Dilson Lages Monteiro Domingo, 26 de março de 2017
ANEXOS DA REALIDADE - MIGUEL CARQUEIJA
Miguel Carqueija
Tamanho da letra A +A

O estranho mangá "Rosário e vampiro"

(Miguel Carqueija)

Uma série que mergulha nos seres do folclore

O ESTRANHO MANGÁ “ROSÁRIO E VAMPIRO”




    Apesar de se afirmar com frequência que no Japão o Cristianismo é uma religião de ínfima minoria, mesmo assim ele impregna uma boa parte dos mangás e animês.
    O que pensar de “Rosário + vampire” (Rosario to vampire), publicado originalmente pela Tueisha, de Tóquio, e que no Brasil vem saindo pela JBC? É uma história de fundo católico, assinada por Akihisa Ikeda, e com muitos detalhes infantis ou ingênuos, apesar da classificação “para maiores de 16 anos”.
    Isso deve ser por conta do erotismo entremeado. Todavia, há que reconhecer que, nos mangás, com frequência se mistura inocência com erotismo — como ocorre em “Saber marionette” — de um jeito que exclui a malícia ocidental. É um outro povo, com mentalidade muito diferente da nossa. Nos mangás e animês, muitas vezes, cenas que parecem derivar para a pornografia possuem na verdade conteúdo cômico mas não mórbido ou abjeto. É quando, por exemplo, um personagem inocente, pudico e reservado, se vê numa situação embaraçosa com conotações sexuais, sem culpa de sua parte — e ele permanece inocente. É o caso de Tsukune Aono, protagonista de “Rosário e vampiro”, na sua interação com garotas que o idolatram e estão sempre à sua volta, em cenas movimentadas onde até calcinhas aparecem, ou seios volumosos, mas a inocência de Tsukune resiste a tudo.
    As “adoradoras” de Tsukune são basicamente três e mais uma especial. São elas Moka Akashiya, uma vampira; Kurumu Kurono, uma súcubo; e Mizore Shirayuki, uma manipuladora de gelo. Correndo por fora, num amor mais platônico, está Yukari Sendo, uma bruxinha que, no início da série, tem apenas onze anos.
    Tsukune a todas cativa com a pureza do seu coração, embora ele seja um humano normal. Sim, pois Tsukune é um estudante adolescente que por engano se matricula numa escola de monstros (sic) situada além de uma barreira mística, e à qual se chega num ônibus misterioso. A escola existe para treinar jovens monstros a viverem incólumes no mundo dos humanos, já que estes dominam o planeta. Em função disso, todos são obrigados a usar a forma humana, sendo proibidos de revelar suas formas verdadeiras, o tipo de monstro que são. Isso é a salvação de Tsukune, já que ele não é um monstro.
     Desde que ele chegou, passou a atrair a atenção de garotas atraentes porém não-humanas, que se enamoraram de Tsukune com sinceridade e passaram a blinda-lo dos perigos locais, tendo descoberto a identidade humana do rapaz. Moka e as demais rivalizam amigavelmente entre si, e nos diversos incidentes, que incluem combates com elementos nefastos do colégio (diversos tipos de monstros, muito ligados ao folclore japonês), sempre surgem lições de moral como o valor da amizade, da solidariedade etc. É uma história do tipo “harém”, porém platônico, eis que não rola sexo e o garoto é mais inocente e tímido que cada uma das garotas que o rodeiam (e que, diga-se de passagem, não têm nada de tímidas). É curioso como, nas situações de maior intimidade ou apelo erótico, Tsukune fica constrangido (coisas parecidas ocorrem no sanguinolento “Elfen lied”, como a mostrar que a libertinagem não é tudo e nem o apelo sexual é onipotente). De fato, fazendo brincadeiras com a sexualidade, os mangás e animês parecem defender uma linha oposta à do sexo mórbido e nada inocente da cultura pop ocidental.
      De resto, para gostar de “Rosário e vampiro” com seu curioso senso de humor, é preciso fazer vista grossa às inverossimilhanças que cercam a “Academia Youkai” e essa estranha associação de monstros.
    Com relação ao fundo católico de “Rosário e vampiro”, vemos que Moka, a pequena mas poderosa vampira, selou o seu poder com um rosário preso ao pescoço. Misteriosamente, Tsukune é o único que consegue retirar o crucifixo do peito de Moka, o que faz nas horas de emergência, diante de perigos iminentes. De tanto ter o seu sangue sugado por Moka ele acaba adquirindo alguns poderes, o que inclusive o livra de ser desmascarado, pois a morte é reservada para humanos que venham a penetrar no reduto dos monstros (lobisomens etc.).
            
