Dilson Lages Monteiro Domingo, 26 de março de 2017
ANEXOS DA REALIDADE - MIGUEL CARQUEIJA
Miguel Carqueija
Tamanho da letra A +A

Uma ficção científica aristocrática: "O diálogo dos mundos" de Rubens Teixeira Scavone

(Miguel Carqueija)

UMA FICÇÃO CIENTÍFICA ARISTOCRÁTICA: O DIÁLOGO DOS MUNDOS


Um dia este livro precisa ser reeditado



Autor: Rubens Teixeira Scavone. Ficção Científica GRD, volume X, Edições GRD, São Paulo, 1961. Capa: fotomontagem do autor.


    Este livro, representante de uma época da FCB que deixou saudades, é uma coletânea de contos que oscilam entre a ficção científica “hard” ou técnica e “soft” ou humanista. O autor é reconhecido como um dos mais importantes do gênero no Brasil, tendo deixado obra considerável.
    Não me agradou muito o prefácio de José Geraldo Vieira, que me pareceu um tanto pernóstico e irrelevante. Também não entendi porque Rubens abra cada conto com uma citação de Walt Whitman, sem fazer a tradução do inglês.
    O primeiro trabalho é a noveleta que dá título ao volume. Scavone narra lenta e detalhadamente uma história de vaidade, ambição, mediocridade e decepção, com razoável dose de jargão científico. A situação não é o que parece — o que talvez seja dizer demais, numa época em que tanto se reclama dos “spoilers”. O personagem principal, o Professor John Stanley, chefia um radiotelescópio no norte dos Estados Unidos, onde se supõe estarem chegando mensagens vindas de um planeta desconhecido situado no sistema da estrela Tau. Diga-se de passagem, à época em que a história foi escrita essa estrela (Tau de Ceti) estava mesmo sendo visada por radioastrônomos.
    O texto é sóbrio e paulatino, nada semelhante a uma “space opera”. É preciso um pouco de paciência e a anedota final, embora marcante, talvez não compense a leitura de um texto bem escrito mas algo cansativo.

      “O fim da aventura” — Outra história intimista e minimalista, e com outra surpresa final, semelhante à do primeiro texto. Aqui, vou até dizer: um grupo de cosmonautas, que visitavam diversos astros, enfrentaram grandes riscos em seus périplos cósmicos, acabaram morrendo tragicamente. Como? Simplesmente pousaram aqui na Terra, aparentemente sem perceber que haviam voltado ao seu próprio mundo, desceram na selva da Nova Guiné e foram trucidados pelos nativos.
     Apesar da boa narração é um pouco inverossímil que os astronautas não soubessem onde estavam, e também não entendi porque os personagens não têm nome: são apenas o Piloto, o Astrogador, o Biólogo, o Psicólogo, o Botânico, o Comandante e o Engenheiro. E até no diário do Comandante não há referência aos nomes dos companheiros. Ora, por que isso? E por que eles são chamados, no início do conto, de “heróis anônimos”? Como poderiam ser anônimos?

    “Número transcendental” — Outro conto irônico, onde um homem que pode ou não ser demente experimenta um “contato de terceiro grau” (como hoje em dia se diz) e não consegue ser acreditado. O texto se fixa no protagonista, nos seus grilos interiores, deixando pouco espaço para a ficção científica em si, a não ser quando os alienígenas de sílica aparecem e ocorre um exercício de semântica entre eles e o humano, traçando figuras na areia da praia. O “número transcendental”, o “pi”, aparece como um símbolo universal. Quanto ao velho ceticismo humano, surge aqui retratado na brutal caricatura dos homens de branco que capturam doentes mentais,

    “O menino e o robô” — A questão da interação entre o homem e a máquina é aqui focalizada de maneira humanista e poética, com a história de um robô que se integra em uma família e morre em conseqüência da morte do menino a quem havia sido dado como presente. Máquinas podem ser auto-conscientes? Manifestar emoções e até sentimentos amorosos? Esta questão é uma grande recorrência na ficção científica. Só que Scavone arrasta o texto em longos períodos sem ação e insiste em não dar nomes aos personagens: “o pai”, “a esposa”, “o menino”; o que é isso afinal?

    “Passagem para Júpiter” — Scavone às vezes narra como se estivesse escrevendo um artigo. Neste conto, por exemplo, demora mais de duas páginas com longos parágrafos explanativos, descrevendo a situação utópica da Terra no ano 2222, antes de entrar na história de Ismael Boscowitzs, que “era apenas um professor”. Com um estilo tranquilo, erudito e elegante, sem palavrões, sem violências, sem indecências, o autor vai se alongando numa história sem lá muito interesse mas que pode ser lida sem traumas. Acompanhamos a vida de um professor aparentemente misantropo que fala sobre Marte mas desdenha ir lá, por já ser um planeta conhecido; então quer visitar Júpiter. De tanto falar em ir para Júpiter acaba negligenciando o amor de uma jovem. O texto caminha para uma solução romântica e cavalheiresca.   

