Dilson Lages Monteiro Sexta-feira, 25 de abril de 2014
CANTA-ARES - BRÁULIO TAVARES
Bráulio Tavares
Tamanho da letra A +A

Bilac e o Brasil

[Bráulio Tavares]

O Brasil se vê como uma cultura periférica em relação à Europa e EUA, assim como o Nordeste em relação ao Rio e São Paulo.  Existe o fervilhar endêmico de sentimentos nativistas, separatistas, rebeldes, etc., mas o fato deles terem alvo certo comprova a existência do fenômeno.  Isso é errado?  É feio?  É não, rapaz, é a vida.  Na cidade-de-esmeralda distante tudo parece maior, melhor, mais bonito e mais bem feito do que na cidade-de-taipa que nos rodeia. Ouvimos as músicas dela, lemos os livros, sonhamos em conhecê-la. Uns vão tentar a vida lá, alguns dão com os burros nágua, outros descobrem que o tesouro estava enterrado no pé do sicômoro onde cochilavam...  É a vida.
 
No ensaio O alexandrino Olavo Bilac (1965) Virginius da Gama e Melo passa um pente fino na obra do poeta da Via Láctea. Virginius (para quem não conhece, um dos grandes intelectuais boêmios que a Paraíba produziu), faz um passeio amplo pela métrica, rima e temática bilaqueana, e a certa altura toca num ponto interessante. Cadê o Brasil na obra de Bilac?
 
Parece uma pergunta ociosa. Por que diabos um poeta brasileiro é obrigado a escrever sobre o Brasil? A pergunta procede, contudo. Bilac defensor do serviço militar obrigatório, fez letra de hino, fez poema ufanista (“Ama com fé e orgulho a terra em que nasceste! / Criança, não verás país nenhum como este!”). Mas... Diz Virginius: “Basta a verificação dos seus temas principais, temas obtidos ora da mitologia e da história greco-romana, ora do cristianismo primitivo e medievo, além duma evidente inspiração francesa. Há numa visão panorâmica quase o levantamento total dos grandes episódios criadores e informadores dessa cultura latina (...)”.
 
Folhear os livros de Bilac é passear em Cartago, em Atenas, em Roma; é esbarrar em Xenócrates, em Frinéia, em Cleópatra.  Um épico como “O Caçador de Esmeraldas”, sobre Fernão Dias Paes Leme, é exceção, e mal se distingue do épico dedicado à Escola de Sagres (“Sagres”, que Ariano Suassuna, num ensaio notável, sugere ter influenciado o Mensagem de Fernando Pessoa, publicado pouco depois).  A inspiração de Bilac, diz Virginius, não lhe vinha da vida e sim da literatura: “Era ele, entretanto, pessoalmente, um patriota sincero, e muita fé no nacionalismo fez. Acontecia apenas que, de certo modo, passara sua sensibilidade a existir apenas literariamente. (...) O descritivo estereotipado de Bilac, as paisagens referidas nos seus elementos universal e historicamente comprovados, situam o poeta, nesse campo, numa categoria puramente intelectual, onde as imagens são produto do eruditismo, e não da sensibilidade”.
 

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

21.04.2014 - Bilac e o Brasil

08.04.2014 - José Wilker

28.03.2014 - 1984 de Orwell

19.03.2014 - Nosso racismo

23.02.2014 - Autores meticulosos

16.02.2014 - Os começos de Lovecraft

02.02.2014 - O trabalho de editar

21.01.2014 - Tem livro que

06.01.2014 - Dick e a paranóia

29.12.2013 - Começos de livros

11.12.2013 - Saber ouvir

03.12.2013 - Manly Wade Wellman

25.11.2013 - Viva Millôr!

18.11.2013 - Mistérios do facebook

05.11.2013 - Meus erros de português

Ver mais
Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Dílson Lages em entrevista para Rosaly Senra


Valdemir Miranda: Enlace de famílias


Listar todos
Livraria online
Últimas matérias

24.04.2014 - Gênio desmemoriado é identificado no sul da Itália

Julho de 2010: a reportagem sensacional - mas não sensacionalista - foi apresentada pelo Estadão, com informações da BBC/Brasil

24.04.2014 - BARRAS – TERRA DOS GOVERNADORES E DE POETAS E INTELECTUAIS

Assim, sem detrimento de nenhum outro município, podemos dizer que Barras não é somente a Terra dos Governadores, mas também de marechais, artistas, poetas e intelectuais.

23.04.2014 - Poema de Alberto Caeiro/ Fernando pessoa

poesia

23.04.2014 - Manaus: exibição do filme sobre o Conde Stradellii

Notícia do portal G1, de out. / 2013

23.04.2014 - Abril de 1970: Missão Apollo 13, Nasa

Drama espacial e tragédia evitada

23.04.2014 - O IGARAPÉ DO INFERNO, 5

adormecer e nada disse para o tio e para o irmão. Não. Mas voltou, no dia seguinte, apaixonado.

23.04.2014 - Diploma Mérito Cultural Combatentes da Lagoa do Jacaré

Homenageados pela Academia de Letras da Região de sete Cidades (ALRESC)

22.04.2014 - ESSAS MULHERES FORAM MORTAS PELO PRAZER DOUTROS SOLDADOS AMARELOS

Poema depois de ver o filme

22.04.2014 - Show, recente, do conjunto inglês The Shadows, remanescente do final dos anos 50 (1958)

26 minutos de apresentação instrumental, impecável

22.04.2014 - Obituário: aos 66 anos, Luciano do Valle (1947 - 2014)

Resumo biográfico apresentado pela revista Veja

22.04.2014 - AFP - México se despede de Gabriel García Márquez

Adeus, acenam os mexicanos, também, em tristíssima cerimônia

21.04.2014 - Por que há uma tatuagem naquela moça?

Schopenhauer e Pascal identificaram o “eu” como um vazio. Um buraco. Um poço sem fundo

21.04.2014 - A cruz crucial

A palavra crux, em latim, não se referia estritamente à cruz como a visualizamos hoje (dois toros transversais) e que se tornou o símbolo maior do cristianismo.

21.04.2014 - Bilac e o Brasil

O Brasil se vê como uma cultura periférica em relação à Europa e EUA, assim como o Nordeste em relação ao Rio e São Paulo. Existe o fervilhar endêmico de sentimentos nativistas, separatistas, rebeldes, etc.

21.04.2014 - Vírgula e adjuntos no início de frase

Conforme se esclareceu na coluna anterior, é bem possível deixar de separar por vírgula o adjunto adverbial de tempo, lugar e modo

LABORATÓRIO DE REDAÇÃO PROF. DÍLSON LAGES
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br