Dilson Lages Monteiro Domingo, 23 de abril de 2017
ANEXOS DA REALIDADE - MIGUEL CARQUEIJA
Miguel Carqueija
Tamanho da letra A +A

A verdade sobre a II Guerra Mundial

 A VERDADE SOBRE A SEGUNDA GUERRA MUNDIAL

Miguel Carqueija

 

            É desolador saber que existem pessoas acreditando ter sido a Rússia comunista e seu líder Stalin, heróis da II Guerra ao enfrentarem Hitler e o nazismo. Quem pensa assim esquece que o comunismo é tão ruim quanto o nazismo e na prática matou mais gente, pois durou mais tempo. Vamos tentar reconstituir os fatos básicos sobre o que realmente aconteceu naqueles anos terríveis.

            O conflito de fato já havia iniciado na Ásia, com a invasão da China pelo Japão. Em 1937 houve a terrível batalha de Nanquim, retratada no belíssimo filme “Flores do Oriente”. Na Europa começou em setembro de 1939, quando a Polônia foi atacada por Hitler.

            Pois bem: naquela época havia o Pacto Germano-Soviético. Hitler e Stalin eram aliados, existe até um filme raro (mas que eu vi certa vez na televisão) mostrando os dois trocando um brinde. Aliás, sei que houve até intercâmbio cultural em decorrência do pacto. Ora bem, a ditadura de Stalin foi uma das piores da História, dezenas de milhões de pessoas (principalmente camponeses) perderam a vida, um sem-número de cidadãos sofreu perseguições, torturas, prisões arbitrárias e execuções. Isso incluiu os próprios comunistas, pois expurgos terríveis vitimaram inúmeros membros do Partido Comunista. O próprio Trotsky, um dos fundadores do Soviet, teve de fugir do país e acabou sendo assassinado no México, já durante a II Guerra, a golpe de furador de gelo.

            Por aí se vê que os dois monstros (Hitler e Stalin) bem que se mereciam.

            Quando a Alemanha invadiu a Polônia, em 1° de setembro de 1939, imediatamente os governos da Inglaterra e da França declararam guerra ao III Reich. Muita gente hoje não sabe, mas os poloneses resistiram heroicamente e a capital, Varsóvia, não caiu num primeiro momento. Na verdade, espantosamente, as forças nazistas até recuaram diante da fuzilaria dos poloneses! E quando o prefeito de Varsóvia resolveu ir embora, um dos seus auxiliares lhe disse qualquer coisa assim (cito de memória o noticiário da época): “Não se preocupe, senhor Prefeito, pois mesmo que a cidade desabe sobre nossas cabeças, nós a defenderemos.”

            A Alemanha havia invadido pelo oeste. Mas nesse ponto a Rússia invadiu pelo leste, de surpresa; esprimida por duas superpotências, a Polõnia sucumbiu. E curiosamente, desta vez ninguém se lembrou de declarar guerra à Rússia! E ela não se limitou a Polônia, atacou a Finlândia também, onde esbarrou com séria resistência.

            Percebemos que desde o início existia oculta conivência ou leniência ao comunismo, da parte das potências ocidentais.

            A guerra foi evoluindo. Em 7 de dezembro de 1941 os japoneses atacaram Pearl Harbor e trouxeram os Estados Unidos para a dança. Os americanos trataram de fundir as duas conflagrações, a da Ásia e a da Europa. Aí Hitler, já derrotado na famosa Batalha da Inglaterra, cometeu a grande loucura de atacar a Rússia, abrindo uma nova e temerária frente. No entanto, numa primeira hora, os nazistas acumularam êxitos e chegaram até as portas de Moscou e de Stalingrado. Os russos não estavam preparados para enfrentar o poderoso exército nazi. Diz-se que Stalin (cognominado o “Homem de Ferro”) ficou desesperado, chegando a admitir que iriam perder tudo o que Lenin construíra. E vejam bem, custou à beça para deter os alemães, até 1943 eles ainda obtinham alguns triunfos.

            É lamentável constatar que Churchill, logo no início, correu a se pronunciar e, desprezando as diferenças ideológicas, pôs-se a lamentar o sofrimento do povo russo pego de roldão, as crianças inclusive. Mas, por que ele não vira a mesma coisa nas vítimas dos avanços soviéticos na Polônia e outros locais? O fato é que o Ocidente dito cristão, sem deixar de combater o nazismo não poderia ter socorrido Stalin. Ora essa, deixassem as duas bestas apocalípticas se estraçalharem mutuamente. A grande verdade é que Churchill e Roosevelt traíram a civilização cristã. O que eles fizeram, por assim dizer, foi um pacto com o demônio para derrotar o diabo. O nome disso é contra-senso (para não dizer coisa pior).

            Mas enfim, o que derrotou os nazistas foi o mesmo fator que causou a derrocada de Napoleão no século XIX: o General Inverno. Hitler chegou a se queixar, como lembra Marques da Cruz em “Profecias de Nostradamus”:  Napoleão pegou 20 graus abaixo de zero, o Fuehrer pegou 40... e se os exércitos napoleônicos dispunham de cavalos e os nazistas, com veículos motorizados, estavam bem mais equipados, isso não adiantou: num frio tal a gasolina congela.

