Dilson Lages Monteiro Terça-feira, 30 de maio de 2017
ANEXOS DA REALIDADE - MIGUEL CARQUEIJA
Miguel Carqueija
Tamanho da letra A +A

O estranho mangá "Rosário e vampiro"

(Miguel Carqueija)

Uma série que mergulha nos seres do folclore

O ESTRANHO MANGÁ “ROSÁRIO E VAMPIRO”




    Apesar de se afirmar com frequência que no Japão o Cristianismo é uma religião de ínfima minoria, mesmo assim ele impregna uma boa parte dos mangás e animês.
    O que pensar de “Rosário + vampire” (Rosario to vampire), publicado originalmente pela Tueisha, de Tóquio, e que no Brasil vem saindo pela JBC? É uma história de fundo católico, assinada por Akihisa Ikeda, e com muitos detalhes infantis ou ingênuos, apesar da classificação “para maiores de 16 anos”.
    Isso deve ser por conta do erotismo entremeado. Todavia, há que reconhecer que, nos mangás, com frequência se mistura inocência com erotismo — como ocorre em “Saber marionette” — de um jeito que exclui a malícia ocidental. É um outro povo, com mentalidade muito diferente da nossa. Nos mangás e animês, muitas vezes, cenas que parecem derivar para a pornografia possuem na verdade conteúdo cômico mas não mórbido ou abjeto. É quando, por exemplo, um personagem inocente, pudico e reservado, se vê numa situação embaraçosa com conotações sexuais, sem culpa de sua parte — e ele permanece inocente. É o caso de Tsukune Aono, protagonista de “Rosário e vampiro”, na sua interação com garotas que o idolatram e estão sempre à sua volta, em cenas movimentadas onde até calcinhas aparecem, ou seios volumosos, mas a inocência de Tsukune resiste a tudo.
    As “adoradoras” de Tsukune são basicamente três e mais uma especial. São elas Moka Akashiya, uma vampira; Kurumu Kurono, uma súcubo; e Mizore Shirayuki, uma manipuladora de gelo. Correndo por fora, num amor mais platônico, está Yukari Sendo, uma bruxinha que, no início da série, tem apenas onze anos.
    Tsukune a todas cativa com a pureza do seu coração, embora ele seja um humano normal. Sim, pois Tsukune é um estudante adolescente que por engano se matricula numa escola de monstros (sic) situada além de uma barreira mística, e à qual se chega num ônibus misterioso. A escola existe para treinar jovens monstros a viverem incólumes no mundo dos humanos, já que estes dominam o planeta. Em função disso, todos são obrigados a usar a forma humana, sendo proibidos de revelar suas formas verdadeiras, o tipo de monstro que são. Isso é a salvação de Tsukune, já que ele não é um monstro.
     Desde que ele chegou, passou a atrair a atenção de garotas atraentes porém não-humanas, que se enamoraram de Tsukune com sinceridade e passaram a blinda-lo dos perigos locais, tendo descoberto a identidade humana do rapaz. Moka e as demais rivalizam amigavelmente entre si, e nos diversos incidentes, que incluem combates com elementos nefastos do colégio (diversos tipos de monstros, muito ligados ao folclore japonês), sempre surgem lições de moral como o valor da amizade, da solidariedade etc. É uma história do tipo “harém”, porém platônico, eis que não rola sexo e o garoto é mais inocente e tímido que cada uma das garotas que o rodeiam (e que, diga-se de passagem, não têm nada de tímidas). É curioso como, nas situações de maior intimidade ou apelo erótico, Tsukune fica constrangido (coisas parecidas ocorrem no sanguinolento “Elfen lied”, como a mostrar que a libertinagem não é tudo e nem o apelo sexual é onipotente). De fato, fazendo brincadeiras com a sexualidade, os mangás e animês parecem defender uma linha oposta à do sexo mórbido e nada inocente da cultura pop ocidental.
      De resto, para gostar de “Rosário e vampiro” com seu curioso senso de humor, é preciso fazer vista grossa às inverossimilhanças que cercam a “Academia Youkai” e essa estranha associação de monstros.
    Com relação ao fundo católico de “Rosário e vampiro”, vemos que Moka, a pequena mas poderosa vampira, selou o seu poder com um rosário preso ao pescoço. Misteriosamente, Tsukune é o único que consegue retirar o crucifixo do peito de Moka, o que faz nas horas de emergência, diante de perigos iminentes. De tanto ter o seu sangue sugado por Moka ele acaba adquirindo alguns poderes, o que inclusive o livra de ser desmascarado, pois a morte é reservada para humanos que venham a penetrar no reduto dos monstros (lobisomens etc.).
            
      

 

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

25.05.2017 - A enigmática Etrúria

22.05.2017 - Um livro infantil de Irá Rodrigues

13.05.2017 - Nossa Senhora de Fátima

10.05.2017 - Temer não é golpista

01.05.2017 - Fábula e Ficção Científica

23.04.2017 - Também existe fascismo na esquerda

12.04.2017 - Psycho Pass 5: surge o grande vilão

10.04.2017 - Não à ideologia de gênero

02.04.2017 - O Papa e o Anticristo

31.03.2017 - Uma lágrima de mulher

28.03.2017 - Anti-homenagem

18.03.2017 - José Antonio Reguffe

08.03.2017 - CATARINA DE SIENA

04.03.2017 - Fantoches de Deus: fraquíssimo romance de Morris West

26.02.2017 - Carta à Tribuna da Imprensa, 22/7/1998

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

29.05.2017 - Eleição Direta é Golpe

Para esses oportunistas golpe tem dois pesos e duas medidas

28.05.2017 - Incursão à Fazenda Bom Gosto (Século XVIII)

Incursão à Fazenda Bom Gosto (Século XVIII)

28.05.2017 - Versos de Moradora no Harém

Poetisa Amante

28.05.2017 - Palmas para o Tocantins

O autor discorre sobre participação piauiense na Feira Literária Internacional do Tocantins (FLIT), realizada em julho de 2011.

27.05.2017 - A questão da pós-verdade e suas consquências danosas à ética individual e coletiva do mundo globalizado.

O tema escolhido

27.05.2017 - Feitosa, dos Inhamuns

O acadêmico Reginaldo Miranda analisa a obra genealógica do escritor Aécio Feitosa, que escreve sobre a importante família Feitosa, dos Inhamuns.

26.05.2017 - ROGEL SAMUEL: TEORIA DA CRISE

ROGEL SAMUEL: TEORIA DA CRISE

26.05.2017 - POEMA 'ÁGUA FRIA'

poesia

26.05.2017 - O RIO NEGRO

O RIO NEGRO

25.05.2017 - Teresina

O acadêmico Reginaldo Miranda escreve sobre a cidade de Teresina, capital do Piauí, por ocasião da outorga da Comenda Conselheiro Saraiva.

25.05.2017 - A enigmática Etrúria

Desprezada por muitos leitores, a Arqueologia é uma Ciência que vale a pena ser estudada pelos leigos, pois se revela muito interessante.

25.05.2017 - EM BUSCA DA POÉTICA DE J. G. DE ARAÚJO JORGE

EM BUSCA DA POÉTICA DE J. G. DE ARAÚJO JORGE

24.05.2017 - O dia em que saí no Ibrahim Sued

Era a sexta-feira do dia 17 de maio de 1985

23.05.2017 - UM AMIGO DE INFÂNCIA

No dia seguinte ao da mudança para a nossa pequena casa dos Campos, em Parnaíba, em 1896, toda ela cheirando ainda a cal

23.05.2017 - Fraternidade Espiritualista Universalista

Em pleno cerrado de Goiás...

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br