Dilson Lages Monteiro Segunda-feira, 24 de abril de 2017
ANEXOS DA REALIDADE - MIGUEL CARQUEIJA
Miguel Carqueija
Tamanho da letra A +A

A Guerra do Sangue

(Miguel Carqueija)

e depois da Guerra da Água, virá...

 

A GUERRA DO SANGUE

Miguel Carqueija


    Nosso grupo seguia por uma vasta campina aplainada, a perder de vista; longe, muito ao longe, montes que se faziam azuis pela distância, quase se confundindo com o céu isento de nuvens.
    O calor era sufocante; abafados pelas pesadas armaduras de couro e pelos protetores de pescoço, seguíamos adiante entre as pragas dos mais impacientes.
    Lucíola, que seguia a meu lado, acariciou a espada e observou:
    — Se tudo estiver correto, Ned, esta operação de pinças os trará a nós.
    — Espero que sim. Não é possível mais suportar o que vem acontecendo.
    Eu pensava nos cadáveres que juncavam as estradas, no luto permanente pelas vilas, aldeias e cidades.
    Volvi o olhar para o nosso líder, Evaldo, alto e esquelético e segurando a sua lança, como um Dom Quixote redivivo.
    Aliás, na última reunião, antes da expedição punitiva que agora encetávamos, ele fizera questão de lembrar os velhos tempos:
    — Todos nós devemos por em nossas cabeças que o retorno à sociedade feudal tem que ser uma situação transitória. Precisamos nos esforçar para volver à civilização tecnológica de antes da Guerra da Água. Já quase não temos veículos motorizados. As viagens espaciais acabaram, bem como a rede de computadores que unia o mundo inteiro. Se não se houvesse revelado o inimigo que agora combatemos, teríamos condições para reerguer a civilização. Enquanto estivermos acuados, a situação não mudará. É por isso que tudo devemos fazer para exterminar essas criaturas.
     Agora víamos alguns dos nossos planadores sobrevoando as Montanhas Agassiz, bem como o dirigível blindado. Ao comando de Evaldo, nossa tropa de cavalaria avançou em galope.
    Logo avistamos algumas das criaturas, expulsas para a planície. Outras tentavam voar, mas eram fáceis alvos para as bazucas dos planadores e os morteiros do dirigível. Um grupo a cavalo vinha ao nosso encontro.
    Em qualquer ocasião, enfrentar vampiros é terrível. Apesar dos renques de alho que penduramos em nossos corpos, o fato é que eles atacam com a fúria do desespero, mesmo que os nossos acessórios — que incluem cruzes — os aflijam mortalmente.
    Travou-se a batalha, na terra e no ar. Uma batalha em que o homem, mais fraco e mortal que o vampiro, tem de apelar para o número, a coragem e a criatividade.
    Nossas cavalarias se chocaram. Procurávamos inclusive abater aqueles animais, já vampirizados e que também eram nossos inimigos. Nós, humanos, lutávamos com espadas, lanças e lança-estacas. As figuras medonhas dos vampiros de ambos os sexos, com suas capas e seus caninos hipertrofiados, nos cercavam. Guerreiros foram jogados ao chão pela fúria assassina dos vampiros, mordidos e pisoteados; porém vários dos monstros, não agüentando a proximidade de cabeças de alho e crucifixos, também fraquejavam e tombavam com as forças exauridas. Eu saltei do meu alazão e enfiei uma estaca no peito de um deles. Eu próprio já estava com várias feridas, mas felizmente todos nós havíamos tomado previamente o antídoto.
    Mesmo por demais ocupado no solo, vi de relance que planadores desabavam e assim também vampiros voadores. Ajudado por Bil, abri caminho entre vis faces de vampiros para socorrer Lucíola, que jazia ensangüentada em meio ao capinzal.
    Afinal, os vampiros que não foram mortos bateram em retirada. Não valia a pena persegui-los, pois havia feridos graves entre nós, e humanos não abandonam seus semelhantes.
    Aliviado ao constatar que os ferimentos de Lucíola não eram fatais, eu me dei ao luxo de filosofar:
    — Até quando, Deus? Até quando irá essa Guerra do Sangue? Perante um inimigo tão poderoso conseguiremos nós limpar a Terra, e em quanto tempo? Em cem anos? Em mil anos?
    — Pouco importa — respondeu Bil, ofegante, dando-me um tapa amistoso no ombro. — O que importa é que os seres humanos nunca desistem. Nós lutaremos enquanto o nosso sangue for humano.

NOTA: este conto integra a antologia "Draculea II", editada por Ademir Pascale (contos de vampiros por autores brasileiros). Mais detalhes com o organizador: amigosdocranik@ig.com.br

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

23.04.2017 - Também existe fascismo na esquerda

12.04.2017 - Psycho Pass 5: surge o grande vilão

10.04.2017 - Não à ideologia de gênero

02.04.2017 - O Papa e o Anticristo

31.03.2017 - Uma lágrima de mulher

28.03.2017 - Anti-homenagem

18.03.2017 - José Antonio Reguffe

08.03.2017 - CATARINA DE SIENA

04.03.2017 - Fantoches de Deus: fraquíssimo romance de Morris West

26.02.2017 - Carta à Tribuna da Imprensa, 22/7/1998

18.02.2017 - As memórias de Cunha e Silva Filho

16.02.2017 - A Filha da Floresta, de Thales Andrade

08.02.2017 - Psycho Pass episódio 4: Akane no mundo virtual

31.01.2017 - O farol de Virginia Woolf

24.01.2017 - O clichê da criança monstro

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

23.04.2017 - A retrospectiva das horas

A retrospectiva das horas

23.04.2017 - O começo do mundo e as sete cidades de pedra

O começo do mundo e as sete cidades de pedra

23.04.2017 - O adeus a Gomes Campos

o autor divulga texto escrito e publicado na imprensa, quando do falecimento do dramaturgo Gomes Campos, um importante intelectual piauiense.

23.04.2017 - Também existe fascismo na esquerda

Quem tem telhado de vidro não joga pedra no do vizinho.

23.04.2017 - A SABEDORIA DO ANDAR

A SABEDORIA DO ANDAR

22.04.2017 - O povoamento do Piauí

O autor faz análise crítica sobre obra historiográfica e sobre a colonização do Piauí

22.04.2017 - Poesia de Hoje

Versos Atuais.

22.04.2017 - O BRASIL QUE VIRÁ

O BRASIL QUE VIRÁ

21.04.2017 - C@ARTA AO POETA CHICO MIGUEL

Diria que o amigo é um poeta do coração e da razão, no perfeito equilíbrio dessas duas vertentes.

21.04.2017 - SOMOS MEMBROS UNS DOS OUTROS

Isto é citado por Laín Entralgo

20.04.2017 - MEUS MORTOS HÃO DE VIR NO FIM DA TARDE

Só dá para ler este belo texto quem o situa na Manaus da década de 50

20.04.2017 - E O CONGRESSO?

Oh, Amigos, não esqueçamos o futuro Congresso.

19.04.2017 - SER BUDISTA

Quando o queriam reprovar, diziam que ele era budista.

18.04.2017 - POR QUE KAFKA ESCREVIA EM ALEMÃO?

POR QUE KAFKA ESCREVIA EM ALEMÃO?

18.04.2017 - CONFLUÊNCIA

CONFLUÊNCIA

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br