Dilson Lages Monteiro Segunda-feira, 01 de setembro de 2014
CANTA-ARES - BRÁULIO TAVARES
Bráulio Tavares
Tamanho da letra A +A

Um autor novo

Um autor novo

[Braúlio Tavares]

Descobrir um autor novo (novo pra mim, claro) me remoça. Mesmo quando eu já supervisionava o tráfego da literatura universal do alto dos meus vetustos 50-e-tantos anos, era extraordinário o quanto o mundo voltava a ficar grande quando eu fazia uma nova descoberta.  Às vezes era um autor de quem eu só conhecia o nome, vagas referências. Um dia, eu começava a folhear um volume na livraria, sem muito interesse, dava uma conferida no que vinha logo abaixo de “Capítulo 1”, e quando voltava a mim estava na página 35, sob os olhares suspicazes dos atendentes. Em casos assim, já me ocorreu ir no caixa, pagar, sair da livraria e continuar a leitura de pé, na calçada, por entre os transeuntes, figurantes involuntários da epifania.

Ou então o cara está lendo uma antologia, ou uma revista literária, vê 2 ou 3 poemas de um(a) desconhecido(a), lê, relê, entende, desentende, pergunta de novo, acaba constatando uma espécie de fenômeno. Vai ao Google, depois à Estante Virtual ou à Abebooks... Tá fisgado. O primeiro indício de estar fisgado é se flagrar tentando escrever parecido com a figura. “Pronto,” pensa o cara, “era só o que me faltava, ser influenciado por uma poetisa senegalesa que tem idade pra ser minha avó, ou minha neta, tanto faz.”

Muita gente, quando descobre um autor novo, vira propagandista. Xeroca texto, escaneia texto, compra livros na ponta-de-estoque e distribui entre os amigos, vira “cabo leitoral”. Vira tiete e militante de um autor falecido no século passado, ou de um novato que está publicando lá nas brenhas e que ninguém se interessa. Por que?  Talvez porque um autor novo é como um bar novo que a gente descobre. O bar é ótimo, mas a gente não quer ficar lá sozinho, ou entre desconhecidos indiferentes. Quer levar a turma de amigos para usufruto em comum.

Há também quem descubra e esconda. Eu já fiz isso. Descobri um novo contista de FC, ou um novo curtametragista polonês, ou uma nova poetisa sulamericana, e não falei pra ninguém, apaguei meus passos, não deixei vestígios de minhas repetidas peregrinações ao pé de suas páginas. Por que? Talvez pra não quebrar o encanto, não correr o risco de ouvir um dos meus gurus dizer: “Ah, conheço, sim... Mas já passei essa fase...” Eu descubro e escondo. Fico com a ilusão benigna de que só eu conheço, só eu gosto, só eu plagio em vão e depois queimo por saber que é plágio, mas no momento de copiar experimento o prazer vicário de todo ator que desdobra no palco uma grande cena e, enquanto joga pra fora aquelas palavras, tem a certeza íntima (por isso a cena é grande) de que tudo aquilo foi ele quem pensou, de que tudo aquilo acaba de ali nascer.

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

13.08.2014 - Um autor novo

03.08.2014 - Escrever para crianças

05.07.2014 - Literatura e biografia

27.06.2014 - Mistério do futebol

25.06.2014 - Ser soldado

19.06.2014 - De onde vêm as ideias

06.06.2014 - "Histórias da VelhaTotônia"

29.05.2014 - "Quarenta dias"

07.05.2014 - O nome do celular

21.04.2014 - Bilac e o Brasil

08.04.2014 - José Wilker

28.03.2014 - 1984 de Orwell

19.03.2014 - Nosso racismo

23.02.2014 - Autores meticulosos

16.02.2014 - Os começos de Lovecraft

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

São Bernardo no olhar de Ricardo Ramos Filho


(Dê)pois, poema de Dílson Lages


Listar todos
Últimas matérias

31.08.2014 - O propósito da literatura

O leitor gosta do que lhe é útil

30.08.2014 - Um poema de Omar Khayyam

poesia

26.08.2014 - O míope e a sopa

A miopia é uma deficiência? Leia esse texto!

26.08.2014 - Winston Roosevelt: um artista da escultura piauiense

Talvez desconhecido

26.08.2014 - Sessão de posse da Academia Falresc, em Teresina

Sessão de posse da Academia Falresc, em Teresina

25.08.2014 - A PANTERA 1

A PANTERA 1

25.08.2014 - Cinema, alimentação e Cultura Local

Festival Internacional em Pirenópolis/GO

24.08.2014 - Fragmentos ubíquos

A primeira notícia que me ocorre

23.08.2014 - O riso

Uma história da risada

23.08.2014 - A ILHA DO SONHO E DO ENCANTO

Nas rochas que emergiam do líquido elemento pousavam cândidas sereias, algumas metade peixes e outras metade pássaros, todas de voz maviosa e alucinante.

22.08.2014 - Eça paulista

Todos os estrangeiros que visitam o Brasil se esforçam por não falhar o Rio de Janeiro

22.08.2014 - As 7 maravilhas do mundo antigo

É cada maravilha maior do que a outra

22.08.2014 - SAUDADE, ESSE RIO JORRANDO CHAMAS

Poetizar um tema abstrato como saudade e lembrança parece cair no prosaico de todos os amantes.

22.08.2014 - O CAVALO DO APOCALIPSE

Leio o mágico poema de Farias de Carvalho (1930-1997)

20.08.2014 - Os Estados Unidos : seu povo e sua política externa

Deve-se distinuir a sociedade

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br