Dilson Lages Monteiro Quinta-feira, 02 de julho de 2015
CANTA-ARES - BRÁULIO TAVARES
Bráulio Tavares
Tamanho da letra A +A

Naquele tempo

{Bráulio Tavares]

(Ilustração: Peter Sis)

Naquele tempo, não havia roletas nos ônibus, e o cobrador vinha de banco em banco cobrando a passagem e entregando um ticket minúsculo que ele destacava de um talãozinho. Quando o ônibus estava cheio ele tinha que vir se espremendo entre as pessoas que estavam em pé, cobrando de cada uma.

Naquele tempo, coava-se o café com um coador de cabo de madeira com um círculo de metal que segurava um saco de pano. Depois, jogava-se o pó no lixo e lavava-se o saco de pano, que levava anos para ser trocado (dizia-se que “encorpava o gosto”).

Naquele tempo, se um homem e uma mulher se hospedavam juntos num hotel era preciso apresentar a certidão de casamento.

Naquele tempo, quem comprava um ingresso de cinema podia ver o filme quantas vezes quisesse, bastava não sair da sala de projeção.

Naquele tempo, as passagens aéreas eram no formato de um talão de cheque, com umas 8 ou 10 folhinhas impressas. Depois de emitida, quando se queria mudar a data era preciso ir pessoalmente na loja para que a moça colasse um papelzinho com a data nova sobre a anterior.

Naquele tempo, crianças brincavam com lança-perfume no carnaval, e todo mundo gostava daquele perfume que ardia gelado, e usava máscaras de plástico transparente e colorido para proteger os olhos, porque doía.

Naquele tempo, havia homens nas feiras que carregavam as compras das donas de casa em enormes balaios de vime, na cabeça, protegida pela metade de uma bola-de-futebol de couro com um pano enrolado dentro.

Naquele tempo, quando numa casa qualquer a televisão era ligada, à noite, as janelas ficavam cheias de pessoas que vinham espiar os programas, e eram chamados de “televizinhos”.

Naquele tempo, em dia de eleição, os homens acordavam bem cedo e vestiam seu melhor terno para ir votar.

Naquele tempo, na noite do reveillon, quando chegava a meia-noite desligava-se a eletricidade na cidade inteira durante um ou dois minutos, para assinalar a passagem do ano.

Naquele tempo, quando uma mulher aparecia numa arquibancada num estádio de futebol uma porção de gente vaiava e uma porção de gente aplaudia.

Naquele tempo, quando morria um colega nosso no colégio, nos dias seguintes todo mundo usava um pedaço de pano preto pregado na manga ou no bolso do uniforme.

Naquele tempo, quando uma criança arrancava um dente podia tomar todo o sorvete que quisesse, e quando estava doente ganhava maçãs e uvas verdes, que afora isto só se comia na noite de Natal.

Naquele tempo, quando havia festas nos clubes elegantes, onde a bebida era cara, os rapazes ficavam bebendo cachaça na praça em frente, e só entravam quando já estavam “puxando fogo” (como se dizia naquele tempo). 

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

05.06.2015 - Naquele tempo

01.05.2015 - Uns títulos

09.04.2015 - Conrad Veidt

22.03.2015 - Coco cheio de sangue

10.03.2015 - Racismo e literatura

17.02.2015 - Amor humor

24.01.2015 - "No sertão onde eu vivia"

12.01.2015 - Wolinski

02.01.2015 - Reescrever

15.12.2014 - O pai caçula

02.12.2014 - Na biblioteca

17.11.2014 - Ser antologista

01.11.2014 - O dono da tese

10.10.2014 - As vozes de Dickens

21.09.2014 - Tempos interessantes

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

30.06.2015 - Prof.Marcílio e o sorvete

Uma crônica dom barretana

29.06.2015 - Onde andará o poema?

Onde andará o poema?

28.06.2015 - Curiosidade: primeiro texto de R. Samuel publicado

Curiosidade: primeiro texto de R. Samuel publicado

25.06.2015 - Entregue às baratas

Mais uma aventura do famoso Capitão Barbosa

25.06.2015 - A morte de um ícone em 25 de junho de 2009 (Rogel Samuel)

Senti a morte do cantor.

23.06.2015 - TRECHO DE "O AMANTE DAS AMAZONAS"

Quando a urutu pica, dói muito e incha a carne, que vai ficando escura e roxa

23.06.2015 - A SURUCUCU

A SURUCUCU

21.06.2015 - 17. A PANTERA (Rogel Samuel)

O mundo estava mudado quando chegamos ao Rio.

20.06.2015 - Já estamos no inverno

Frio e chuvisco, no Rio de Janeiro.

17.06.2015 - 16. A PANTERA (Rogel Samuel)

Mas logo voltamos para o Rio

16.06.2015 - Um poema de Manuel Bandeira

poesia

15.06.2015 - A fuga no meio da noite

No chão cruzavam-se várias faixas coloridas.

15.06.2015 - 15. A PANTERA (Rogel Samuel)

De Katmandhu voei com Jara para Paris.

14.06.2015 - Discurso de Posse de Guimarães Rosa na Academia Brasileira de Letras

Discurso de Posse de Guimarães Rosa na Academia Brasileira de Letras

13.06.2015 - PALÁCIOS DA BORRACHA

A parte paraense do livro é excelente. A de Manaus deixa a desejar.

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br