    “Flores para uma terrestre” — O volume se fecha com outro conto de forte carga poética, derivando da ironia dos textos iniciais.
    Dois cosmonautas — Ivan e o narrador — encontram-se na base de Titã, órbita de Saturno. E o protagonista-narrador fala de Larissa, a sua noiva deixada para trás, e sonha em levar-lhe um romântico presente, nada menos que uma for de Titã, uma flor que respirava metano, delicadamente descrita: “Aproximei-me, curvei-me e vi então que de perto era ainda mais bela. Contei-lhe as seis pétalas que se abriam simetricamente, todas elas de um aveludado espesso cujas bordas, como ourelas, brilhavam mais ainda. E do centro, com a mesma morfologia das flores terrestres, brotavam várias antenas mais altas cujas terminações sustentavam protuberâncias esféricas.” É um conto que se sustenta pela veia poética e pelo estilo elegante.

CONCLUSÃO

    Trata-se de um belo volume escrito com amor e que apenas se ressente de um certo formalismo, como se o autor não se sentisse muito à vontade no gênero e não percebesse o quanto a ficção científica se distancia do “mainstream”; falta certo vigor dos personagens, capacidade em prender mais a atenção, mais vivacidade no texto que às vezes se torna pesado e monótono.

 

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

18.03.2017 - José Antonio Reguffe

08.03.2017 - CATARINA DE SIENA

04.03.2017 - Fantoches de Deus: fraquíssimo romance de Morris West

26.02.2017 - Carta à Tribuna da Imprensa, 22/7/1998

18.02.2017 - As memórias de Cunha e Silva Filho

16.02.2017 - A Filha da Floresta, de Thales Andrade

08.02.2017 - Psycho Pass episódio 4: Akane no mundo virtual

31.01.2017 - O farol de Virginia Woolf

24.01.2017 - O clichê da criança monstro

19.01.2017 - A verdade sobre a II Guerra Mundial

09.01.2017 - Walt Disney e o cavaleiro sem cabeça

06.01.2017 - Tempos de crueldade

30.12.2016 - A saga da meia-elfa

22.12.2016 - Psycho Pass episódio 3: o Japão sob isolamento

18.12.2016 - O santo fundador da Ordem dos Pregadores

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

23.03.2017 - Antenor Rêgo e seu dicionário de “Piauiês”

Em seu Dicionário do Piauí – a língua piauiense, de 160 páginas, estão catalogados em forma de verbetes, conforme consta na capa, o linguajar, as expressões, as sabenças, os falares, os costumes e as curiosidades de nosso povo.

22.03.2017 - AVIDEZ PELO DINHEIRO, FALTA DE ÉTICA E SOLUÇÕES VIÁVEIS PARA O BRASIL

tUDO QUE SE FEZ

20.03.2017 - A PEDRO COSTA

Dizem que ninguém é insubstituível. Tal premissa terá uma chance de se provar verdadeira, a partir de agora, com a partida prematura e inesperada de Pedro Costa, em relação aos seus empreendimentos, sonhos, anseios e desejos

19.03.2017 - Poema de Heinrich Heine

poesia

18.03.2017 - Anísio Brito

O acadêmico Reginaldo Miranda traça o perfil biográfico de um professor e historiador piauiense.

18.03.2017 - José Antonio Reguffe

A mídia pouco fala desse homem de comportamento exemplar entre os políticos!

17.03.2017 - BANDEIRAS DE FERRO

BANDEIRAS DE FERRO

16.03.2017 - A ELIZETH

A ELIZETH

16.03.2017 - No Cemitério da Ressurreição

Ao aproximar-se de mim, eu lhe disse que estava olhando minha própria sepultura.

15.03.2017 - POR QUE SÓ AGORA?

Se os políticos

15.03.2017 - A APARIÇÃO NA ALAMEDA DE MALLARMÉ

A APARIÇÃO NA ALAMEDA DE MALLARMÉ

15.03.2017 - A APARIÇÃO NA ALAMEDA DE MALLARMÉ

A APARIÇÃO NA ALAMEDA DE MALLARMÉ

14.03.2017 - Desembargador José Manuel de Freitas

O acadêmico Reginaldo Miranda traça o perfil biográfico de um importante magistrado e político piauiense.

14.03.2017 - A água canta

A água canta

13.03.2017 - Ojos de perro azul

Ojos de perro azul

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br