura

17.02.2015 - Amor humor

24.01.2015 - "No sertão onde eu vivia"

12.01.2015 - Wolinski

02.01.2015 - Reescrever

15.12.2014 - O pai caçula

02.12.2014 - Na biblioteca

17.11.2014 - Ser antologista

01.11.2014 - O dono da tese

10.10.2014 - As vozes de Dickens

21.09.2014 - Tempos interessantes

11.09.2014 - Guy de Maupassant

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

27.05.2015 - A PANTERA 5

A PANTERA 5

25.05.2015 - Asa de Corvo

Asa de Corvo

24.05.2015 - porta calada (rogel samuel)

porta calada (rogel samuel)

24.05.2015 - HOJE ME DERAM DE LEMBRANÇA: poema de Jefferson Bessa

POEMA

24.05.2015 - CELSO BARROS – TEMPO E MEMÓRIAS POLÍTICAS

Além de ter muito que contar, soube fazê-lo em diamantino e lapidar estilo, de frases elegantes, contudo concisas e claras, em que a beleza muitas vezes se reveste de genuína simplicidade.

24.05.2015 - No Ibrahim Sued

No Ibrahim Sued

24.05.2015 - Na mesma situação do velho Lima

Não sei se o leitor

23.05.2015 - Resenha para "O enigma do automóvel de prata" de Ronnie Wells (Jeronymo Monteiro)

Um dos grandes da ficção fantástica e de aventuras do Brasil, Jeronymo Monteiro deixou copiosa obra.

23.05.2015 - Variações em solo dum rio desta aldeia

Poema de Luiz Filho de OLiveira

23.05.2015 - Mundo em desajuste

É inegável o mérito da civilização ocidental que, mais do que qualquer outra, traçou sua trajetória num mundo de “certezas” e criou valores universais, mas se revelou absolutamente incapaz de transmiti-los

23.05.2015 - Eu, a poesia, o amor e a intrusa gramática

Quando escrevo, tirando a sofrida gramática, a poesia aparece.

22.05.2015 - Despertar paredes brancas (rogel samuel)

Retomar o fio da leitura interrompida

22.05.2015 - LUZ DE MAIO

Você conhece a luz dos dias de maio?

20.05.2015 - Entrevista com Regina Madeira

Entrevista publicada em 25 de abril de 2015 no Recanto das Letras, com a escritora fluminense Regina Madeira.

19.05.2015 - Terremoto de Nepal pone de Relieve los Peligros de las Represas en el Tíbet

El desarrollo hidroeléctrico en el Tíbet está cargado de enormes riesgos por el peligro de grandes terremotos.

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br