            As verdadeiras intenções de Stalin ficaram claras ao final do conflito: o nazismo perdeu a guerra mas quem ganhou não foi a democracia: foi o comunismo. Mais da metade da Europa (tendo em vista o enorme tamanho da Rússia) ficou sob domínio bolchevista, uma tirania terrível, que persegue a religião, proíbe a dissidência, estabelece o partido único e férreo; prende arbitrariamente, aterroriza, mata, tortura, age até sobre a liberdade de consciência. Acaba voltando contra si própria: numa dessas reviravoltas, em 1953, Stalin morreu misteriosamente, ao que parece assassinado pelos seus pares numa das reuniões do Soviet.

            Enquanto isso, o mapa da Europa oriental ficou assim: uma parte, a URRS (União das Repúblicas Socialistas Soviéticas, ou União Soviética) com a Rússia e um grande número de nações escravizadas, como Estônia, Letônia, Lituânia, Ucrânia, Armênia e outras, inclusive na Ásia; outra parte, a Cortina de Ferro, com países teoricamente independentes mas na prática satélites do Kremlin: Polônia, Alemanha Oriental, Bulgária etc.

            Uma triste situação que durou até a chegada do grande Papa João Paulo II.

 

 

Rio de Janeiro, 19 de janeiro de 2017.

 

 

Compartilhar em redes sociais

Comentários (1)

Carqeija: V. deu um show de bola, não, um show de jornalismo instigante que vai ao cerne de questões muitas vezes escamoteadas ideologicamente ora servir aos donos do mundo econômico e bélico, ora para desvirtuar os caminhos mais recônditos que ocultam a verdade histórica. Seu texto demonstra acuidade e visão ampla da História do mundo e do século XX, sobretudo no que concerne às causas primeiras que resultaram na hecatombe que foi a Segunda Guerra Mundial e. Mostrou quem, no Ocidente, se omitiu em socorrer países que realmente naquela época necessitavam de uma governante imparcial. Mostrou, assim, por que o comunismo - essa praga - se disseminou pelo mundo ocidental e oriental. Um texto ágil, direto, que vê com clareza onde estão as feridas que provocaram tantos males à civilização humana com reflexos até aos nosso dias. Parabéns pela lição magnífica de História da Segunda Guerra Mundial e e dos motivos que a desencadearam. Cunha e Silva Filho.

Cunha e Silva Filho
postado:
24-01-2017 11:52:10

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

12.04.2017 - Psycho Pass 5: surge o grande vilão

10.04.2017 - Não à ideologia de gênero

02.04.2017 - O Papa e o Anticristo

31.03.2017 - Uma lágrima de mulher

28.03.2017 - Anti-homenagem

18.03.2017 - José Antonio Reguffe

08.03.2017 - CATARINA DE SIENA

04.03.2017 - Fantoches de Deus: fraquíssimo romance de Morris West

26.02.2017 - Carta à Tribuna da Imprensa, 22/7/1998

18.02.2017 - As memórias de Cunha e Silva Filho

16.02.2017 - A Filha da Floresta, de Thales Andrade

08.02.2017 - Psycho Pass episódio 4: Akane no mundo virtual

31.01.2017 - O farol de Virginia Woolf

24.01.2017 - O clichê da criança monstro

19.01.2017 - A verdade sobre a II Guerra Mundial

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

22.04.2017 - O povoamento do Piauí

O autor faz análise crítica sobre obra historiográfica e sobre a colonização do Piauí

22.04.2017 - Poesia de Hoje

Versos Atuais.

22.04.2017 - O BRASIL QUE VIRÁ

O BRASIL QUE VIRÁ

21.04.2017 - C@ARTA AO POETA CHICO MIGUEL

Diria que o amigo é um poeta do coração e da razão, no perfeito equilíbrio dessas duas vertentes.

21.04.2017 - SOMOS MEMBROS UNS DOS OUTROS

Isto é citado por Laín Entralgo

20.04.2017 - MEUS MORTOS HÃO DE VIR NO FIM DA TARDE

Só dá para ler este belo texto quem o situa na Manaus da década de 50

20.04.2017 - E O CONGRESSO?

Oh, Amigos, não esqueçamos o futuro Congresso.

19.04.2017 - SER BUDISTA

Quando o queriam reprovar, diziam que ele era budista.

18.04.2017 - POR QUE KAFKA ESCREVIA EM ALEMÃO?

POR QUE KAFKA ESCREVIA EM ALEMÃO?

18.04.2017 - CONFLUÊNCIA

CONFLUÊNCIA

18.04.2017 - Sobre a liberdade

Sobre a liberdade

17.04.2017 - A palavra editor

É uma das palavras mais ambíguas do nosso mercado literário

16.04.2017 - Auto de Natal em Copacabana

Auto de Natal em Copacabana

15.04.2017 - A MÁSCARA DE CRISTO

Impossível saber se era moreno como um palestino

15.04.2017 - Poesia atual

Plataforma Póetica Popular

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br