Dilson Lages Monteiro Domingo, 23 de abril de 2017
ANEXOS DA REALIDADE - MIGUEL CARQUEIJA
Miguel Carqueija
Tamanho da letra A +A

As memórias de Cunha e Silva Filho

As memórias de Cunha e Silva Filho

 AS MEMÓRIAS DO PROF. CUNHA E SILVA FILHO

Miguel Carqueija

 

Resenha do livro “Apenas memórias”, de Cunha e Silva Filho. Editora Quártica, Rio de Janeiro-RJ, 2016. Arte final de capa: Teresa Akil. Imagem da capa: fotolia.com. Orelha de José Ribamar Garcia.

 

Colunista do Portal Entretextos, onde contribui com artigos substanciais sobre a situação do país e a mundial, o Professor Francisco da Cunha e Silva Filho, cujo pai era também escritor, nasceu em Amarante, no Piauí, e reside há muitos anos no Rio de Janeiro. Este livro é de memórias, mas não linear e corre mais ou menos ao sabor das lembranças do autor, abrangendo mais de cinco décadas e, como ele mesmo comenta na abertura da obra, “É tempo que não acaba”.

Salta aos olhos o amor de Cunha pela literatura, pelos estudos, pela vida cultural. Inúmeros nomes da cultura nacional são mencionados, muitos inclusive que ele conheceu pessoalmente. Às vezes ele chega ao minimalismo na sua narrativa, detalhando ter pego condução, ter ido aqui ou ali e falado com tais pessoas. A leitura é amena e ligeira, as letras são grandes e fáceis de ler. Todavia o volume carece de uma melhor revisão. Estranhei também a maneira como o autor abusa do pronome oblíquo no início das frases: “me lembro”, “me perguntou”, “lhe falei”.

Também me causou estranheza foi saber, do próprio autor, que a edição, embora profissional, é de apenas 100 exemplares, de modo que nos dois lançamentos ocorridos (eu fui ao lançamento no Museu da República) deve ter-se praticamente esgotado.

Cunha deixa bem claro que veio para o Rio de Janeiro, no início de 1964, para estudar e tentar a vida, sem estar preparado para isso, chegando a descuidar da própria saúde:

 

“Uma vez, à noite, na vaga em que morava com o meu irmão Winston passei mal de sáude a ponto de a senhoria do apartamento ficar com pena de mim e me indagar do meu estado de saúde. Era um mal-estar, uma fraqueza que não havia sentido antes. (...) Aquele mal-estar, que sentira antes, já dava outros sinais. Me sentia mal, um pouco inchado, pálido e fraco. “ Acabou sendo internado no Hospital Pedro Ernesto, e afinal foi diagnosticada uma anemia provocada por parasita (necatur americanus).  Detalhe tragicômico é que, quando foi anunciado que um deputado iria visitá-lo, houve uma verdadeira azáfama d elimpeza (com troca de lençõis, travesseiros, colchas e tudo) no local...

Cunha fala de seu casamento ainda muito jovem, seus estudos e suas publicações ao longo da vida. Como diz José Ribamar Garcia na orelha, “Cunha e Silva Filho superou todos os obstáculos. Um vencedor. Licenciou-se em Português e Inglês. Mestrado, doutorado e pós-doutorado. Constituiu família. Hoje, um dos mais importantes críticos literários do país, com vários livros publicados.”

 

Rio de Janeiro, 13 de fevereiro de 2017.

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

12.04.2017 - Psycho Pass 5: surge o grande vilão

10.04.2017 - Não à ideologia de gênero

02.04.2017 - O Papa e o Anticristo

31.03.2017 - Uma lágrima de mulher

28.03.2017 - Anti-homenagem

18.03.2017 - José Antonio Reguffe

08.03.2017 - CATARINA DE SIENA

04.03.2017 - Fantoches de Deus: fraquíssimo romance de Morris West

26.02.2017 - Carta à Tribuna da Imprensa, 22/7/1998

18.02.2017 - As memórias de Cunha e Silva Filho

16.02.2017 - A Filha da Floresta, de Thales Andrade

08.02.2017 - Psycho Pass episódio 4: Akane no mundo virtual

31.01.2017 - O farol de Virginia Woolf

24.01.2017 - O clichê da criança monstro

19.01.2017 - A verdade sobre a II Guerra Mundial

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

22.04.2017 - O povoamento do Piauí

O autor faz análise crítica sobre obra historiográfica e sobre a colonização do Piauí

22.04.2017 - Poesia de Hoje

Versos Atuais.

22.04.2017 - O BRASIL QUE VIRÁ

O BRASIL QUE VIRÁ

21.04.2017 - C@ARTA AO POETA CHICO MIGUEL

Diria que o amigo é um poeta do coração e da razão, no perfeito equilíbrio dessas duas vertentes.

21.04.2017 - SOMOS MEMBROS UNS DOS OUTROS

Isto é citado por Laín Entralgo

20.04.2017 - MEUS MORTOS HÃO DE VIR NO FIM DA TARDE

Só dá para ler este belo texto quem o situa na Manaus da década de 50

20.04.2017 - E O CONGRESSO?

Oh, Amigos, não esqueçamos o futuro Congresso.

19.04.2017 - SER BUDISTA

Quando o queriam reprovar, diziam que ele era budista.

18.04.2017 - POR QUE KAFKA ESCREVIA EM ALEMÃO?

POR QUE KAFKA ESCREVIA EM ALEMÃO?

18.04.2017 - CONFLUÊNCIA

CONFLUÊNCIA

18.04.2017 - Sobre a liberdade

Sobre a liberdade

17.04.2017 - A palavra editor

É uma das palavras mais ambíguas do nosso mercado literário

16.04.2017 - Auto de Natal em Copacabana

Auto de Natal em Copacabana

15.04.2017 - A MÁSCARA DE CRISTO

Impossível saber se era moreno como um palestino

15.04.2017 - Poesia atual

Plataforma Póetica Popular

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br