Dilson Lages Monteiro Quarta-feira, 02 de setembro de 2015
CANTA-ARES - BRÁULIO TAVARES
Bráulio Tavares
Tamanho da letra A +A

Drummond e a FC

[Bráulio Tavares]

 
Em seu livro Lição de Coisas (1962) Carlos Drummond de Andrade incluiu um poema curto cujo título me atraiu desde o primeiro olhar: “Science Fiction”.  Assim mesmo, em inglês, sintoma de uma época em que a assimilação de certas palavras ainda estava incompleta, e ainda se dizia “goal-keeper”, “whisky”, etc.  O texto do poema diz:
 
“O marciano encontrou-me na rua / e teve medo de minha impossibilidade humana. / Como pode existir, pensou consigo, um ser / que no existir põe tamanha anulação de existência? // Afastou-se o marciano, e persegui-o. / Precisava dele como de um testemunho. / Mas, recusando o colóquio, desintegrou-se / no ar constelado de problemas. // E fiquei só em mim, de mim ausente.”
 
O poema surgiu num momento em que a FC estava presente na imprensa e na cultura brasileira em geral, através das edições de Gumercindo R. Dórea (Editora GRD), que vinha publicando obras de FC de Dinah Silveira de Queiroz, Fausto Cunha, Rubens Teixeira Scavone e outros, além da primeira Antologia Brasileira de Ficção Científica (1961).
 
O texto de Drummond, no entanto, sempre me lembrou outro conto: “Encontro Noturno” de Ray Bradbury, incluído na antologia Maravilhas da Ficção Científica, da Editora Cultrix (1958), organizada por Fernando Correia da Silva, com seleção de Wilma Pupo Nogueira Brito e introdução de Mário da Silva Brito.
 
No conto de Bradbury (na verdade, uma das suas “Crônicas Marcianas” de 1950) um terrestre e um marciano se encontram por acaso no alto de uma colina de Marte, começam a conversar, e descobrem que estão num ponto de cruzamento entre momentos diferentes no tempo. O marciano vê no vale lá embaixo sua civilização viva e florescente; o terrestre vê ruínas desertas. Depois de um diálogo cheio de contradições, os dois se separam, perplexos, e cada um vai cuidar de sua vida.
 
O poema de Drummond sismografa a presença da FC na nossa literatura da época. O poeta refletia sobre a civilização tecnológica que começava a envolvê-lo: é desse livro seu famoso poema sobre a bomba atômica, “A bomba” (“A bomba / é uma flor de pânico apavorando os floricultores / A bomba / é o produto quintessente de um laboratório falido”). O marciano (que não deixa de lembrar o marciano visitante de Fausto Cunha em “Visita Sentimental de um Jovem Marciano ao Planeta Terra”) torna-se nessa fase um símbolo preferencial do Outro, do Estranho, do que nos descobre e olha para nós com assombro e incredulidade. É o próprio Drummond que se auto-descobre no poema ao lado, “O Retrato Malsim”, constatando o “morrer em pensamento quando a vida queria viver”. Era um símbolo interplanetário para a angústia existencial.

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

02.09.2015 - Drummond e a FC

18.07.2015 - A virada do soneto

05.06.2015 - Naquele tempo

01.05.2015 - Uns títulos

09.04.2015 - Conrad Veidt

22.03.2015 - Coco cheio de sangue

10.03.2015 - Racismo e literatura

17.02.2015 - Amor humor

24.01.2015 - "No sertão onde eu vivia"

12.01.2015 - Wolinski

02.01.2015 - Reescrever

15.12.2014 - O pai caçula

02.12.2014 - Na biblioteca

17.11.2014 - Ser antologista

01.11.2014 - O dono da tese

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

02.09.2015 - Onde usar onde (1)

--- Gostaria de esclarecimentos sobre a utilização correta de onde, no qual, na qual, em que.

02.09.2015 - Drummond e a FC

Em seu livro Lição de Coisas (1962) Carlos Drummond de Andrade incluiu um poema curto cujo título me atraiu desde o primeiro olhar: “Science Fiction”.

02.09.2015 - Pessoa para pessoas

Tendo em conta a quantidade de turistas que nos dias de hoje – e sobretudo no Verão – visitam Lisboa, a Casa Fernando Pessoa faz um forcing até 29 de Setembro.

01.09.2015 - A MORTE DE MEU NOVO LIMOEIRO

Chega de mais sofrer. Parecem-me já suficientes os sofrimentos que são oferecidos, graciosamente, diariamente.

01.09.2015 - CANTO DA POBREZA: POEMA DE MURILO MENDES

poesia

01.09.2015 - VIAGEM

Certas ruas, certas casas

31.08.2015 - Refletindo um pouco sobre a desistência de ser escritor

Um amigo, arguto

30.08.2015 - Sailor Moon short stories 1: os contos paralelos

Naoko Takeushi desenhou e roteirizou HQ's curtas de Sailor Moon que não fazem parte da cronologia oficial.

29.08.2015 - Garcia Lorca e o Buda

Poeta Espanhol fez poesia para o Buda.

27.08.2015 - Ai dos governantes desprezados pelos seus compatriotas!

Não é preciso

26.08.2015 - CABRAL

Falo somente com o que falo

26.08.2015 - OS NOVOS MICROFONES DA ACADEMIA

O nobre Dr. Itamar então me prometeu que na segunda-feira seguinte iria mandar um técnico para estudar o nosso sistema de som, para, em momento oportuno, doar dois ou três microfones de alta qualidade.

25.08.2015 - Crimes hediondos no Brasil; algumas sugestões às autoridades

Sei que os brasileiros

25.08.2015 - Bernardo de Carvalho, por Elmar Carvalho

A origem de Campo Maior, no Piauí

25.08.2015 - A megaloteria

Se eu ganhasse essa megassena talvez fosse morar no Hotel Ritz, em Paris por um tempo. Lá teria inspiração da prosa de Proust.

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br