      

 

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

18.03.2017 - José Antonio Reguffe

08.03.2017 - CATARINA DE SIENA

04.03.2017 - Fantoches de Deus: fraquíssimo romance de Morris West

26.02.2017 - Carta à Tribuna da Imprensa, 22/7/1998

18.02.2017 - As memórias de Cunha e Silva Filho

16.02.2017 - A Filha da Floresta, de Thales Andrade

08.02.2017 - Psycho Pass episódio 4: Akane no mundo virtual

31.01.2017 - O farol de Virginia Woolf

24.01.2017 - O clichê da criança monstro

19.01.2017 - A verdade sobre a II Guerra Mundial

09.01.2017 - Walt Disney e o cavaleiro sem cabeça

06.01.2017 - Tempos de crueldade

30.12.2016 - A saga da meia-elfa

22.12.2016 - Psycho Pass episódio 3: o Japão sob isolamento

18.12.2016 - O santo fundador da Ordem dos Pregadores

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

23.03.2017 - Antenor Rêgo e seu dicionário de “Piauiês”

Em seu Dicionário do Piauí – a língua piauiense, de 160 páginas, estão catalogados em forma de verbetes, conforme consta na capa, o linguajar, as expressões, as sabenças, os falares, os costumes e as curiosidades de nosso povo.

22.03.2017 - AVIDEZ PELO DINHEIRO, FALTA DE ÉTICA E SOLUÇÕES VIÁVEIS PARA O BRASIL

tUDO QUE SE FEZ

20.03.2017 - A PEDRO COSTA

Dizem que ninguém é insubstituível. Tal premissa terá uma chance de se provar verdadeira, a partir de agora, com a partida prematura e inesperada de Pedro Costa, em relação aos seus empreendimentos, sonhos, anseios e desejos

19.03.2017 - Poema de Heinrich Heine

poesia

18.03.2017 - Anísio Brito

O acadêmico Reginaldo Miranda traça o perfil biográfico de um professor e historiador piauiense.

18.03.2017 - José Antonio Reguffe

A mídia pouco fala desse homem de comportamento exemplar entre os políticos!

17.03.2017 - BANDEIRAS DE FERRO

BANDEIRAS DE FERRO

16.03.2017 - A ELIZETH

A ELIZETH

16.03.2017 - No Cemitério da Ressurreição

Ao aproximar-se de mim, eu lhe disse que estava olhando minha própria sepultura.

15.03.2017 - POR QUE SÓ AGORA?

Se os políticos

15.03.2017 - A APARIÇÃO NA ALAMEDA DE MALLARMÉ

A APARIÇÃO NA ALAMEDA DE MALLARMÉ

15.03.2017 - A APARIÇÃO NA ALAMEDA DE MALLARMÉ

A APARIÇÃO NA ALAMEDA DE MALLARMÉ

14.03.2017 - Desembargador José Manuel de Freitas

O acadêmico Reginaldo Miranda traça o perfil biográfico de um importante magistrado e político piauiense.

14.03.2017 - A água canta

A água canta

13.03.2017 - Ojos de perro azul

Ojos de perro azul

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br