Dilson Lages Monteiro Terça-feira, 09 de fevereiro de 2016
ALÉM-MAR - MARIA DO ROSÁRIO PEDREIRA
Maria do Rosário Pedreira
Tamanho da letra A +A

As leituras dos escritores

[Maria do Rosário Pedreira]

Tenho a sensação de que quase toda a gente acha que os escritores lêem muito mais do que as outras pessoas. É lógico que se pense que a maioria dos escritores se apaixonou primeiro pela leitura e que foi essa paixão que, muito provavelmente, os conduziu à escrita. Mas daí a pensar-se que são os que mais lêem e que leram todos os livros fundamentais, bem... quanto a isso, já não tenho tanta certeza. Sei de leitores vorazes que paparam todos os clássicos sonantes e andam sempre actualizados sobre a literatura mundial, parecendo-me bastante mais lidos do que muitos escritores que conheço (e não estou a falar dos mais jovens), que «cumpriram» a sua quota-parte de leituras até terem começado a escrever mas depois passaram a ler apenas os grandes autores, ignorando todos os que vão aparecendo depois deles, excepto se se tornam célebres ou ganham prémios chorudos. Há, de resto, uma coisa que sempre me fez muita confusão e que tem que ver com o facto de um escritor dizer que, quando está a escrever, não lê nada (ou lê apenas jornais, revistas ou livros de receitas) para não se deixar influenciar. Até já apanhei uma vez um grande escritor a hesitar e a ficar nervoso quando lhe perguntaram o que andava a ler; permaneceu calado tanto tempo para se lembrar do título do livro que se tornou evidente que não lia nada há que tempos. Não generalizo, evidentemente, até porque sei de alguns que não adormecem sem ler umas páginas e de outros que andam tão bem informados sobre os autores novos que, de facto, os devem conhecer de ter lido, e não apenas de ter ouvido falar. Percebo também que, enquanto se está a escrever um livro, a paixão por ele deve ser tão grande que não deixa muito espaço a leituras (a não ser das páginas do próprio livro, lidas e relidas até à exaustão). Mesmo assim, tenho quase a certeza de que há gente que nunca escreveu uma linha que leu muito mais do que alguns escritores.

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

01.01.2016 - Más notícias

14.12.2015 - Ler é perigoso

02.12.2015 - A arca do tesouso

10.11.2015 - Desigualdades

27.09.2015 - Mudar o mundo

16.09.2015 - Invenções

02.09.2015 - Pessoa para pessoas

18.07.2015 - Países irmãos

05.06.2015 - Livro deitado

01.05.2015 - Cinco velhos brasileiros

09.04.2015 - Perder

22.03.2015 - Tudo por causa de uma vírgula

10.03.2015 - Apelidar

17.02.2015 - Derrocada

24.01.2015 - Em desuso

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

08.02.2016 - (IR)REAL

Eu busco as mais loucas sinestesias em minha mente alucinada

08.02.2016 - Feliz Ano Novo Asiático-Budista

Diz a Lenda que o Senhor Buddha fez uma festa na floresta, os 12 primeiros animais que chegaram, cada um recebeu de presente, um signo do Zodíaco.

07.02.2016 - CARNAVAL

CARNAVAL

07.02.2016 - A casa do medo

Uma sinistra visão de como poderão ser as casas do futuro, pelo andar da carruagem...

06.02.2016 - CONHECES A REGIÃO DO LARANJAL FLORIDO?

CONHECES A REGIÃO DO LARANJAL FLORIDO?

06.02.2016 - Em tempo de carnaval

É certo que a política

05.02.2016 - HagioLetras, HagioPoética, HagioEstudos, HagioPesquisas

Uma imagem vale mais que mil palavras = HagioLiteratura

04.02.2016 - ENTRE A ACESSIBILIDADE E O POLITICAMENTE INCORRETO

Copiado dos norte-americanos, surgiu por aqui, há não muito tempo, o conceito filosófico-antropológico do "politicamente correto"; depois, veio a febre da acessibilidade.

03.02.2016 - A PANTERA 34

A PANTERA 34

01.02.2016 - A imaginação - CLARICE DE OLIVEIRA

A imaginação - CLARICE DE OLIVEIRA

01.02.2016 - ENTRE O VERMELHO E O BRANCO

Nada pode durar tanto, não existe nenhuma recordação que, por intensa que seja, não se apague (Juan Rulfo).

31.01.2016 - EU NÃO SOU EU: POEMA DE JUAN RAMÓN JIMENEZ

poesia

31.01.2016 - Flores sem vaso

Flores sem vaso

31.01.2016 - O descobrimento do Brasil

O descobrimento do Brasil

30.01.2016 - Letras Religiosas = HagioPoética

Orações, Preces e afins também são Textos Literários

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br