Dilson Lages Monteiro Domingo, 23 de abril de 2017
ANEXOS DA REALIDADE - MIGUEL CARQUEIJA
Miguel Carqueija
Tamanho da letra A +A

O farol de Virginia Woolf

O farol de Virginia Woolf

            Miguel Carqueija  

            Resenha do romance “Rumo ao farol” (título original: To the lighthouse), de Virginia Woolf. Tradução: Luiza Lobo. Publicação original inglesa de 1927. Edição brasileira da Folha de São Paulo (Biblioteca Folha, 9).

            Existia uma peça intitulada “Quem tem medo de Virginia Woolf?”. Nunca assisti e, como também jamais lera esta autora britânica, não imaginava o motivo de tal pergunta. Agora já sei. Se este romance é típico de seu estilo, a impressão que me deu foi de um texto paulificante, cansativo.

            A rigor nada acontece na história. A família ramsay está passando tempos numa propriedade nas Ilhas Hébridas (Escócia), pouco antes da guerra de 1914-1918. O casal e uma porção de filhos. Recebem hóspedes, também. O filho mais novo quer ir na ilha onde existe um farol. A mãe — de quem se diz que, aos 50 anos, é extremamente bonita — planeja levar presentes para os moradores do farol. Mas afinal ninguém vai por causa do tempo. Tudo isso porém é narrado através do ponto de vista subjetivo dos diversos personagens, como a pintora ou a Sra. Ramsey. O Sr. Ramsey é apresentado como temperamental e tirânico, mas quase nada fala ao longo do livro. E o tempo real da narrativa é esticado surrealmente pela maneira como em poucos minutos ou segundos os personagens pensam e esmiuçam coisas sem conta, em geral irrelevantes.

            Na sequência a guerra já acabou e os poucos sobreviventes ainda disponíveis voltam ao solar e finalmente apenas cinco pessoas realizam a viagem até ao farol.

            Essa habilidade de contar milhões de coisas que nada somam (a não ser que valha como estudo psicológico, mas não sei se vale a pena) perpassa o livro inteiro. Vejamos este trecho na página 57:

            “O raio do seu olhar, paralelo ao do Sr. Bankes, dirigia-se à Sra. Ramsay, que, sentada, lia para James, próximo a seus joelhos. Mas agora, enquanto ela ainda a olhava, o Sr. Bankes já não o fazia. Colocara os óculos. Recuara um passo. Erguera a mão. Franzira levemente os claros olhos azuis, enquanto Lily, recobrando-se, viu o que ele fazia e estremeceu, como um cachorro vendo alguém erguendo a mão para lhe bater. Teria arrancado o quadro do cavalete, mas disse consigo mesma: isso é necessário. Endireitou-se para suportar a terrível provação de ver alguém olhando o seu quadro (sic). É necessário, disse, é necessário. E se devia ser visto, era-lhe menos alarmante que o fosse pelo Sr. Bankes antes de qualquer outra pessoa.”

            São essas miudezas irrelevantes que se arrastam pelo livro inteiro. Foi preciso paciência para ler tudo. Bem, acredito que existem apreciadores dessa ficção introspectiva. Para quem gosta, o livro é de fato um prato cheio.

 

Rio de Janeiro, 25 de janeiro de 2017.

 

 

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

12.04.2017 - Psycho Pass 5: surge o grande vilão

10.04.2017 - Não à ideologia de gênero

02.04.2017 - O Papa e o Anticristo

31.03.2017 - Uma lágrima de mulher

28.03.2017 - Anti-homenagem

18.03.2017 - José Antonio Reguffe

08.03.2017 - CATARINA DE SIENA

04.03.2017 - Fantoches de Deus: fraquíssimo romance de Morris West

26.02.2017 - Carta à Tribuna da Imprensa, 22/7/1998

18.02.2017 - As memórias de Cunha e Silva Filho

16.02.2017 - A Filha da Floresta, de Thales Andrade

08.02.2017 - Psycho Pass episódio 4: Akane no mundo virtual

31.01.2017 - O farol de Virginia Woolf

24.01.2017 - O clichê da criança monstro

19.01.2017 - A verdade sobre a II Guerra Mundial

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

22.04.2017 - O povoamento do Piauí

O autor faz análise crítica sobre obra historiográfica e sobre a colonização do Piauí

22.04.2017 - Poesia de Hoje

Versos Atuais.

22.04.2017 - O BRASIL QUE VIRÁ

O BRASIL QUE VIRÁ

21.04.2017 - C@ARTA AO POETA CHICO MIGUEL

Diria que o amigo é um poeta do coração e da razão, no perfeito equilíbrio dessas duas vertentes.

21.04.2017 - SOMOS MEMBROS UNS DOS OUTROS

Isto é citado por Laín Entralgo

20.04.2017 - MEUS MORTOS HÃO DE VIR NO FIM DA TARDE

Só dá para ler este belo texto quem o situa na Manaus da década de 50

20.04.2017 - E O CONGRESSO?

Oh, Amigos, não esqueçamos o futuro Congresso.

19.04.2017 - SER BUDISTA

Quando o queriam reprovar, diziam que ele era budista.

18.04.2017 - POR QUE KAFKA ESCREVIA EM ALEMÃO?

POR QUE KAFKA ESCREVIA EM ALEMÃO?

18.04.2017 - CONFLUÊNCIA

CONFLUÊNCIA

18.04.2017 - Sobre a liberdade

Sobre a liberdade

17.04.2017 - A palavra editor

É uma das palavras mais ambíguas do nosso mercado literário

16.04.2017 - Auto de Natal em Copacabana

Auto de Natal em Copacabana

15.04.2017 - A MÁSCARA DE CRISTO

Impossível saber se era moreno como um palestino

15.04.2017 - Poesia atual

Plataforma Póetica Popular

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br