Dilson Lages Monteiro Segunda-feira, 26 de janeiro de 2015
CANTA-ARES - BRÁULIO TAVARES
Bráulio Tavares
Tamanho da letra A +A

"No sertão onde eu vivia"

[Bráulio Tavares]
 
Diz-se que a crônica é um gênero literário tipicamente brasileiro e sempre são invocados os nomes de Rubem Braga, Fernando Sabino, Luís Fernando Verissimo, além de outros, hoje menos lidos, como Carlos Eduardo Novaes ou Henrique Pongetti.  O que nem sempre se comenta é que dentro do gênero crônica existem subgêneros, e um deles é a crônica rural, que se confunde com a anedota e o “cáuso”.
 
No Sertão Onde Eu Vivia de Zelito Nunes (Recife, editora do autor, 2014) é um bom exemplo da crônica que, ao invés de descrever os mil e um aspectos da rica e multiforme vida urbana descreve os mil e um aspectos da rica e multiforme vida rural.  Digo assim para combater o conceito equivocado de que a vida urbana é de uma multiplicidade inesgotável de tipos humanos, interações sociais, formas de comportamento, demonstrações de humor, inteligência, presença de espírito, etc., e que a vida rural é uma pasmaceira uniforme ao som de mugidos de gado.
 
Ledo engano. Sem falar em Leonardo Mota etc., aqui mesmo na Paraíba tivemos o inesgotável José Cavalcanti e seus livrinhos recheados de tipos populares e linguagem pitoresca. A vida nos sítios, fazendas e vilarejos do interior pode, sim, ser tão rica e variada quanto a vida que fervilha em torno do Mercado Modelo ou na Praia de Copacabana. Precisa apenas de gente com olhos e ouvidos atentos, excelente memória, e capacidade para colocar no papel esses episódios que, também no interior, mal cabem no estreito espaço das 24 horas de um dia.
 
Zelito Nunes, nascido em Monteiro e radicado no Recife, tem uma série de coletâneas de crônicas nessa veia (uma delas, Folha de Boldo: Notícias de Cachaceiros, em parceria com Jessier Quirino), retratando a vida do Cariri e do Pajeú.  Seria, mal comparando, a mesma riqueza de tipos (só que no meio rural) que encontramos na Zona Norte carioca da Rua dos Artistas e Transversais de Aldir Blanc. Além dos versos de cantadores que anota há décadas, Zelito Nunes conta histórias de camelôs, fazendeiros, vaqueiros, confusões entre bêbos e donos de bodegas, soldados de polícia, arruaceiros.  Aventuras mirabolantes ou desastradas vividas por gente com um parafuso a menos na cabeça e uma vida mais interessante do que a nossa. Sem falar nas recordações de uma infância vivida na fazenda, como a história da cabra com medo de lanterna elétrica ou o dia em que ele fugiu de casa e ninguém da família percebeu.  São memórias de uma vida rústica e aventurosa, evocada nesta sextilha de Manoel Filó: “Namorar em Mundo Novo / todas as noites eu ia / voltava de madrugada / quando o sono me tangia / molhando a barra da calça / na rama da melancia.”
 
 

  

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

24.01.2015 - "No sertão onde eu vivia"

12.01.2015 - Wolinski

02.01.2015 - Reescrever

15.12.2014 - O pai caçula

02.12.2014 - Na biblioteca

17.11.2014 - Ser antologista

01.11.2014 - O dono da tese

10.10.2014 - As vozes de Dickens

21.09.2014 - Tempos interessantes

11.09.2014 - Guy de Maupassant

13.08.2014 - Um autor novo

03.08.2014 - Escrever para crianças

05.07.2014 - Literatura e biografia

27.06.2014 - Mistério do futebol

25.06.2014 - Ser soldado

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


São Bernardo no olhar de Ricardo Ramos Filho


Listar todos
Últimas matérias

26.01.2015 - Números do youtube, música Stand by me, em 26.1.2015

71.579.359 acessos, 42.782 comentários, um fenômeno mundial

25.01.2015 - Magia de Praga

A Magia de Praga está incrementada com a Magia Transcedental de uma Espiritualidade na Musica, na Arquitetura e no Segredo dos Magos

25.01.2015 - NEUZA MACHADO - DO PENSAMENTO CONTÍNUO À TRANSCENDÊNCIA FORMAL

Este estudo realçará a atuação do narrador de A hora e vez de Augusto Matraga, mas enfatizará com maior vigor a influência social do Artista como cidadão moderno.

25.01.2015 - Sem Photoshop na alma (nem no corpo da foto!)

Poema de Luiz Filho de Oliveira

24.01.2015 - FALECE ÁUREO MELLO

AUREO MELLO

24.01.2015 - Em desuso

Claramente roubada às telenovelas brasileiras para nunca mais lhes ser devolvida.

24.01.2015 - "No sertão onde eu vivia"

No Sertão Onde Eu Vivia de Zelito Nunes (Recife, editora do autor, 2014) é um bom exemplo da crônica que, ao invés de descrever os mil e um aspectos da rica e multiforme vida urbana descreve os mil e um aspectos da rica e multiforme vida rural.

23.01.2015 - Dois notáveis educadores piauienses

Muito aprendi com o professor Mello e com o professor Domício

22.01.2015 - NEUZA MACHADO - DO PENSAMENTO CONTÍNUO À TRANSCENDÊNCIA FORMAL

NEUZA MACHADO - DO PENSAMENTO CONTÍNUO À TRANSCENDÊNCIA FORMAL

22.01.2015 - O MISTERIO DA SAUDADE

A Saudade é um vínculo.

22.01.2015 - PRESERVAÇÃO E REVITALIZAÇÃO DO RIO PARNAÍBA

Espero que os governos Estadual e Federal saiam da inércia ou da demagogia propagandística e façam efetivamente algo em defesa de nosso agonizante Velho Monge, antes que seja demasiado tarde.

21.01.2015 - Sailor Moon: a batalha espiritual

Resenha do volume 8 do extraordinário mangá Sailor Moon (a franquia japonesa de maior prestígio no mundo)

21.01.2015 - M. Carqueija e a previsão do avião por Jules Verne

Agosto de 2007, resenha literária

21.01.2015 - SARTRE - QUE É ESCREVER

SARTRE - QUE É ESCREVER

20.01.2015 - O meio-ambiente é a palavra-chave

Em incisivo artigo

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br